Grupo “Caminhos de Moreno” redescobre engenhos e organiza trilhas

No sábado passado, estive fazendo uma trilha do centro de Moreno até o Engenho Una, que incluiu visita a uma casa de farinha, com direito a beiju de coco quentinho, beiju seco, bolo de massa e de macaxeira. E, claro, cafezinho.  Também pudemos comprar hortaliças e frutas orgânicas, cultivadas por antigos moradores da propriedade. O passeio foi organizado pelo Grupo Andarapé, do qual faço parte. Mas quem faz um  roteiro, sempre termina por descobrir outro.

É que na própria cidade há um grupo, o Caminhos de Moreno, que organiza percursos a pé ou de bike pela área rural do município, localizado a 28 quilômetros do Recife. Alguns dos integrantes – como Carlos Costa e Ailton Nogueira –  acompanharam o pessoal do Andarapé, nos mostrando inclusive atalhos que não conhecíamos, como os túneis que há sob a BR-232, e que nos garantem travessia com segurança.  No sábado (18/09),  o Caminhos de Moreno realiza sua  17ª caminhada, tendo por destino o Engenho Auxiliadora. Quem quiser participar, pode dar contribuição de R$ 5, para garantir a oferta de frutas no percurso, que sempre ajudam a matar a sede e a hidratar o corpo

Casa Grande do Engenho Auxiliadora mostra a fartura dos tempos áureos da civilização açucareira.

Os trilheiros devem, também, levar um quilo de alimento não perecível, que será encaminhado a instituições filantrópicas. Segundo  Ailton Nogueira, a concentração será na Praça da Bandeira, no Centro de Moreno,  devendo começar às 6h, com saída prevista para 6h30m. O uso da máscara, claro, será obrigatório devido à pandemia. De acordo com Carlos Costa, que integra o Caminhos de Moreno, haverá pontos de apoio ao longo do caminho para hidratação.

No “cardápio”, a tranquila paisagem rural em plena Região Metropolitana do Recife: canavial, criação de gado e até plantios de seringueiras, que começaram a ser introduzidos na Zona da Mata de Pernambuco no século passado. A caminhada não será longa, para quem já tem costume de andar: doze quilômetros, sendo seis para ir e seis para voltar.  Não esqueça de levar água em quantidade, pois o verão já está com o calor batendo à porta. Também não dispense chapéu ou boné, óculos escuros e filtro solar. No meio do roteiro, uma relíquia: o Engenho Moreno, que sobrevive até os dias de hoje e em cuja casa grande, hospedou-se D. Pedro II em sua histórica viagem ao Nordeste, recentemente retratada na novela Nos Tempos do Imperador, em exibição na TV Globo.

Abaixo, você confere alguns dos passeios realizados pelo #OxeRecife com o Andarapé.

Leia  também
Moreno: Uma história de assombração
A Várzea nos tempos do imperador
A Várzea dos tempos do Imperador
Na Várzea, jaqueira lembra escravizados e vira memória de história de amor
Secular Magitot em ruínas na Várzea
O ar refrigerado na mata sob  sol
No Dia da Amazônia, trilha pela Mata Atlântica
Carlos planta 300 árvores e é confundido com professor
Passeios ao ar livre para quem não aguenta mais ficar em casa
Andarapé entre os sons da natureza
Casarão, Dona Maria e pinto roxo
Oásis do Agreste de Pernambuco, Serra Negra vira música
Quem vai flutuar nas  águas do Jalapão?
Vale do Catimbau: milênios de história
No Vale do Catimbau, longe do carnaval
Atendendo a pedidos sobre Aparauá
A melhor conexão é com a natureza
Oásis do Agreste, Serra Negra vira música
As outras flores da Dália da Serra
No Dia da Amazônia, trilha pela Mata Atlântica
Andarapé entre o século 16 e o 21
Andarapé vai ao Jardim Secreto no Poço da Panela
Domingo de trilhas na natureza
De volta às trilhas ecológicas
Trilhas voltam com força
Temporal: formigueiro e ninho de João de Barro à prova de chuva

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e “Caminhos de Moreno” (cortesia) 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.