Ameaçado, Sagrada Família pode virar IEP (imóvel especial de preservação)

A notícia de que o tradicional Colégio da Sagrada Família vai fechar as portas em dezembro de 2020 não pegou de surpresa os moradores da Zona Norte. Desde o ano passado, que circulam comentários insistentes de que o educandário cristão estava com seus dias contados. O que também colocaria em risco o secular conjunto arquitetônico em que ele funciona. Mas só a partir da semana  passada, com a divulgação oficial da notícia do encerramento das atividades  foi que começou a mobilização contra a derrubada do prédio de 113 anos e de sua graciosa capelinha. Na Internet foi lançado um abaixo-assinado conclamando a população a lutar pela preservação dos imóveis do Sagrada Família, um dos poucos que preservam a arquitetura do século passado na Praça de Casa Forte, onde os casarões foram substituídos por espigões.

No caso do Sagrada Família, ainda não se sabe o que será dele. Na Internet, está rolando uma campanha “a fim de não ficarmos assistindo a mais uma perda de um imóvel de tamanho valor, não só para os moradores do bairro e ex alunos dessa instituição de ensino secular, como para os cidadãos recifenses”. O documento pede à Prefeitura que transforme o prédio em Imóvel Especial de Preservação, o que garantirá a “preservação desse exemplar de magnífica importância”. Até a manhã de hoje já havia três mil apoiadores à iniciativa, a qual também subscrevi. O Sagrada Família foi meu primeiro colégio, e onde aprendi as primeiras letras. Assim como muita gente da minha e de gerações anteriores. Minha mãe e minhas tias todas passaram por lá.  Durante muito tempo, o colégio só recebia estudantes do sexo feminino. Era um colégio para “meninas e moças”.   Mas ele pode se transformar em imóvel especial de preservação.

A Praça de Casa Forte perdeu imóveis antigos. A ameaça mais recente é o Sagrada Família, de 113 anos.

É que o prefeito Geraldo Julio  (PSB) acaba de informar que decidiu indicar o conjunto arquitetônico do colégio como Imóvel Especial de Preservação (IEP), de acordo com a lei Municipal de n° 16.284/97.  Vamos torcer para que o processo ande com rapidez, e que não ocorra o que houve com outros imóveis igualmente importantes cujas demolições são questionadas até hoje por arquitetos e urbanistas. Segundo nota oficial, “a iniciativa está alinhada com o processo já iniciado pela Prefeitura do Recife com a criação do Plano de Ordenamento Territorial, no qual a Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural  propôs atualização das Zonas Especiais de Preservação do Patrimônio Histórico-Cultural (ZEPH), que foram renomeadas para Zonas Especiais de Preservação do Patrimônio Cultural (ZEPP), possibilitando uma abrangência maior do rico acervo patrimonial da cidade.

As propostas, inseridas no âmbito da atualização da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo (LPUOS), incluem também a ampliação de polígonos de ZEPH existentes e a criação de novas Zonas em vários bairros da cidade, incluindo o bairro de Casa Forte. No entanto, essas iniciativas, que contemplarão não só imóveis isolados, mas sim áreas urbanas, dependem da aprovação do Plano Diretor, que se encontra há dois anos aguardando votação na Câmara Municipal do Recife. Conforme a Lei, para realizar a classificação do imóvel como IEP é necessária a elaboração de um parecer técnico da DPPC para avaliar se ele preenche os requisitos exigidos. Depois de elaborado, o parecer é submetido ao Conselho de Desenvolvimento Urbano (CDU) que vota pela sua inclusão, ou não, no rol de IEPs por meio de Decreto Municipal.

A análise do parecer sobre o imóvel do Colégio da Sagrada Família pelo CDU está prevista para acontecer na próxima reunião do Conselho, que deve acontecer no fim do mês de novembro. A Prefeitura do Recife informa que, desde 2013, classificou 107 imóveis como Imóveis Especiais de Preservação. Em 1997, quando foi promulgada a Lei Municipal 16.284, foram classificados 154 imóveis como IEPs. Até o início da atual gestão, apenas mais 2 imóveis foram classificados como Especiais de Preservação pelo município. O Colégio da Sagrada Família faz parte de uma congregação francesa fundada por Santa Emília de Rodat e se instalou no local atual, terras do antigo Engenho Casa Forte, desde 1907. O imóvel, composto por convento, colégio e capela, encontra-se preservado e está localizado ao fundo da Praça de Casa-Forte. Além de considerada jardim histórico, a Praça foi  recentemente tombada pelo Iphan, como obra do Paisagista Burle Marx (1936), formando junto com a Igreja de Casa Forte um importante conjunto arquitetônico da Zona Norte do Recife. Tomara que o  prédio seja mesmo preservado. Porque a Praça de Casa Forte jamais será a mesma sem a presença do Sagrada Família. O temor, no entanto, é que mesmo sendo um IEP   (ou a caminho de se transformar em um) o imóvel vire entulho como tantos outros do Recife, como foi o caso da Casa de Saúde São José, no mesmo bairro.

Leia também:
Demolição de marco da arquitetura moderna gera protestos no Recife
Sessão Recife Nostalgia: Demolido um dos marcos da arquitetura moderna no Recife
Cprh se muda para empresarial
Tombamento da Fundaj esquenta briga com Lojão do Poço da Panela
Casas modernistas ganham mobilização
Casas modernistas empatando tua vista
Praça Fleming e o Recife sem memória
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
Cais José Estelita começa a virar pó
Lembram dele? O caso único do prédio que teve duas fachadas simultâneas
Caminhadas Domingueiras: Passeio pelos estilos arquitetônicos do colonial ao moderno
Derby: Arte Déco, eclético, modernismo
Sessão Recife Nostalgia: Carregadores de piano
Sessão Recife Nostalgia: Nos tempos de O Veleiro, na praia de Boa Viagem
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Agenda cultural era impressa
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade quase vira Beirute
Sessão Recife Nostalgia: Os quintais de nossa infância
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Buarque Macedo e a sombra magra do destino
Sessão Recife Nostalgia: Teatro Santa Isabel e a luta abolicionista
Sessão Recife Nostalgia: Herculano Bandeira e os jagunços do Palácio
Sessão Recife Nostalgia: pastoril, Villa Lobos, e piano na Casa do Sítio Donino
Sessão Recife Nostalgia: Beco do Veado e outros becos
Sessão Recife Nostalgia: Solar da Jaqueira
Sessão Recife Nostalgia: a Viana Leal
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19, na cidade que imitava Paris
Sessão Recife Nostalgia: os banhos noturnos de rio no Poço da Panela
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Praça do Derby era um hipódromo
Sessão Recife Nostalgia: O parque Amorim e a lenda do Papafigo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife e de Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Donino e seu antigo casarão ameaçado
Recife, saneamento, atraso e tigreiros

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.