Pneus na guerra contra o lixo

Infelizmente o Recife tem um lixão em cada esquina. Para qualquer local que o cidadão se vira, encontra metralhas, tralhas, sacos plásticos e até restos de comida espalhados pelas calçadas. Resultado da falta de educação doméstica e também da inoperante política de limpeza pública da cidade. Os moradores da Zona Norte, no entanto, descobriram um meio de evitar o acúmulo de detritos em suas calçadas,  transformando de pneus velhos em canteiros.

A estratégia pode ser vista em vários locais. Em atitudes individuais ou coletivas. Na Estrada do Encanamento, por exemplo, uma moradora cansou de pedir aos vizinhos que não colocassem lixo em frente da sua casa. Não adiantava. Apelou até para placas com a frase “Proibido colocar lixo”. Nada mudou. Então ela decidiu ocupar o espaço com canteiros improvisados em pneus.  A iniciativa fica em trecho entre a Estrada das Ubaias e a Rua João Barbalho, antigo Beco Sabino. Na Estrada do Morro da Conceição, um morador decidiu fazer o mesmo. Não havia um dia só em que sua calçada não se transformasse em depósito de lixo.

No caso da Estrada do Morro da Conceição, o problema ficou por conta da mobilidade, já que os canteiros improvisados ocupam quase toda a largura da calçada da descida do Santuário, onde a maior parte é estreita demais, irregular ou simplesmente não existe. Mas, pelo menos, a ocupação com plantas inibiu a mania dos vizinhos. Na Praça da Conceição, local principal do Morro, os próprios moradores se reuniram e improvisaram um canteiro de pneus desde 2016.

O canteirinho fica no local onde pessoas sem ocupação e aposentados se reúnem para jogar conversa fora e partidas de dominó diariamente. Eles se anteciparam ao Programa Mais Vida Nos Morros, que depois chegaria à comunidade, pintando tudo de branco e azul (as cores da Santa), mas sem conseguir organizar melhor a população para o correto descarte do lixo. Nesta semana, o entorno do Santuário da Conceição tinha montanhas de detritos em quase todas as esquinas. Em algumas ruas – como a Travessa do Dendê – os moradores já nem usam pneus, mas jardineiras de concreto para que suas calçadas não virassem lixões.  Mas o resultado foi que a montanha de detritos transferiu-se para a calçada de defronte, onde até carcaças de fogão e geladeiras podem ser vistas em área pública.

Leia também
O exemplo do Morro da Conceição
Lutando com flores contra o lixo
Sementes que brotam na Zona Norte
Horta urbana: três anos com festa
Exemplo para o poder público
Casa Amarela pede socorro
Jardim do Éden no Alto do Mandu
Que diabo de ecoponto é esse?
Mas um ecoponto sujo
Ecoponto é o retrato da coleta seletiva
O Recife e os porcos urbanos

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Alto Sustentável (divulgação)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.