Águas pluviais X Esgoto doméstico: Quando tudo se mistura sob o chão

Em alguns locais, como Paris, as tubulações de esgotos são tão organizadas, que os subterrâneos da cidade luz até se transformaram em atração turística. Há passeios que mostram como o sistema que começou a ser implantado há tantos séculos funciona tão bem, ainda hoje. Claro, com as adequações necessárias, à medida que a capital francesa foi crescendo. Os organizados esgotos de Paris inspiraram um dos  mais famosos escritores, Victor Hugo (1802-1885), que tanto neles fala em sua obra mais conhecida, Os Miseráveis.

Há quem diga que sob a Cidade Luz há uma outra cidade, justamente a de tubulações, e onde fica o Museu do Esgoto. Nada tão palpitante para o turista quanto a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo ou um passeio de barco no Rio Sena. Mas o fato é que, dizem, os esgotos são organizados, possuem números por quarteirão e fica fácil, por exemplo, você localizar um objeto pequeno que tenha caído pelo ralo da pia. É  só telefonar para a Companhia de Saneamento de lá, dar o endereço, e o objeto é localizado. Bem, é o que dizem alguns franceses e textos sobre o assunto.

Moradores de Boa Viagem dizem que essa língua negra é uma mistura de esgoto doméstico com água da chuva.

Mesmo que não funcione com essa perfeição, fica difícil, por exemplo imaginar que lá ocorra uma situação como a que a gente vê nas ruas do Recife.  Esgotos estourados em quase todas as esquinas, tanto em bairros populares quanto nos mais sofisticados.  E, pior, a mistura de águas da chuva com dejetos o que, definitivamente, é um horror. Inconcebível para o século 21. Nesta semana, durante minha caminhada matinal, me defrontei com uma série de obras na Avenida Dezessete de Agosto, onde a Operação Verão fez buracos no asfalto para desentupir galerias pluviais, preparando-as para o inverno que se aproxima. Pois sabem o que aconteceu, defronte do Condomínio de luxo Ilha de Sardenha?  No buraco cavado pela Emlurb,  onde deveria ter apenas tubos de águas pluviais, tinha esgoto transbordando até o asfalto e escorrendo junto ao meio fio.

Uma fedentina miserável, a avenida se transformando em uma fossa e acarretando o risco de banho de água suja nos pedestres que transitam na calçada. Ou seja, em área considerada nobre, ligação clandestina de esgoto, misturando água de chuva com esgoto doméstico. E dali, claro, escoa sem tratamento para o rio e depois para o mar.  Isso na Zona Norte. Mas na Zona Sul, na  praia de Boa Viagem, dizem os moradores, há muitos locais com problemas como esse. Na própria avenida que fica na orla, é possível observar-se esgoto escorrendo no asfalto.  Perguntei à Emlurb se esse tipo de ocorrência – mistura de galeria pluvial com esgoto doméstico – é frequente no Recife. “Sim. Isso é bem comum, ligação clandestina de esgoto com a rede pluvial”. E nada mais foi informado. Pelo que se vê, a bagunça nos subterrâneos do Recife é mais frequente do que a gente pensa. Ou seja, normal. E vista com tolerância, um descalabro. Cadê a Compesa, o Ministério Público e a Cprh? Ninguém não faz nada não? Ninguém leva multa? A bagaceira fica assim mesmo? E nossas contas são pagas para quê?

Leia também:
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade era cem por cento saneada
Recife, saneamento, atraso e tigreiros
Mais 19 anos sem saneamento. Pode?
Dejetos infectos no meio do caminho
Dejetos infectos em Casa Forte
Boa Viagem tem esgoto na areia
Língua negra em Boa Viagem
Esgoto incomada no Espinheiro
Capibaribe: lixo é rua sem saída
Dia da Água: nossos rios poluídos
Riacho Parnamirim ainda tem jeito
Era um riacho, mas leito espesso parece asfalto
Um Brasil de rios sujos
Ex-rios, canais viram esgotos e lixões
Açude de Apipucos virou um lixão
Pouco resta do lindo Chalé do Prata

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.