Rede de fast food jogou lixo no canal?

A gente sabe que no Recife a questão do lixo não se reduz à falta de eficiência da coleta feita por órgãos públicos. É também um problema de falta de educação doméstica da população. Mas este seria bem menor se a limpeza pública fosse enérgica com os infratores. E também se impusesse normas para bares, restaurantes, casas de festas e até residências. Com a flexibilização das medidas sanitárias, com certeza, as calçadas voltarão a ficar cheias de entulhos, com tudo misturado:  garrafas, latas de cerveja e refrigerantes, depósitos de vidro e caixas de papelão.

São poucos os estabelecimentos que deixam o lixo separado, o que facilitaria a vida do pessoal que vive de vender materiais recicláveis e que presta um grande serviço à sociedade e à natureza, à medida que evita que materiais poluentes como plásticos terminem poluindo rios, lagoas, mares. Como caminho muito de manhã, sempre me deparo com de montanhas de lixo nas calçadas, com catadores procurando o que lhes interessa e levando a culpa pela “sujeira” espalhada na calçada. Pode até ser. Mas custa a quem descarta separar  e combinar com algum deles? Não tenho comércio, mas na minha casa separo tudo. Levo para local apropriado como as cooperativas ou mesmo entrego a catadores que encontro pelo meu caminho. A presença de catadores é mais frequente em frente a condomínios, bares e restaurantes. Nesta semana, presenciei o pior. O fato inclusive ganhou as redes sociais. Tudo porque a loja de uma cadeia mundialmente famosa de fast food fez feio na Zona Norte. Nem separou metal, plástico e papelão para os catadores, nem deixou o lixo no local certo para o caminhão da coleta levar. Seus descartes foram encontrados à margem do Canal do Parnamirim.

O canal, que um dia foi riacho, que corta o bairro de Casa Forte. “Lixo da Mc Donald´s nas margens do canal, na Rua Alfredo Fernandes, em frente ao Plaza Shopping”, diz uma moradora da via em um grupo do WhatsApp. “Fui lá reclamar  e me disseram que não sabiam… que era obra de malandros que roubavam o lixo da Mc. É preciso ficar de olho”, diz a pessoa que fez a postagem. Se está à beira do riacho, foi porque alguém jogou. Tanto pode ter sido funcionários da loja quanto um “malandro” como eles explicaram à pessoa que reclamou.    De repente, foi alguém faminto, em busca de  restos de comida, como se tornou comum observar-se no Recife. E que, depois, deixou tudo ao lado do riacho.

Seja como for,  pega mal  para uma rede internacional de lanchonetes, a presença do seu lixo descartado de  forma errada em grande quantidade à margem de um riacho. Há países que não permitem que o lixo seja descartado em sacos anônimos. Cada imóvel recebe um com endereço impresso. Assim, fica fácil para os órgãos públicos identificar e multar quem fizer descarte de forma errada, sem a separação adequada e em hora imprópria. No Recife, mesmo com a identificação da origem do lixo nas embalagens jogadas no canal, será que houve multa? Com a palavra, a Emlurb. Se eu fosse o dono da loja, providenciaria o recolhimento imediato do que foi atirado no riacho. Porque a cena dessas fotos pega mal, e muito mal para sua empresa. Pensem em um “cartão de visitas”para recomendar mal qualquer que seja a natureza de um negócio!

Leia também
O Recife precisa mesmo de Lixo Zero
Poluidor, copo plástico começa a ser banido da Prefeitura do Recife 
Recicla mais: Palha de Arroz, grande resultado com pouco investimento
Isso é um ecoponto? Cadê o Lixo Zero?
Lixo retirado de canais é 20 por cento do total coletado no Recife
Não deixe suas tralhas nas ruas. Veja onde descartá-las
Não jogue na rua. Chame o 156
Ecoponto é o retrato da qualidade da coleta seletiva de lixo no Recife
Mais um  ecoponto sujo
Que diabo de ecoponto é este?
Coleta seletiva de lixo já voltou no Recife
Descarte correto de lixo tem manual
Lixo nas Graças: entre a falta de cidadania e a omissão das autoridades
Lixo nas Graças: ninguém faz nada
A  Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Lixo plástico vira cinema nas escolas
Canudos  achados nas praias viram óculos
Do lixo ao luxo, no Baile dos Artistas
O lixo que virou lixeira
Pet vira barreira para reter lixo em canal
O depósito de lixo da Emlurb
Ex-rios, canais viram esgotos e lixões
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pelo carnaval em Olinda
Recife leva banho de Salvador no quesito limpeza
No volante e jogando lixo na rodovia
Apipucos sucumbe ao lixo
O Recife e os porcos urbanos
O porco bicho e o humano porco
“Jardim do Éden” no Alto do Mandu

Canais que um dia foram rios e riachos se transformam em esgotos e lixões
Era um riacho, mas leito espesso parece asfalto
Lixo: Dia de “pescaria” no Capibaribe
Poluição excessiva no Capibaribe é investigada e pode gerar multa alta
“Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia”
Dê destino às tampinhas plásticas
Reciclagem de plástico rende corrimão e utensílios domésticos nos morros
A Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Alto Sustentável completa cinco anos
Culinária sustentável: Iguarias com cascas de banana, bagaço de coco
O lixo que virou lixeira

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Redes sociais

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.