Festa para centenário de Paulo Freire

Se vivo fosse, Paulo Freire completaria 100 anos no domingo (19/9).  No final de semana, o #OxeRecife traz uma postagem contando detalhes da carreira do grande educador. Hoje, limita-se a noticiar as comemorações que acontecem amanhã, para celebrar o centenário do criador da Pedagogia do Oprimido, Patrono da Educação Brasileira, autor de 30 livros  (alguns dos quais  traduzidos em 40 idiomas) e com trabalho reconhecido em todo o mundo. Tão respeitado que há nada menos de 20 institutos Paulo Freire espalhados por vários países. E isso não é pouca coisa não.

Só o atual governo brasileiro, liderado pelo Capitão Jair Bolsonaro, não mostra nenhum respeito por Paulo Freire. Aliás, preocupação com cultura e educação passam longe de suas milícias digitais e ideológicas. O “messias” não só não o reconhece como grande pensador, como não respeita sua memória nem seu trabalho em defesa de uma educação libertadora. Ao ponto de motivar a Justiça Federal no Rio de Janeiro a expedir liminar proibindo o Governo Federal de “praticar qualquer ato institucional atentatório à dignidade de Paulo Freire”. Pois a memória do educador foi violentada várias vezes nas redes sociais por alguns dos seus auxiliares, inclusive pelo seu  ex-Ministro da Educação, Abraham Wintraub.  E pelo próprio Presidente, que ignora o o valor de Paulo Freire, que foi banido do país durante a ditadura implantada no Brasil em 1964 e que o capitão tanto defende, inclusive fazendo apologia de torturadores. O atual Ministro da Educação, Milton Ribeiro, apenas silencia sobre a data que lembra o educador.

Porém no Recife, apesar da pandemia, vai ter festa popular para lembrar Paulo Freire, um dos pernambucanos que fizeram história. A mais ruidosa comemoração acontece frente ao Armazém do Campo, a partir das 9h do domingo. Coordenado pelo MST, o Armazém do Campo fica na  Avenida Martins de Barros, 387, no bairro Santo Antônio. Grupos de maracatus, cordelistas, religiosos e artistas se apresentarão encerrando tudo com uma roda de ciranda. A iniciativa tem como objetivo realizar um ato de expressões da educação popular com diversos sujeitos sociais que têm se inspirado no legado de Freire. Normalmente, os movimentos que lutam pela terra adotam os seus métodos nas escolas de acampamentos e assentamentos.

Homenagem a Paulo Freire, no muro do Colégio Estadual José Vilela, na Estrada do Encanamento, Parnamirim

Na festa do centenário, haverá a presença do Boneco Gigante de Paulo Freire, recentemente apresentado pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Participam, também: Batucada feminista/FMPE, Cordel – Suzana Cordelista, Batucada do Levante Popular, Maracatu Ogum Onerê da Várzea, Maracatu Linda Flor do Ibura, Grupo Pé no Chão. Por volta das 11h, os grupos culturais sairão, em cortejo até o Marco Zero, que fica no bairro do Recife. Está prevista também uma pedalada (Lula Livre). O ato é uma realização da Campanha Latinoamericana e Caribenha em Defesa do Legado de Paulo Freire, que reúne dezenas de organizações sindicais, movimentos populares e organizações não governamentais. Em diversos lugares do País e do mundo, essas entidades estarão homenageando esse educador.

A foto que abre esse post fica no campus da Ufpe. É uma estátua em homenagem ao educador. No domingo (19) e na segunda-feira (20), a Universidade Federal de Pernambuco também faz uma homenagem gigante ao educador. Porém a programação será virtual, e será transmitida pelo canal da Ufpe no Youtube.  No domingo, o início ocorre a partir das 14h, com atrações que incluem apresentação de bloco lírico (Flor da Lira, de Olinda), exibição de vídeos, debates e apresentação de artistas como Silvério e Alceu Valença, que encerra a programação do domingo a partir das 19h. No dia 20, a programação começa mais cedo, 9h e será marcada por debates sucessivos sobre o educador e a herança que deixou para a educação no mundo.

Leia também
Milícia privada, MST e ação solidária
Dia do Agricultor: Agricultura com “gosto de sangue”?
Você tem sede de quê? De livros
Os “idiota úteis” e o idiota inútil
Trilhas da Democracia com o MST
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
O levante dos camponeses e a triste memória da ditadura em Pernambuco
Entre a cidadania e o retrocesso: “Vacina no braço, comida no prato” 
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o Sertão já virou mar?
Protesto contra o governo Bolsonaro: “Lugar de militar é no quartel”
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Memória e censura: Quando a  palavra camponês era proibida nas redações
Memória: Período Militar, quando as armas ficaram no altar

Serviço
O quê: Comemoração do centenário de Paulo Freire
Onde: Armazém do Campo, Avenida Martins de Barros, 387, Santo Antônio
Hora: A partir das 9h, com cortejo saindo às 11h em direção ao Marco Zero
Programação:
9:00  – Acolhimento com um café da manhã com Paulo Freire, através do Mesão em frente ao Armazém do Campo/ Recife
9:30  – Ato político: apresentação e saudação informal
10:00 – Distribuição de flores e cartões com frases de Paulo Freire (simbologia da PRIMAVERA e do ESPERANÇAR)
11:00 – Cortejo (saindo do Armazém do Campo até o Marco Zero/Recife)

O quê:
Programação virtual da Ufpe em homenagem a Paulo Freire
Quando: domingo (19/9, das 14h às 19h) e segunda (20/9, das 9h às 19h)
Atrações: Vídeos, debates, apresentação de grupos culturais (inclusive Flor da Lira, de Olinda), Silvério, Alceu Valença (no domingo). Na segunda, serão debates sucessivos sobre a herança deixada pelo educador.
Onde: no canal da Ufpe no YouTube

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Ufpe / Cortesia e Letícia Lins

Compartilhe

Um comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.