Cadê a casa onde nasceu Paulo Freire? Veja qual era o chalé de sua infância

Ontem o #OxeRecife  publicou alguns locais da nossa cidade que fazem parte da história do nosso eterno Paulo Freire que, se vivo fosse, teria completado cem anos no domingo. Entre as fotos, foi publicada uma de um chalé secular (foto acima) que sobrevive entre espigões, na Estrada do Encanamento, no bairro do Parnamirim, Zona Norte do Recife. Muita gente pensa que foi nele que o educador nasceu.  Esse chalé, no entanto, fica vizinho ao terreno onde ficava a verdadeira residência da família de Paulo Freire. O casarão onde autor de Pedagogia do Oprimido passou parte de sua infância não existe mais. Porém o chalé vizinho e sobrevivente tem o mesmo estilo do imóvel demolido, no terreno do qual existe hoje um edifício, o Ductus.

Então, o #OxeRecife vem tirar a dúvida do leitor. Isso porque recebi várias mensagens que diziam julgar que o chalé acima seria o em que Paulo Freire viveu, antes da morte do pai, quando a família  então se mudou para o vizinho município de Jaboatão dos Guararapes. O chalé onde o pensador pernambucano mais festejado no mundo nasceu é o da foto abaixo, em preto e branco. O imóvel ficava no número 724, e a fotografia consta do livro Paulo Freire, Uma História de Vida, escrito por Ana Maria Araújo Freire, última companheira do educador e sobre o qual ela produziu uma obra tida como a mais completa sobre a vida e obra de Paulo Freire.

Vizinho ao chalé da foto colorida, esse, em PB era a verdadeira casa do educador Paulo Freire, na Zona Norte do Recife.

No lugar do antigo chalé que foi da família  Freire fica o Edifício Ductus, que tem número 724, enquanto o chalé sobrevivente é 726. Portanto, não é o mesmo, embora muitas pessoas confundam os dois, devido à semelhança do estilo arquitetônico.Um estilo que, aliás, era bem comum no Recife do final do século 19 e início do século 20. No Edifício Ductus, havia uma placa no muro, com data de 2 de maio de 2007, atribuída ao então Prefeito João Paulo Lima e Silva e ao seu vice, Luciano Siqueira. A placa é “uma homenagem aos 10 anos sem Paulo Freire”.

No domingo, uma folha de papel colada na parede convidava os moradores do prédio e a vizinhança para “descerramento” da placa do centenário do educador, o     “patrono da educação brasileira” e “cuja residência, até seus dez anos de idade foi em uma casa localizada no mesmo terreno do Edifício Ductus”. Na segunda, passei pela Estrada do Encanamento, a outra placa já havia sido fixada, ao lado da mais antiga, lá colocada em 2007.  Fiquei muito contente ao perceber que a própria população se encarrega de preservar a memória do educador.

O governo do capitão Jair Bolsonaro pode ignorar e se esforçar por atacar o legado de Paulo Freire, mas a população brasileira jamais esquecerá as lições deixadas por aquele que é o educador mais famoso do Brasil e um dos mais respeitados e seguidos no mundo. E isso incomoda muita gente mal intencionada. Nessa segunda, a Universidade Federal de Pernambuco prossegue com programação no seu canal do Youtube com o dia inteiro dedicado a debates sobre a obra e a herança de Paulo Freire. Já a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), que lhe dedicou o calendário de 2021, acaba de anunciar dois lançamentos sobre o educador para o próximo mês de outubro. São eles: Os pés no quintal e os olhos no mundo (da professora Targélia de Souza Albuquerque) e  Olhares sobre Paulo Freire, vida, história e atualidade (publicação coordenada pelos professores José Batista Neto e Maria Eliete Santigado, contendo ensaios de diversos autores sobre o educador).

Hoje a Prefeitura do Recife abriu deu início à Semana Paulo Freire, que se estende até a próxima sexta-feira (24/9) com o tema “Cem anos de Paulo Freire: o pensar na educação para além do espaço escolar”. O evento está sendo realizado de forma híbrida, presencial e online, com transmissões gratuitas pelo canal da Secretaria de Educação no Youtube. No total, serão oferecidas sete palestras e debates gratuitos, que acontecerão, de forma física, na Escola de Formação de Professores Paulo Freire, que fica na Madalena. O local serve de base para as discussões que estão sendo transmitidas em tempo real e prometem reunir grandes nomes da pedagogia local em torno de temas que vão desde a Educação de Jovens e Adultos (EJA), passando pela educação infantil e pelo legado de sua obra. O conteúdo pode ser acessado no seguinte endereço (https://www.youtube.com/c/SecretariadeEduca%C3%A7%C3%A3odoRecife).

Leia também
Paulo Freire: Os caminhos do educador no Recife, onde tudo começou
Festa para o centenário de Paulo Freire
Casa duplamente histórica no Poço
Sessão Recife Nostalgia: Escolinha de Arte
Menino veste azul e menina veste rosa?
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Trindade, história, festa, verde e abandono
Mais um chalé se acabando
Um passeio pelos chalés do Recife
Sessão  Recife Nostalgia: Mais um chalé demolido na nossa cidade
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Trindade, história, festa e abandono
Licitação para restaurar Chalé do Prata será ainda em 2021
Casarão histórico do Sítio Caldeireiro será preservado
Sabe o antigo Café Lafaiette? Veja o que ficou no lugar dele
Secular Magitot em ruínas na Várzea
A arte de se tornar ignorante
Grito dos Excluídos e Excluídas
Historiador Marco Mondaini: As portas do inferno vão continuar escancaradas
Milícia privada, MST e ação solidária
Dia do Agricultor: Agricultura com “gosto de sangue”?
Você tem sede de quê? De livros
Os “idiota úteis” e o idiota inútil
Trilhas da Democracia com o MST
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
O levante dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Entre a cidadania e o retrocesso: “Vacina no braço, comida no prato” 
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o Sertão já virou mar?
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Letícia Lins e reprodução (em PB) do livro Paulo Freire, uma história de vida 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.