Greenpeace e MapBiomas denunciam estragos no pulmão do Mundo

Situação triste, na Amazônia, o pulmão do mundo. Problema que não é de hoje, mas que vem se agravando nos mil dias do governo Jair Bolsonaro, que trata a Floresta com desdém, desmantelando os órgãos fiscalizadores, incentivando a ocupação de áreas indígenas, o desmatamento ilegal e a grilagem. Mapeamento divulgado nesta semana pelo MapBiomas mostra que entre 1985 e 2020 a Amazônia perdeu 74,6 milhões de cobertura natural, “uma área maior do que a do Chile”. Caso persista o mesmo nível de destruição o bioma pode chegar ao que os ambientalista e pesquisadores chamam de “ponto de ruptura”. O que pode ocorrer ainda nessa década. Ou seja, o caos climático.

De acordo com o MapBiomas, no período estudado houve aumento de 656 por cento na mineração, 130 por cento na infraestrutura urbana e 151 por cento em áreas ocupadas por agricultura e pecuária. O estudo abrange a Amazônia desde os Andes, passa pela Planície Amazônica e se estende até áreas de transição com o Cerrado e o Pantanal. O mapeamento mostra que em 1985, apenas seis por cento estavam antropizados, porém esse percentual subiu para 15 por cento em toda a região. Os índices de destruição variam entre um por cento (Suriname, Guiana, Guiana Francesa) a 19  por cento (Brasil). Nesse caso, nosso país está bem próximo do chamado ponto de inflexão (ruptura), para os serviços ecossistêmicos do bioma.

É preciso que as autoridades brasileiras entendam que a floresta em pé é mais lucrativa que deitada.

“O fogo e o desmatamento contribuem negativamente com a crise do clima e, portanto, com a ocorrência de extremos climáticos como secas severas e enchentes recordes. Além disso, a destruição empurra a Amazônia cada vez para mais perto do seu limite, comprometendo seu papel de aliada no enfrentamento à crise climática”, adverte o Greenpeace. “E isso já está se tornando realidade em alguns lugares, a exemplo do estudo liderado pela pesquisadora do Inpe, Luciana Gatti, que mostrou que a região sudeste da Amazônia está emitindo mais carbono do que absorvendo, como efeito das mudanças climáticas e intensificação do desmatamento na região, que estressam o ecossistema e o deixam mais vulnerável ao fogo”.

De acordo com o Greenpeace, o mês de setembro registrou 16.742 focos de calor na Amazônia brasileira. Houve redução em relação ao período anterior, mas a entidade atribui o fenômeno mais às chuvas do que à retração de incêndios criminosos praticados contra a floresta.  E adverte. “A queda pontual nos focos de calor, em um mês com maior ocorrência de chuvas, não muda a grave realidade do que vem ocorrendo no chão da floresta, fomentada por Bolsonaro em mil dias de governo. Não há motivo para celebrar, tendo em vista que nos últimos anos a destruição ambiental atingiu patamares muito elevados e não existe por parte do governo federal qualquer plano capaz de reverter a situação”, afirma Cristiane Mazzetti, gestora ambiental do Greenpeace.

“Somente Lábrea, Sena Madureira e Porto Velho, municípios da região conhecida como AMACRO, concentraram 23% dos focos de calor registrados agora em setembro. Este avanço da destruição em novas fronteiras como sul do Amazonas, norte de Rondônia e Acre preocupa, pois chega cada vez mais perto de áreas de florestas conservadas da Amazônia. Áreas que são vitais para conter a emergência climática e a perda de biodiversidade”, conclui Cristiane. E o futuro para a região é nebuloso. Nessa sexta, a revista internacional Comunications Earth & Environment divulgou um estudo mostrando um cenário de terror para as gerações futuras. É que mantido o desmatamento e o aquecimento global, a temperatura no Norte do Brasil pode sofrer um aumento de 11,5 graus centígrados, entre 2073 e 2100. Os número foram obtidos através de cálculos matemáticos e simulações em computador. Ou seja, o inferno está bem perto.

Leia também
Dia da Amazônia: Comemorar o quê? Parem de derrubar árvores
Amazônia  pode virar um cerrado. “Estamos a meio caminho desse cenário”
Tukumã, a fênix da Amazônia
Ucuubeira preservada rende três vezes mais do que vendida a madeireiros
Piranga é afrodisíaca?
Mães do mangue: Cozinha da maré
Cerrado ganha corredor ecológico
Parem de derrubar  árvores (no Pará)
Amazônia em discussão em evento virtual, com inscrições gratuitas
Amazônia ganha ação contra resíduos sólidos descartados em rios
Dia da Amazônia: Agrofloresta ou extração ilegal de madeira?
Madeira clandestina da Amazônia
Parem de derrubar árvores, Brasil. O total devastado
Animais de volta à Amazônia
No Dia de Proteção às Florestas, o Brasil tem o que comemorar?
Verdades e mentiras no Dia da Terra
No Dia da Árvore, a vovó do Tapajós
No dia da Amazônia,trilha pela Mata Atlântica
No dia da Amazônia, viva a natureza
Dia Mundial de Áreas Úmidas
Por um milhão de árvores na Amazônia
Baderna inaugura delivery de mudas para reflorestar a Amazônia
Já me falta ar para falar das florestas
Sem Salles, a “boiada” ainda vai passar?
Assine também: #Tchau Salles
Salles, o veneno contra a natureza
O Brasil pegando fogo, e Bozó bota a culpa no índio e no caboclo
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Greenpeace (Divulgação) e Letícia Lins (Acervo #OxeRecife)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.