A arte “marinha” de Romero Marques

Quando for à praia de Maracaípe, comece a cair no clima visitando o ateliê do artista plástico Romero Marques. É que peixes, corais, crustáceos, algas, cavalos marinhos, ouriços formam a temática principal de sua obra alegre, viva e colorida.  Não é para menos: Romero é mergulhador há quatro décadas.  Assim, o mar e tudo que nele existe compõem a temática principal de sua obra.  No momento, ele se dedica à produção de  24 cavalos marinhos que serão entregues a finalistas das oito categorias do TPM Surf Festival, que acontece entre os dias 26 e 28 de novembro, em Maracaípe.  Paraíso dos surfistas, Maracaípe fica na extensão de Porto de Galinhas, Ipojuca, Litoral Sul de Pernambuco.

O ateliê de Romero é na Rua Baía de Maracaípe, 112, C, em Maracaípe, à margem do rio do mesmo nome. Foi lá o nosso primeiro ponto de parada, ao participarmos de uma caminhada com o Grupo Andarapé  pelos manguezais, restingas e sítios históricos daquela região. Foi no último sábado. Para  reproduzir os ambientes marinhos, ele utiliza materiais que tanto podem ser os descartados por indústrias (poliuretano), em ambiente doméstico (papel)  ou que  são achados na natureza (folhas, palhas, espinhos).

Entre os os resíduos industriais, um dos aproveitamentos vem do pó decorrente da fabricação de blocos e shapes de pranchas de surf à base do poliuretano . Com esse material, que é colorido depois, ele reproduz os ambientes do mar.  Também recorre ao papel machê. Assim, vai recriando desde  “barreiras de corais” , várias espécies de “organismos” do ambiente aquático e até “cavalos marinhos”, os curiosos peixes que são  o principal símbolo de Maracaípe e que tanto chamam atenção dos turistas que vão ao Litoral Sul.

Da vegetação seca das praias, Romero vai buscar materiais como palhas e carrasqueiras de coqueiros. Ele aproveita os formatos da natureza e compõe animais como tubarões, que viram pequenas esculturas, ideais para decorar pousadas, hotéis ou mesmo casas de veraneio. “O que é incrível é que o próprio material dá seus volumes, curvas, linhas laterais”, comenta, mostrando as peças sobre uma mesa redonda.

Nela, repousam pequenas esculturas nas quais a gente percebe os formatos criados pela própria natureza e aproveitados pelo artista. No caso dos “ouriços do mar”, ele usa espinhos da macaibeira, com as quais recria o equinoide, tão presente nos arrecifes das praias nordestinas. Romero também pode aproveitar materiais descartados pela pesca, como espinhas e dentes de peixes.

Na visita à oficina – que costuma dividir com outros artistas do município e até do Recife – ele relata seu processo de criação para os visitantes, o cuidado com a natureza, o aproveitamento de materiais secos encontrados nas praias e também o uso de resíduos industriais que são descartados por fábricas de shapes (para pranchas de surf), por exemplo. Ao final,  convida os visitantes para um “mergulho noturno” no mar de Maracaípe. O mergulho, no entanto, é no seco. É que o visitante vai a  uma sala escura, na qual efeitos da iluminação mostram o brilho e o colorido da vida marinha mesmo no breu. Os turistas ficam deslumbrados…

Nos links abaixo, você confere outros passeios realizados por grupos que exploram  a pé as atrações do Recife ou do interior do Estado.

Leia também
Casas de farinha: turismo comunitário
Passeios ao ar livre para quem não aguenta mais ficar em casa
Moreno: Uma história de assombração
Grupo Caminhos de Moreno redescobre engenhos e organiza trilhas
Visit Macaxeira começa sábado
Passeios urbanos a pé estão de volta. Inscreva-se no Visit Macaxeira
Que tal  o turismo nos morros coloridos?

Andarapé entre os sons da natureza
Casarão, Dona Maria e pinto roxo
Oásis do Agreste de Pernambuco, Serra Negra vira música
Quem vai flutuar nas  águas do Jalapão?
Vale do Catimbau: milênios de história
No Vale do Catimbau, longe do carnaval
Atendendo a pedidos sobre Aparauá
A melhor conexão é com a natureza
Oásis do Agreste, Serra Negra vira música
As outras flores da Dália da Serra
No Dia da Amazônia, trilha pela Mata Atlântica
Andarapé entre o século 16 e o 21
Andarapé vai ao Jardim Secreto no Poço da Panela
Domingo de trilhas na natureza
De volta às trilhas ecológicas
Trilhas voltam com força
Carlos planta 300 árvores no campus
Conheça o Legado das Águas
Uma casa para boiar no meio da mata
Moreno: Uma história de assombração
Grupo Caminhos de Moreno redescobre engenhos e organiza trilhas
Visit Macaxeira começa sábado
Passeios urbanos a pé estão de volta. Inscreva-se no Visit Macaxeira
Vamos visitar o “rurbano” bairro da Várzea? História é o que não falta
A Várzea de “Nos tempos do Imperador”: Igreja ostenta a coroa na fachada
Na Várzea, jaqueira lembra escravizados e vira memória de história de amor

Serviço:
O que: Ateliê de Romero Marques
Onde: Rua Baía de Maracaípe, 112, C, Praia de Maracaípe, Ipojuca, PE
Telefone: (081) 9922722147 (WhatsApp)
Redes sociais: Romero_Marques_Artes (Instagram), studiomaracaipe (Facebook)
e-mail: romeroartes@yahoo.com.br

Texto e fotos:  Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.