Sertanejos brilham em 25ª Olimpíada de Astronomia e Astronáutica (OBA)

Vejam que proeza. Um colégio localizado no Sertão acaba de realizar uma bonita façanha. É que seus alunos conquistaram nada menos do que 30 medalhas na 25ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA). O Colégio fica no município de Petrolina, a 769 quilômetros do Recife, na região  do São Francisco.

Promovida anualmente pela Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), em parceria com a Agência Espacial Brasileira, com a participação de milhares de escolas públicas e privadas em todo país, a competição premiou o Plenus com 21 medalhas de ouro, 6 de prata e 3 de bronze. De acordo com a diretora Pedagógica da escola, Sílvia Santos, o desempenho dos alunos foi muito acima da média, principalmente levando-se em consideração o período de pandemia da Covid – 19. Os pequenos cientistas ganharam homenagem em forma de cartaz, que está no colégio para todo mundo ver.  “Toda a preparação dos alunos foi feita à distância, online, tendo em vista o contexto da pandemia, mas apesar de todas as dificuldades e desafios, demos o suporte necessário e conquistamos o melhor resultado desde que começamos a participar dessa olimpíada que é considerada uma das mais importantes do País”, ressaltou. Todos os premiados ganharam destaque como a do lado.

Veja quem são os “atletas da ciência”, abaixo. Ouro: Alice Reis Videres, Fernanda Gualter Cezário, Fernanda Rodrigues T. Nunes, Ícaro Ferraz Mariano Rios Leite, Laura Sophia Bezerra Nunes, Maria Cecília A. de Oliveira, Pietra Manuela Barbosa Souza, Ryan Suzuki Almeida Carvalho, Sophia Mariath Menezes e Arthur Rodrigues R. Silva; Prata: Davio Paes De C. Neto, Gabriel Pinheiro De M. Brito, Leticia Barros De Souza, Patrícia Alves Passos, Victor Ziellon Coelho Lustosa e Victor Borges Pereira da Silva. E Bronze: Celso Regis de Carvalho, João Victor C. Branco Clementino, Kaio César Souza de Carvalho.

Leia também
Fred Ramos, herói da escola pública
Cecília: Prêmio, poesia e pandemia
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru

Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola

Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez
A menina que salvava livros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.