Quais os locais mais mal assombrados do Recife? Descubra aqui

Dizem os entendidos que o Recife é a cidade mais mal assombrada do Brasil. Isso é bom ou é ruim? Para Roberto Beltrão, especialista no assunto,  é mais do que bom. ” Acho que é ótimo. Mostra que a cultura da cidade é rica, que o imaginário tem força no nosso patrimônio imaterial”, diz o criador do site Recife Assombrado. E quais são os locais  mais assombrados do Recife? “O Teatro Santa Isabel, o Forte das Cinco Pontas, a Cruz do Patrão e o prédio do Arquivo Público”, afirma. E os bairros de São José e o Poço da Panela estão entre os que mais colecionam lendas urbanas.

O Recife, portanto, é pródigo nesse tipo de narrativa. E há pessoas que acreditam. Em Apipucos, onde resido, tem gente que ainda fala em lobisomem. E há sempre uma lenda urbana rolando. Qualquer fato a uma delas relacionado – filme, passeio turístico, roteiro de caminhada – é sucesso certo na nossa cidade, onde assombrações viram tema para passeios turísticos, caminhadas, discussões e  até diversão infantil. E o Recife, claro, é rico nesse assunto que tanto alimenta o imaginário popular. Para Roberto, só na nossa cidade ocorrem fatos como os de alguns lugares que ganhavam

seus nomes por causa das histórias de assombração. Dois exemplos: as praças Encanta Moça (Pina) e Chora Menino (Boa Vista).

 

E por que as histórias de assombração alimentam tanto o imaginário pernambucano? Roberto Beltrão lembra que o Gilberto Freyre (autor do livro Assombrações do Recife Velho) achava que há uma relação estreita das assombrações com a sociedade patriarcal que se formou em Pernambuco, em torno da lavoura açucareira e da figura então poderosa do senhor de engenho. “O Recife era cercado de engenhos. A casa grande era sempre assombrada, havia muita opressão do senhor de engenho”, lembra o pesquisador.  Ele acrescenta:

“Nessa estrutura patriarcal, existia uma espécie de catolicismo mediúnico, característico do Brasil, que também é uma herança portuguesa. Na casa grande havia uma hierarquia que era Deus, os santos e os mortos, para depois virem os vivos. E também os sobrados na área urbana eram assombrados. A obra mais conhecida do escritor Carneiro Vilela, A Emparedada da Rua Nova, retrata uma situação fictícia, mas com ecos de realidade: o sujeito que emparedou a filha, ao ficar com raiva porque ela não era casada. Depois, ele passou a ver o fantasma dela na Rua Nova, Centro do Recife”

Para muitas pessoas, a emparedada é, ainda hoje, uma história real com assombração verdadeira. Tem gente que até teme passar à noite na Rua Nova, onde a donzela ferida em sua honra teria sido colocada viva em uma parede, e depois coberta com cimento. Roberto lembra, ainda, que no Recife “muitas ruas são assombradas” por personagens que habitam o imaginário popular como a Perna Cabeluda,  o Papa-figo, a Galega de Santo Amaro. Mais histórias de assombração podem ser conferidas no Site Recife Assombrado, criado em 2000 pelo jornalista e que tem objetivo de recontar lendas e histórias assombradas de Pernambuco e, em particular, do Recife.  O assunto já rendeu livros, HQs, teatro, cinema e até podcast. “O projeto não deixa que as assombrações sejam esquecidas e cria novas formas de divulgar nosso imaginário fantástico”, diz. Que é divertido, ah, isso é… E muito.

Recentemente, a Folha de Pernambuco fez entrevista com Roberto Beltrão sobre as assombrações do Recife e do Forte das Cinco Pontas.  O vídeo, disponível no YouTube é repicado aqui:

Leia também
Assombrações no mês das crianças
Boa Viagem tem Recife assombradinho
Boneca malamanhada assusta em Casa Forte: “irmã do boneco assassino”
Recife de assombrações tem Guia  para crianças corajosas
Fantasma no Forte das Cinco Pontas
A lenda do muso sem cabeça
Boneca malamanhada assusta em Casa Forte: “irmã do boneco assassino”
Luciano Torres ganha prêmio internacional: botija, beato e besta fera
Cinema: Túlio Beat, da Bacural Cultural, leva Botija à Itália e à Inglaterra
História: Cruz do Patrão foi removida?
 Moreno: Uma história de assombração
Sessão Recife Nostalgia: o Parque Amorim e a lenda do Papa-Figo
Baobá, assombração, rio e La Ursa Tours
Mais assombração no Olha! Recife
Assombração mobiliza Academia
Cultura Geek chega à Academia
Casa Forte: Cultura Geek e Assombrações
Cidade assombrada no Olha! Recife
Zoo Noturno Mal Assombrado, ui, ui
Assombração em Dois Irmãos. Vamos?
Assombrações no Zoo: de “Cumadre” Fulozinha à Motosserra Insana. Uiuiuii
Família Adams desembarca no Recife
Lua de Sangue chega a Olinda
Cobogó das Artes: bruxas, trevas e feitiçaria no Barreto Júnior
Mistérios do além com Branca Dias
Fantasmas de “Minha vida sem mim”
Fantasmas e Caminhadas Domingueiras
Holandês, fantasma e revitalização

Cobogó das Artes solta os vampiros em “Lua de Sangue”
Cobogó das Artes solta os vampiros  de Lua de Sangue no Apolo
Família Addams desembarca no Recife
Olha! Recife e Mamam : Lendas urbanas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins (#OxeRecife), Denaldo Coelho (Preservar Pernambuco) 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.