Parque Apipucos sofre incêndio

Essa queimada aí não é na Amazônia não. É no Recife mesmo. E, pior, em área pública e “verde”, destinada ao lazer da população. Inaugurado em 2012, com poucos atrativos e até hoje muito mal utilizado, o Parque Apipucos sofreu mais um golpe.  O menor parque do Recife foi alvo de incêndio nesta semana. Acidental ou criminoso? Ainda não se sabe. O que se sabe é que a grama, que já estava esturricada por falta de rega ficou ainda pior, pois virou um monte de cinza. E algumas mudas ali plantadas, incluindo palmeiras, sucumbiram quase todas ao fogo.

A Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) informou ao #OxeRecife, através de nota,  que “acionou a Guarda Municipal do Recife para a verificação do que ocasionou o incêndio no gramado do Parque Apipucos Maximiano Campos”.  E assegurou que  “a irrigação no local em questão está sendo intensificada para estimular o crescimento do novo gramado”. Na comunidade do entorno há duas versões sobre o assunto: incêndio provocado por desconhecidos ou pelos funcionários responsáveis pela manutenção durante a jardinagem. O lixo de folhas secas teria sido acumulado no meio do gramado, ao qual se ateou fogo. A vizinhança informa que eram enormes as labaredas e só cessaram quando chegaram às muretas e caminhos de concreto, que serviram para evitar que o fogo se alastrasse por toda a área verde. As muretas protegeram  das chamas árvores como as da foto abaixo, que estão floridas inclusive. 
Incêndio só cessou quando atingiu a barreira de concreto, o que evitou que árvores fossem tragadas na fogueira.

Também chamado de Maximiano Campos – em homenagem ao pai do então governador Eduardo Campos (PSB), já falecido – o parque nunca cumpriu sua missão como ocorre com o Santana, o da Jaqueira ou o Macaxeira, todos na Zona Norte. Localizado à margem do Rio Capibaribe, e defronte do Açude de Apipucos, ele fazia  parte de um pacote nunca concluído: o Capibaribe Melhor, que previa investimentos totais superiores a R$ 24,5  milhões em Apipucos, Santana e Caiara.  Em Apipucos, o projeto incluía  passarela para Cooper em torno do açude, praça, ancoradouro para barquinhos e o Parque Maximiano Campos. Só neste, o investimento previsto era de R$ 5,5 milhões à época de sua implantação.

É lamentável que um parque já carente de verde,sofra incêndio provocado pelo homem como ocorreu no de Apipucos.

Quase nove vezes menor do que o da Macaxeira, ele deveria servir  ao vizinho como área de suporte para apresentações musicais e outros eventos culturais, assim como para aulas de educação ambiental. Mas nem para eventos como aqueles vem sendo usado. Tanto que o pianista Arthur Moreira Lima preferiu tocar seu piano em concerto executado no Parque da Macaxeira, mas a audição era sempre prejudicada com os gritos que vinham de quadras de esportes, que ficam próximas ao palco. O Maximiano Campos – que  tem estacionamento para 46 carros e dois ônibus – ficou às escuras na noite da apresentação. E vive sempre vazio. Já houve manhã em que contei apenas três pessoas caminhando em torno dos seus mal cuidados jardins, cujo gramado só fica verde mesmo na temporada chuvosa.

O seu Pavilhão Casa Grande, situado em eixo diagonal, só tem de casa grande o nome. São quiosques quadrados (que deveriam ser utilizados para lanchonetes, venda de revistas, artesanatos e outros artigos), totalmente inadequados.  De longe até parecem um conjunto de pequenos galinheiros, daqueles que a gente vê nos quintais da área rural. O fato é que ninguém consegue ficar cinco minutos no interior de um deles sem reclamar da temperatura. Para completar, as vidraças foram quebradas por vândalos. Além desse problema, o Parque tem vegetação escassa, pouca sombra, e grama sempre seca a cada verão.  Os seus bancos, com assentos de varas bambu e sem encosto, não oferecem conforto. Raras são  as pessoas que  conseguem passar muito tempo neles sentadas. São desconfortáveis para ler, descansar, para conversar e  até para namorar.  Está duvidando? Vai lá experimentar, para ver. Ou seja, se o parque já não era essas coisas, com o incêndio ficou ainda pior.

Leia também:
Parque Estadual de Dois Irmãos triplica de tamanho
Parque da Macaxeira: piano para todos
Mudas nativas no Parque da Macaxeira
Nostalgia no Parque da Macaxeira 
Parque da Macaxeira: piano para todos
Cidadania no Parque da Macaxeira
Parque da Macaxeira abre para pet
Os verdes gramados de Salvador
O que é a sujeira no mundo?
Praça da República sem gramado
Praça Tiradentes é exceção da regra
Cadê o gramado da Praça do Arsenal?
Decadência na Praça da Independência
Praça Maciel Pinheiro pede socorro
Praça Dom Vital parece um ninho de rato
Praça Dom Vital em petição de miséria
Praça Dom Vital fica pronta esse mês
O Recife leva banho de Salvador no quesito limpeza
Nova paisagem em São José
Mobilização nas redes sociais contra abandono das praças do Recife
Detonadas as margens do Capibaribe

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.