Culinária sustentável: iguarias com cascas de banana, talos, bagaço de coco

Todos os anos, o Brasil desperdiça nada menos de 26 milhões de toneladas de alimentos. São frutas, verduras, hortaliças que vão para o lixo. Segundo os órgãos especializados, as perdas dariam para alimentar 35.000.000 de pessoas com café da manhã, almoço e jantar. Nós não temos cultura para aproveitarmos cascas de frutas como banana, melancia, laranja, por exemplo. Ou talos como os das cenouras e das beterrabas.  Mas elas podem ser sim, muito bem utilizadas na cozinha sustentável. Rendem compotas, antepastos, tortas salgadas.

Uma vez eu estava em Floriano, no Piauí, fazendo uma reportagem, quando me defrontei com uma vendinha daquelas de interior, que só tinha produtos orgânicos, fato raro de ser ver no Nordeste rural. O caso me chamou a atenção. E fui, então, saber de onde vinham. Tive o prazer de conhecer um bonito projeto de agricultura natural e sustentável. No almoço, comentei a leveza do vinagre colocado na salada que me foi servida. Pois sabem de que ele fora feito? Casca de banana, açúcar e água. A mistura ficou em fermentação. Depois de certo tempo foi coada. E rendeu um vinagre maravilhoso, livre de produtos químicos e tão leve como jamais eu experimentara.

Falo nisso só para lembrar que acaba de ser disponibilizado nas redes sociais o livro Culinária Sustentável, no qual constam doze receitas visando o aproveitamento de sobras da cozinha. Nele não há a a receita do vinagre que experimentei no Piauí.  E fica a sugestão para um teste.  A publicação ensina como utilizar talos (de alface, acelga, brócolis, couve-flor, cenoura, beterraba, nabo), cascas (de laranja, banana, melancia, abacaxi, entre outros), bagaço (como o do coco, em biscoitos).   O livro é o primeiro de culinária sustentável lançado pelo Programa Mais Vida nos Morros, da Secretaria Executiva de Inovação Urbana do Recife.  Foi lançado em live, há alguns dias, no Instagram do Programa, e também em edição física. Mas, destes, foram confeccionados apenas 200 exemplares que serão distribuídos com lideranças dos altos e alagados do Recife, grupos de mulheres, escolas.  O livro está disponível de forma gratuita e em edição digital, nas redes sociais.

Angélica ministrou oficinas de culinária sustentável para comunidades de morros e alagados .

As receitas são o resultado de 42 oficinas realizadas ao longo dos quatro anos do programa, em  comunidades do Recife. O livro tem como objetivo fortalecer a prática sustentável, contribuir com a  minimização da produção do lixo orgânico, além de melhorar a qualidade de vida da população. E é útil a donas de casas de todas as classes sociais.  Para a Gestora Ambiental e Especialista em Culinária Sustentável da Secretaria Executiva de Inovação Urbana do Recife, Angélica Nobre, o princípio  da culinária sustentável é minimizar o lixo orgânico e preservar o meio ambiente. “Através das instruções do livro de culinária, as pessoas poderão ter uma melhor qualidade de vida,  gerar economia doméstica e ajudar a reduzir o lixo ambiental”, diz.

Entre as receitas, há antepasto e brigadeiro de casca de banana; bolos de casca de abacaxi e de mamão; doces de casca de laranja e de melancia. Para aproveitamento de talos, Angélica sugere uma torta salgada, com todos que você tiver em casa, muitos dos quais normalmente não são aproveitados. Veja como fazer. Os ingredientes são: talos e folhas, três ovos, óleo para refogar, uma cebola ralada, dois dentes de alho, uma xícara de leite, uma xícara de óleo, três de farinha de trigo, uma colher (S) de fermento, um pacote de 50 gramas de queijo ralado.  Depois de higienizar as hortaliças, guarde talos e folhas de cenouras, nabos, brócolis, couve flor, beterrabas. Pique em pedaços pequenos. Refogue no óleo, alho e cebola. Depois, bata a xícara de óleo, leite e ovos, no liquidificador, rapidamente.  Acrescente sal, pimenta, coloral se assim o desejar. Coloque a mistura em bacia, e depois acrescente o refogado, o trigo, fermento e o queijo. Bote em forma untada e levar ao forno pré aquecido.

Leia também:
Rede Carrefour adota compostagem
A Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Reforço para pequenos produtores
Ventos que transformam no Agreste
Energia a partir do vento e água para quem tem sede
Casa Forte: atrapalho em feira orgânica
Faça a feira sem veneno
Refazenda lança Coleção Cor de Agrião em feira de produtos orgânicos
Hortas orgânicas crescem nas escolas
Praça de Casa Forte sem feira paralela
Para tocar no coração das pessoas
Agricultura, veneno e genocídio
O Brasil está virando o rei do veneno
Com tantos venenos no Brasil, cuidado com o que você come
Fome, tortura, veneno, maniqueísmo
A mentira da fome e a realidade do Sertão que comoveu o Brasil
Fome no Brasil é uma grande mentira?
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão 
Segurança alimentar prejudicada
O lixo que virou lixeira
Mutirão Mega no Mais Vida nos Morros
Mais Vida nos Morros ganha prêmio
CurioCidades: o Recife turístico e afetivo de 40 fotógrafos
Nova fase para o Mais Vida nos Morros
Barco, caminhada e Mais Vida Teimosa
Centro do Recife precisa de mais vida
Laboratório da Paz transforma morros
Alto Sustentável completa cinco anos
Alto José Bonifácio está mais colorido
Morros começam a ganhar hortas
Troque uma muda por uma ideia
Mais Vida nos morros do Vasco
Que tal turismo nos morros coloridos?
ONU de olho no Mais Vida nos Morros
Túlio Ponzi e o Mais Vida nos Morros
A paisagem colorida do Córrego do Jenipapo
Mais Vida nos Morros se amplia
Praça alegre colorida na Mário Melo 
A rua também é nossa

Serviço:
O quê:  Livro Receitas de Culinária Sustentável
Objetivo: Evitar desperdício, Aproveitando alimentos que geralmente iriam para o lixo
Público alvo: comunidades de morros e alagados, beneficiadas pelo Programa Mais Vida nos Morros
Edição virtual, acessível a todas as pessoas no Instagram: @maisvidanosmorros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.