Dia de Memória às Vítimas de Feminicídio Recifenses. Abaixo a violência doméstica!

É a peste do machismo, a ideia fixa de “posse” em relação à mulher, a “filosofia” do agressor. Em Pernambuco,  há doze delegacias de mulheres, em onze das quais foram registradas 40.846 queixas no ano passado, em todo o estado, quando ocorreram, também, 87 feminicídios.  Hoje é o Dia da Memória à Vítimas de Feminicídio Recifenses. A data foi instituída no mês de maio, através da Lei 18.931, que trata do calendário oficial de eventos do Recife, agora com mais essa data a assinalar. A iniciativa busca dar visibilidade, estimular o debate em torno do tema, bem como motivar ações de enfrentamento à violência de gênero. A Lei, sancionada pelo prefeito João Campos (PSB), é de autoria da vereadora Dani Portela (PSOL). E que seja muito bem lembrada, com palestras nas escolas, nas associações de bairros, nos grupos de mulheres, em sindicatos. Em todo canto. Pois a violência contra as mulheres é um câncer cuja raiz precisa ser erradicada. A situação não é fácil. Como repórter, já vi casos escabrosos de violência doméstica.

Mulheres machucadas, que sofreram abortos devido a pancadas (chutes na barriga) e em clima de constante ameaça caso denunciassem os agressores. Um inferno. Também perdi as contas dos casos de companheiros, amantes,  namorados e maridos que quebraram o pau em suas mulheres e que permaneceram soltos, por terem praticado crimes de “menor potencial ofensivo”.  Nunca esqueci de uma mulher com a cara toda inchada, vítima de agressão do marido, que foi liberado pelo então delegado, no município de Paulista. Eram tantos hematomas, que o rosto da mulher estava com a maior parte roxa.  Não lembro os nomes dos personagens, mas nunca esqueci o estado em que encontrei a vítima. E muito menos a cara “limpa” do policial, tratando de uma agressão da maior gravidade como se fosse uma coisa normal. Felizmente, a Lei Maria da Penha – em vigor desde 2006 – veio para mudar essa cultura. Mesmo assim, as agressões e os feminicídios permanecem acontecendo. E não é só em Pernambuco não. É em todo o país e em qualquer classe social. Mas os números mostram que no nosso estado, a cultura da violência doméstica ainda está bem viva. O que é muito ruim.

Dani Portela (Psol) apresentou projeto de lei instituindo o Dia da Memória às Vítimas do Feminicídio no Recife

A nova legislação visa homenagear as histórias de mulheres vítimas de feminicídio e sensibilizar a sociedade em relação às vítimas. Assim como fortalecer o vínculo de solidariedade entre poder público e a sociedade acerca da perda dessas mulheres, bem como dar visibilidade à questão social do feminicídio, suas origens, problemáticas e causas na sociedade.  A Lei ajuda a fortalecer as políticas públicas em torno do tema. Recentemente, Recife também instituiu um Auxílio Municipal de Transferência de Renda denominado Cria Esperança. O benefício é destinado à transferência direta de renda para crianças e adolescentes cujas mães ou responsáveis legais foram vítimas de feminicídio.  Mesmo com Lei Maria da Penha, a violência doméstica ainda é comum no estado. As estatísticas não deixam mentir.

Levantamento fornecido pela Secretaria de Defesa Social a pedido do #OxeRecife indica que em 2021, nada menos de 40.846 mulheres procuraram a polícia para prestar queixa de agressões domésticas.  Mesmo assim, a situação foi menos ruim do que em 2020, quando 41.612 fizeram a mesma coisa. A violência de gênero também se observa nos casos de estupro (2.365 em 2021, e 2.555 em 2020).  Em 2021, segundo a SDS,  Pernambuco contabilizou 87 feminicídios. Destes, doze ocorreram no Recife, onde a lei em homenagem a mulheres que foram assassinadas por companheiros está em vigor. De acordo a SDS, 96,6% dos feminicídios no estado tiveram autoria indicada após investigação policial. O que não é tão difícil de fazer. Afinal, geralmente são os companheiros das vítimas os responsáveis.  Em  2022,  no período de janeiro a maio, foram cometidos 34 feminicídios em todo o Estado, contra 46 no mesmo período de 2021. “A redução, do ano passado para este, foi de 26%”, informa a SDS.

Entre janeiro e maio de 2022, 16.614 mulheres registraram queixas nas delegacias de Polícia Civil de Pernambuco devido à violência doméstica,felizmente um número 3,68% menor do que o registrado no mesmo período de 2021. O número de vítimas de estupro que procuraram a polícia para denunciar, também diminuiu 16,41 % nos cinco primeiros meses do ano. Mesmo assim, muita coisa precisa ser feita nesse setor. Pernambuco tem  doze delegacias especializadas em atendimento à mulher.  A décima segunda foi inaugurada no sábado passado, pelo governador Paulo Câmara PSB), no município sertanejo de Arcoverde, a  259 quilômetros do Recife. A unidade policial, criada por meio da Lei Estadual 17.644, de 06 de janeiro de 2022, vai atender casos de violência contra as mulheres da cidade.  A SDS informa que ainda serão abertas as delegacias da Mulher de Olinda, Salgueiro e Palmares, em 2022. Atualmente, Pernambuco conta com Delegacias da Mulher em Santo Amaro (Recife), Prazeres (Jaboatão dos Guararapes), Cabo de Santo Agostinho, Paulista, Vitória de Santo Antão, Goiana (Região Metropolitana e Zona da Mata); Caruaru, Surubim, e Garanhuns (Agreste); Afogados da Ingazeira e Petrolina (Sertão).

Leia também
AS mulheres e o boçal  deputado Artur do Val
Combate online ao abuso sexual
Aborto em menina de dez anos na Cisam gera guerra em Pernambuco
Gravidez precoce responde por 21 por cento dos partos em Pernambuco
Pelo fim da violência contra a mulher
Mulheres contra a violência
Carnaval sem assédio em Pernambuco
Grecthen: Mulher faz o que quiser
Relacionamento abusivo vira espetáculo de dança “Eu Mulher”
Quando a dor do câncer vira dança
No Dia da Mulher,o legado dos livros daquelas que fizeram história
De Yaá a Penépole africana
Mary de Priori é atração do Circuito Cultural
Branca Dias  “retorna” ao local onde viveu
Sarau das Lobas e Minas no Mamam
Porque somos todos Clarice?
O ano de Cida Pedrosa: escritora premiada, feminista e vereadora
Violetas da Aurora em movimento
Poesia oral tem nova cara
No Dia da Mulher,o legado dos livros daquelas que fizeram história
De Yaá a Penépole africana
Mary de Priori é atração do Circuito Cultural
Branca Dias  “retorna” ao local onde viveu
Sarau das Lobas e Minas no Mamam
Porque somos todos Clarice?
O ano de Cida Pedrosa: escritora premiada, feminista e vereadora
Violetas da Aurora em movimento
Poesia oral tem nova cara

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Miguel Igreja (foto ilustrativa) e Internet /Acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.