A voz do eleitor:”Por um Recife com igualdade social e ruas sem lixo”

Jailton José dos Santos nasceu e cresceu no Jardim São Paulo, Zona Sudoeste do Recife. Mas hoje  ele se divide entre o Ibura e o Centro, onde reside. O marceneiro é um exemplo de superação, pois mergulhou no fundo do poço devido à dependência química, foi rejeitado pela família e passou nada menos de doze anos morando nas praças, dormindo sob marquises, perambulando pelas ruas. E sentindo-se um joão ninguém, rejeitado pela sociedade. Atualmente é coordenador em Pernambuco do Movimento Nacional da População em Situação de Rua. E é nessa qualidade que ele é ouvido em A Voz do Eleitor, aqui no #OxeRecife, onde diz, também, o que espera do próximo gestor do município.

Jailson nasceu e cresceu no Jardim São Paulo, Zona Sudoeste do Recife, bairro em que seus pais residem ainda hoje. Mas atualmente frequenta o Ibura, área popular da Zona Sul, onde reside a sua namorada. No entanto, reside no bairro da Boa Vista, em um quitinete que lhe foi arranjado pela Arquidiocese de Olinda e Recife, que tem um programa exemplar de moradia para abrigar pessoas sem teto, principalmente aquelas que não se adaptaram a albergues oficiais, que são alvos de críticas, por parte dos moradores de rua. Jailton diz que espera que o próximo prefeito tenha um olha diferenciado para a população de rua, sujeita sempre a humilhações e a viver à margem da sociedade. “Quem é morador de rua ou está transtornado ou um dia vai ficar”,diz.

Veja o que ele diz sobre “o Recife que eu quero” e “o que espero do próximo gestor”:

O  Recife que eu quero é uma cidade com mais igualdade social, porque os serviços ofertados são totalmente desiguais, vêm de cima para baixo. Gostaria que o Recife fosse uma cidade onde as pessoas sejam ouvidas, e tenham participação efetiva nas decisões. Quem melhor conhece a cidade e sabe de suas necessidades são os próprios moradores. Morei grande parte de minha vida em Jardim São Paulo, então eu  – como morador – sei melhor do que o prefeito as eficiências e deficiências do meu bairro. Mas os gestores não costumam ouvir a população, e fazem o que querem com o dinheiro público, muitas vezes, gastando em obras que não têm nenhuma importância para os recifenses. Gostaria que o Recife tivesse seu centro mais cuidado, mais bonito e mais limpo.  Infelizmente a gente quase não vê cesto de lixo nas ruas de bairros como Boa Vista e Santo Antônio. Também gostaria que a cidade fosse limpa, saneada e que seus rios não fossem tão poluídos.

Gostaria que o próximo prefeito ao invés de ficar trancado no gabinete refrigerado, fosse às comunidades indagar quais suas prioridades. E que nos dissesse assim: ‘Tenho tantos reais para gastar aqui, o que vocês preferem que seja feito com esse dinheiro?’ Ou seja, um gestor que dialogasse de fato com seus eleitores. Um gestor que não gastasse em obras inúteis, nem  superfaturando valores, para ganhar dinheiro em cima das pessoas. Um prefeito precisa fazer um mapeamento do que é essencial na cidade, baseado nas necessidades reais das pessoas. Também gostaria que o gestor tivesse um olhar diferenciado para a população de rua. Esse problema conheci de perto e vivenciei as mesmas humilhações por que essas pessoas passam.  O prefeito precisa saber que quem está na rua já ficou ou vai ficar mentalmente e socialmente desorganizado, em situação de transtorno. Um prefeito que saiba que quem está em situação de rua, e ainda não está transtornado, vai ficar um dia. Então, ele precisa saber que essas pessoas precisam de teto, de abrigo, de profissionalização de viver em sociedade, de ter uma vida digna.

Leia também:
Quitinete para morador de rua
Vida na rua, praça, rede e droga
A voz do eleitor:  “Um Recife mais limpo, mais saudável, mais agradável
A voz do eleitor: “Quero um Recife mais humano, disciplinado e consciente”
A Voz do eleitor: Gostaria que o Recife fosse uma cidade mais humana
A Voz do eleitor: “Quero a volta do orçamento participativo”
A voz do eleitor: “Gestão inclusiva, justa e participativa”
A Voz do eleitor: Espero competência, honestidade, dignidade
A Voz do eleitor: “Que o próximo gestor faça uso correto do dinheiro público”
A  Voz do eleitor: Uma cidade justa, limpa e muito bem cuidada 
A Voz do eleitor: Mobilidade, controle urbano, história preservada, cidade parque
A Voz do eleitor: Saneamento, mobilidade, saúde, patrimônio protegido
Cientistas e médicos: Vidas são mais importantes do que cargos políticos

TRE: Aglomerações políticas podem virar caso de polícia
Procissões e carnavais eleitorais esquecem a pandemia
Eleições municipais, 2020: Pernambuco tem 1.140 fichas sujas
Chame, chame a delegada
Lixo oficial à margem do Capibaribe, cidade entregue e prefeito impopular 
E os 50.000 títulos de regularização fundiária?
Sessão Recife Nostalgia: “Quando a cidade era cem por cento saneada)
Campanha política ignora pandemia

Eleições municipais, 2020: Pernambuco tem 1.140 fichas sujas
Você está feliz com o Recife?
O índice de felicidade urbana do Recife
Viva 2018, Recife
O Recife que queremos, em 2019
Recife, cidade parque em 2037
Aos 483, o Recife é lindo?
Recife se prepara para os 500 anos
Uma cidade boa para todo mundo
O que é a sujeira no mundo?
Decadência na Praça da Independência
São José: O Haiti não é aqui
Palafitas vão ganhar live a partir de barco: “O rio vai pegar fogo”
Praças à míngua no Recife
Desolação na Praça Osvaldo Cruz
Praça Dom Vital parece ninho de rato

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.