Participe de concurso internacional pela preservação de florestas tropicais

Atenção, escolas e estudantes. Ainda é tempo de apresentar soluções que preservem florestas tropicais. Crianças e adolescentes de todo o mundo terão até o dia 31 de setembro para participar do Rainforest Kids Challenge, desafio realizado pelo movimento global Design for Change, representado pelo Criativos da Escola, programa do Instituto Alana. O desafio premiará estudantes que estão criando soluções para preservar as florestas tropicais e, assim, contribuindo para o enfrentamento da crise climática e para a construção de um futuro próspero e sustentável. O prêmio conta com o apoio do XPRIZE Rainforest Alana. Quatro equipes serão selecionadas.

No certame, os jovens devem apresentar soluções que mostrem que a floresta vale muito mais em pé do que deitada. Para participar, os alunos e alunas devem formar grupos e, juntamente com seus educadores, enviar um projeto com soluções para aquilo que eles consideram ser os maiores desafios das florestas tropicais, junto com um vídeo explicando a ideia, para a plataforma do Rainforest Challenge. Os projetos precisam seguir a metodologia do Design for Change baseada em quatro passos (Sentir, Imaginar, Fazer e Compartilhar). As histórias devem ser enviadas em um dos seguintes idiomas: inglês, espanhol, português ou francês.

Desafio internacional estimula crianças e adolescentes para a importância das florestas tropicais.

Qualquer grupo de estudantes pode fazer parte do desafio mesmo que não tenha acesso direto a uma floresta em seu território. Basta que equipe esteja mobilizada para resolver problemas que tenham impacto direto ou indireto na floresta. Cada equipe selecionada receberá dois mil dólares. Metade deste valor deverá ser usado no próprio projeto e a outra metade deverá ser destinada a uma organização da escolha do grupo e que trabalhe pela causa das florestas tropicais.

O anúncio dos grupos premiados acontecerá em evento global online, em novembro. Devido à pandemia do coronavírus, os grupos devem respeitar as recomendações das autoridades e cumprir com as normas de distanciamento social para realizar qualquer uma das ações envolvidas nesta competição no seu país. Para mais informações, acesse o site  https://rainforestchallenge.dfcworld.org/Portuguese ou xprize.org/prizes/rainforest.

O movimento global Design for Change (DFC) está presente em 70 países e já impactou mais de 2 milhões de crianças e jovens ao redor do mundo. Criado pela designer indiana Kiran Bir Sethi, em 2009, o DFC atua a partir de uma metodologia de elaboração de projetos dividida em quatro etapas (representadas pelos verbos sentir, imaginar, fazer e compartilhar), com o objetivo de estimular crianças e jovens a transformarem suas realidades, reconhecendo-os como protagonistas de suas próprias histórias de mudança. No Brasil, o movimento é representado pelo Criativos da Escola, programa do Instituto Alana, que encoraja crianças e jovens a transformarem suas realidades, reconhecendo-os como protagonistas de suas próprias histórias de mudança.

Lançado no dia 19 de novembro de 2019, o XPRIZE Rainforest Alana tem como missão mapear a biodiversidade das florestas tropicais para reforçar que a floresta em pé vale mais que derrubada. A competição tem duração de quatro anos e os participantes inscritos oferecerão tecnologias acessíveis para o mapeamento completo da biodiversidade das florestas tropicais. O inventário servirá para o desenvolvimento de soluções inovadoras que possam acelerar a bioeconomia e fortalecer os povos da floresta.

Leia também
Tecnologia para resgate de cultura ancestral rende prêmio a estudantes
Nascente protegida é água garantida
Para compartilhar ideias e natureza
Sertanejos brilham em 25ª Olimpíada de Astronomia
Fred Ramos, herói da escola pública
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru

Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola

Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos:  Letícia Lins e Instituto Alana/ Acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.