O Brasil pegando fogo, mas Presidente joga a culpa no “índio” e no “caboclo”

Vergonha para o Brasil o discurso feito pelo Presidente Jair Bolsonaro na cerimônia de abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Falar em “tolerância zero” do governo para o crime ambiental no nosso país soa, no mínimo, como uma grande falsidade.  Pois a “Pátria amada” vive, talvez, o maior descaso ambiental de sua história. Situação que já se transformou em descalabro e chama atenção da opinião pública não só do país mas do mundo todo. Aí, o Bozó vai para a ONU e ainda bota a culpa pelos incêndios da Amazônia “no índio e no caboclo”. Sinceramente, me perdoem a expressão, mas é muita cara de pau.

E ainda diz que o Brasil “sofre uma das campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal”.  Como se não houvesse quase 6 mil focos de incêndio no Pantanal e como se a maior floresta tropical do mundo não estivesse em chamas e nem vítima de desmatamento 60 por cento maior em agosto de 2020 do que o registrado em igual período do ano passado. Ou seja, quer fazer entender que é fake o noticiário sobre o drama vivido pelas duas regiões, que padecem das consequências provenientes do desmonte de todo o aparato legal e institucional de proteção ao meio ambiente no país. Mas não adianta tapar o sol (ou melhor, o fogo) com a peneira.

E o leque de medidas que desmentem a fala presidencial é imenso: vai do relaxamento da fiscalização à perseguição de fiscais de órgãos do próprio governo, que cumprem com suas obrigações. Também há tolerância cem e não tolerância zero, à ação criminosa de grileiros, fazendeiros, garimpeiros. Servidores do setor reclamam processos administrativos sigilosos viraram rotina em órgãos como o Ibama. Deve ser para deixar a “boiada” do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles passar. O arcabouço legal – que prevê destruição de máquinas de propriedade de responsáveis pelos desmatamentos ilegais – é desrespeitado institucionalmente. E o Bozó já teve o desplante de dizer que era preciso “acabar com a indústria de multas” na área ambiental do país.

 

Não é à toa, portanto que as sanções aplicadas pelo Ibama contra aquele tipo de gente tenha caído 60 por cento em um ano. Como também não surpreende que o famigerado Bozó tenha virado alvo de chargistas em quase todo o mundo.  Como esta, atribuída à imprensa portuguesa, onde o Presidente aparece com uma motosserra na mão e um revólver na outra. Só faltou a caixa de fósforo, para tocar fogo em tudo. Recentemente a Associação Nacional de Servidores do Meio Ambiente divulgou um documento Cronologia de um Desastre Anunciado, no qual enumera mais de 150 golpes praticados pela gestão de Bozó contra o meio ambiente no Brasil. É um documento muito sério, sem blablablá,  que enumera  os “pontos fundamentais que demonstram a narrativa de destruição e o repetido desrespeito ao arcabouço legal levados a cabo pelo Presidente Jair Bolsonaro”. Entre portarias, falas de Bolsonaro e perseguição a funcionários que fazem o dever de casa, o documento da Ascema nos ajuda a entender a razão do desastre ambiental em que o país está mergulhado. Parem de derrubar árvores!. À medida que o arboricídio institucionalizado aumenta,  o pulmão do mundo – e o seu, o meu, o nosso –  sofre um golpe.

Leia também:
Já me falta ar para falar das florestas
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
Os levantes das ligas camponesas
Ditadura nunca mais:
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?

Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
 
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Nome de ex-presidente militar em unidade do exército gera ação do Ministério Público 
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Internet / Greenpeace/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.