Cícero Belmar: Lula e “baobás eternos”

Pensem em uma árvore mágica. Cheia de histórias, de significados, de uma vida que pode durar milênios. Foi o amor aos baobás que me fez descobrir novos amigos que, por sua vez, fizeram novos amigos. Sim, porque o baobá tem uma natureza agregadora.

Seja na África, onde a árvore serve para matar sede e fome da população, e também é usada como bar, igreja, abrigo para reuniões comunitárias e até cemitério de griôs. Seja no Recife, onde ela tem o poder de atrair as pessoas, de juntá-las. Dois exemplos: o Jardim do Baobá (no bairro das Graças) e a Praça da República (no Bairro de Santo Antônio, Centro). Nos dois locais, indivíduos da espécie estão sempre a atrair turistas e moradores da própria cidade.

Planta de origem africana,à margem do Rio Capibaribe, virou principal atrativo do Jardim do Baobá no Recife.

Foi devido ao baobá que conheci o antropólogo Fernando Batista, hoje um amigo irmão. Verdadeiro  semeador de baobás, ele acaba de plantar mais uma muda da árvore na Bahia, onde reside atualmente e em cuja capital, Salvador, os baobás que foram por ele levados do Recife estão sacralizados nos terreiros de candomblé. Foi pelo Baobá que meu amigo Cícero Belmar, autor do texto abaixo, entrou na confraria. E, agora, é também amigo do baobá e de Fernando. E de outros amigos. E, assim, o baobá vai proporcionando novos laços entre as pessoas, novas amizades.

Foi, também, uma muda de baobá, a espécie escolhida pelo ex-Presidente Lula para marcar sua presença em um assentamento do MST, em Moreno, em sua recente visita a Pernambuco. Qual o significado desse ato? No texto Os baobás são eternos, de Cícero Belmar, o jornalista, escritor, imortal da Academia Pernambucana de Letras desvenda os significados não só da árvore, mas também do plantio feito pelo ex-Presidente. O texto foi originalmente produzido para a revista virtual Rubem, para a qual  ele escreve crônicas a cada quinze dias. E está tão lindo quanto a flor da árvore de origem africana. Fala inclusive do silêncio da imprensa quanto ao plantio de um baobá, pelo ex-Presidente Lula, no acampamento do MST em Pernambuco. Para o escritor, o ato está revestido de simbolismo e resiliência.

Decidi, então, reproduzir, aqui, o texto de Belmar sobre  o baobá. Leia:

Muitas coisas podem ser ditas sem o uso das palavras, sem a frase pronunciada. A linguagem dos nossos gestos desafia e esclarece: se alguém planta um baobá, por exemplo, pode estar falando da superação do tempo. Da sobrevivência. Da resiliência. O baobá, todos sabemos, é árvore que atravessa os séculos, alcança um milênio.

Há uma lógica presente em cada gesto nosso, de cidadãos comuns. Muito mais no dos políticos que agem com objetivos específicos. Na política, a simbologia é inerente à ação. Uma muda de baobá foi escolhida, não por acaso, para ser plantada pelo ex-presidente Lula  quando esteve, semana passada, em Pernambuco. A nós, cabe a tarefa de decifrar as metáforas.

O baobá vem de longe. Da África. Da noite dos tempos. Tem significados. A imprensa é que não deu importância ao fato. A muda foi plantada no assentamento Che Guevara, da reforma agrária, em Moreno, Região Metropolitana do Recife. Logo, entrei em contato com Fernando Batista, amigo do lado esquerdo do peito, para ouvir sua opinião.

Era a primeira vez que Lula visitava seu estado natal, desde que o STF o inocentou dos processos movidos contra ele. Era, também, o início de uma caravana por vários estados do Nordeste. Cada coisa, portanto, estaria planejada. Aquela história: se desejamos falar da esperança, começamos assumindo gestos que evoquem a esperança.

Antropólogo Fernando Batista: Estudioso, defensor e semeador de baobás. Já plantou em várias cidades  do País.

Mestre em Antropologia, Fernando Batista, ele mesmo um disseminador de baobás, concordou: o plantio era simbólico. Antes de tudo, é preciso dizer que a espécie é originária do continente africano. Quando os negros eram trazidos à força para serem escravizados no Brasil, muitos se despediam da árvore. Ela está na construção histórica do povo. “Mais política do que esta árvore, impossível. Ela se tornou um emblema da luta do negro. Pela sua longevidade ela é superação e resistência. O uso dela no atual contexto, representaria a sobrevivência, a superação, a certeza de que vamos presenciar um outro momento da nossa história”.

Fernando mora em Salvador (BA), mas plantou diversos pés de baobá quando residia no Recife. “É uma árvore que fala de continuação da vida. Por atravessar os séculos, ela é testemunha ocular de fatos; de desgraças que o povo venceu. Portanto, ela marca a vida de muitas pessoas, torna-se elo de diversas gerações. Tem a ver também com o conceito de ancestralidade. Em Pernambuco, o baobá tem valor afetivo, histórico e filosófico”. Mais ainda: “É uma árvore que tem nomes e sobrenomes”. Desde o início do século 20, segundo Fernando, pessoas residentes no Recife como Napoleão Barroso Braga, José Pereira Leite, Oswaldo Martins de Souza e Irineu Renato Barbosa, se sensibilizaram com os baobás. Propagaram ou protegeram exemplares da espécie, identificada como uma das mais antigas do planeta.

“Eu tenho até certidão de nascimento de um baobá. Um grupo de pessoas redigiu a certidão dizendo hora, local, dia, mês e ano em que a muda foi plantada. E todos os que estavam presentes atestaram o plantio. Tudo foi registrado, como numa certidão formal”, relatou Fernando. Disse, também: o poeta João Cabral de Mello Neto, pernambucano, era maravilhado com os baobás. Escreveu três poemas, “Um baobá no Recife”; “Baobá no Senegal” e “Baobá como Cemitério”. A árvore também foi associada (durante protesto realizado em 1988, no Recife) a um ícone da cultura negra, o poeta Solano Trindade, autor de uma obra fortemente social, entre elas “Gravata Colorida” e “Tem Gente com Fome”.

Fernando planta baobás desde 2002. A partir de 2003, começou a produzir mudas e as primeiras doadas foram para Francisco Brennand. Na Oficina Brennand, vingaram três. A partir de 2005, levou baobás para Salvador. Há um no Terreiro da Casa Branca, evocando a ancestralidade negra. Num plantio realizado por Fernando, na Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 21 de fevereiro de 2006, participaram muitas autoridades do Candomblé da Bahia. O baobá foi plantado sob ritual da religião. Voltando ao assunto inicial: muitas pessoas estiveram no ato e agora são consideradas testemunhas de nascimento da muda que o ex-presidente Lula plantou, em Pernambuco. Baobá para futuras gerações: as emoções profundas também são feitas de posturas. O silêncio também comunica.

Leia também
Lula chega ao Nordeste, encontra políticos no Recife e amanhã vai ao MST
Milícia privada, MST e ação solidária
Trilhas da democracia com o MST
MST: Da ocupação de terras ao plantio de 100 milhões de árvores
Agricultura com “gosto de sangue”?
O levante dos camponeses e a memória da ditadura
O Recife ganha seu 151º baobá
Pernambuco, jardim dos baobás: plantio, live e exposição fotográfica
Parem de derrubar árvores(baobá degolado em Paquetá)
Dia do Baobá: Verdades e mitos sobre a árvore mágica
Olha! Recife tem circuito do Baobá
Trio “expert” em baobá, a árvore da vida
Desabrochar musical da flor do baobá
O semeador de baobás
Circuito dos baobás no Bobociclismo

Ufpe terá trilha ecológica pela maior concentração de baobás do Brasil
Ebomi Cici fala sobre orixás e convivência com Pierre Verger
A sabedoria ancestral da griô Vovó Cici

Dia do maior colosso vegetal do mundo
Viva a árvore mágica no Dia do Baobá
Baobá é sagrado e generoso
No caminho dos baobás
Aprenda o bê-a-bá do Baobá
Baobás do Recife sacralizados na Bahia
Proeza: duas dissertações simultâneas
Baobá, o jardim das árvores decepadas
População não quer árvores decepadas no Jardim do Baobá
Jardim do Baobá em festa
Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os barrados no Jardim do Baobá
No caminho dos baobás
Jardim do Baobá ganha reforma
Jardim do Baobá está detonado 
Jardim do Baobá ganha ampliação
Bem viver discutido no Jardim do Baobá
Jardim do Baobá vira espaço de confraternização
O Recife ganha mais um baobá

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife e Cícero Belmar/ 
Fotos:  Letícia Lins /Acervo #OxeRecife e MST/Cortesia para o #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.