Óculos ecologicamente corretos, feitos com plásticos colhidos no mar

Uns sujam e outros limpam. Todo mundo sabe que, se nada for feito, em 2050, haverá mais plásticos do que peixes nos oceanos. Já existem praias,  onde é praticamente impossível se caminhar à beira-mar, por conta do excesso de detritos jogados em rios, lagoas e na água salgada, como ocorre na Índia. Há empresas que, seguindo a linha politicamente correta, tentam contribuir colhendo plásticos nos mares e transformando-os em utensílios. A experiência mais recente vem do Grupo Safilo, líder mundial em design, fabricação e distribuição de óculos. A empresa está anunciando a fabricação do  primeiro modelo de óculos de sol para o The Ocean Cleanup, a  partir plástico injetado proveniente da Grande Porção de Lixo do Pacífico (Great Pacific Garbage Patch – Gpgp).

Segundo a empresa, a produção lança mão de processo inovador, capaz de incluir tipos de plástico que tradicionalmente eram mais difíceis de reciclar, transformando-os em um material de alta qualidade e seguro .  Até porque a Safilo tem nome de  142 anos a zelar, e jamais lançaria um produto de má qualidade, que pudesse macular a marca. Mas há outra novidade:  Cada par de óculos de sol carregará um QR code exclusivo que conecta diretamente o usuário às informações básicas sobre o produto, o projeto e o local específico de onde a poluição do plástico marinho foi removida. Os números surpreendem. Estima-se que cada par de óculos de sol permita a limpeza de um equivalente a 24 campos de futebol do Gpgp. Os óculos de sol estarão disponíveis exclusivamente no site The Ocean Cleanup, e 100% da receita irá para a continuação da missão de limpeza.

Se nada for feito, as praias do mundo ficarão como essa, na Índia, captada pela National Geographic: Inviáveis!

“Estamos honrados por fazer parte dessa missão de dar uma segunda vida ao plástico coletado do oceano. Nossa equipe de design trabalhou duro para combinar nossa longa história de fabricação de óculos com inovações de materiais para garantir a alta qualidade, design e exclusividade deste produto final. Nosso investimento no uso de materiais reciclados está alinhado com nossos esforços contínuos para promover um negócio responsável e é parte do compromisso da Safilo com as pessoas, produto e planeta, informa Angelo Trocchia, CEO do Grupo Safilo. “Ficamos felizes por unir forças com a Safilo, uma das maiores empresas globais de óculos, para a criação de nosso primeiro produto feito com o lixo que coletamos na Grande Mancha de Lixo do Pacífico. É importante que façamos parceria com marcas confiáveis” diz Boyan Slat, fundador e CEO da The Ocean Cleanup.

“A parceria com a Safilo foi crucial para transformar o plástico que retiramos do oceano em produtos úteis e duráveis: esses lindos óculos de sol. Os lucros deste produto ajudarão a financiar nossa missão e esperamos que sirvam como outra forma de aumentar a consciência global da necessidade urgente de remover o plástico de nossos ecossistemas aquáticos”, completa Boyan. A utilização de materiais descartados para fabricação de óculos, no entanto, não chega a ser inédita, inclusive no Brasil.

É caso da Zerezes,  por exemplo. Foi a primeira no país a aproveitar madeira descartada por marcenarias para a fabricação de óculos, que terminaram por virar sonho de consumo para muita gente. Além de leves, as armações agregam valor pela sua proposta ambiental. E também anunciou -em 2019 – a fabricação de óculos a partir de canudos plásticos recolhidos nas areias das praias e que, normalmente, vão dar no mar, colocando em risco a vida de animais como peixes e tartarugas.

No caso do Grupo Safilo, no entanto, trata-se de um gigante. A empresa é líder mundial no design, fabricação e distribuição de óculos de sol, armações ópticas, óculos esportivos e produtos relacionados. Existente desde 1878,  conta com extensa rede de subsidiárias em 40 países e mais de 50 parceiros de distribuição em mercados-chave na América do Norte e Latina, Europa, África, Oriente Médio, Ásia-Pacífico e China. Ao todo, são quase 100.000 pontos de venda selecionados em todo o mundo. O portfólio da Safilo inclui suas próprias marcas principais Carrera, Polaroid, Smith, Safilo, Blenders, Privé Revaux . E também marcas licenciadas como Fendi, Banana Republic, BOSS, David Beckham, Elie Saab, Fossil, Givenchy, havaianas, HUGO, Jimmy Choo, Juicy Couture, Kate Spade Nova York, Levi’s, Liz Claiborne, Love Moschino, Marc Jacobs., Missoni, M Missoni, Moschino, Pierre Cardin, Rag & Bone, Rebecca Minkoff, Saks Fifth Avenue, Swatch e Tommy Hilfiger.  Em 2019 a Safilo registrou vendas líquidas preliminares de 939 milhões de euros, o que não  é pouco….

Já o The Ocean CleanUp  desenvolve tecnologias avançadas para livrar os oceanos do mundo do plástico. Fundado em 2013 por Boyan Slat, o The Ocean Cleanup agora emprega aproximadamente 95 engenheiros e pesquisadores. A fundação está sediada em Rotterdam, Holanda. O The Ocean Cleanup planeja implantar uma frota de longas barreiras flutuantes que atuam como um litoral artificial, para recolher detritos.

Quando estiver operando na totalidade, espera-se que toda a frota de sistemas de coleta passivos remova 50% da Grande Mancha de Lixo do Pacífico a cada cinco anos. Depois de um bom tempo conduzindo expedições de reconhecimento, testes de modelo em escala e implantação de protótipos no Mar do Norte, os primeiros sistemas de limpeza do oceano foram implantados na Grande Mancha de Lixo do Pacífico em 2018 e 2019. Assim que a prova da tecnologia for alcançada, a Limpeza do Oceano pode começar em grande escala, removendo grandes quantidades de plástico oceânico que se acumulam há décadas. Em outubro de 2020, The Ocean Cleanup, em cooperação com parceiros da cadeia de valor, pela primeira vez fez um ‘círculo completo’ e apresentou seu primeiro produto, feito a partir da Grande Mancha de Lixo do Pacífico, com 100% da receita indo para o continuação da limpeza.  A organização desenvolveu a tecnologia Interceptor ™ para ajudar a evitar que o lixo plástico entre nos oceanos.

Veja, nos links abaixo, ações de outras corporações em favor da natureza

Leia também:
Mar: mais plástico do que peixe em 2050
Canudos plásticos de praia viram óculos e natureza agradece
Plásticos nas praias viram embalagens
Xô, plásticos. A vez das canecas
O lixo que virou lixeira
Reciclagem de plástico rende utensílios domésticos e corrimão nos morros
Quatro milhões de canudos a menos no mercado
Dia Internacional sem sacos plásticos. Vamos nessa?
Nestlé quer embalagem biodegradável
Campanha contra plástico rende prêmio
Plásticos poluem Boa Viagem
Mutirão espontâneo contra o lixo
Plásticos viram vilões das tartarugas
Colete três plásticos na areia
Maquininha de passar cartão feita com plástico reciclado do mar
250 milhões de tampinhas retiradas da natureza em seis estados
Startup faz campanha contra lixo
Prêmio de R$ 50 mil para quem no mundo melhor limpar sua comunidade
 Leite Ninho: as vacas de brinquinho que mede a felicidade no pasto
Nestlé diz ter evitado emissão de gases que equivalem a 1,2 milhões de carros
Mata Atlântica vai ganhar 1 milhão de árvores: promessa da Nestlé
Leite Ninho: as vacas de brinquinho que mede a felicidade no pasto
Cerrado ganha corredor ecológico
Mata Atlântica: Corredores ecológicos
PE: Mata Atlântica sobrevive
As riquezas da Mata Atlântica
Mata Atlântica: PE fez o dever de casa
Ambientalistas preocupados: só restam 1.300 muriquis na natureza
Cabo ganha 4.750 árvores
“Arca de Noé” para corais ameaçados
Mar: mais plástico do que peixe em 2050
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão-dourado
Brumadinho: 125 hectares de florestas e vidas humanas destruídas
Visite o Legado das Águas nas férias
Coca-Cola planta 600 mil árvores 
Praia dos Carneiros ganha aliado contra o turismo predatório
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pela folia em Olinda
Brasil tem camisa carbono zero
Festival de Aves no Sul da Bahia
Borboleta rara no Legado das Águas
A inédita visita do sabiá ferreiro

Quase 20 mil tartaruguinhas ao mar
As mil e uma utilidades do butiá
Por um milhão de árvores na Amazônia
Cepan: Dois milhões de árvores plantadas
Mata Atlântica ganha viveiro de mudas
Quase 20.000 tartarugas ao mar
Em uma semana, Mata Atlântica ganha 14 mil árvores da Levi’s e da Farm

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Safilo / Divulgação e National Geographic (acervo #OxeRecife)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.