Uma casa para boiar no meio da mata

Opção de turismo ecológico, o Legado das Águas está anunciando para breve mais uma atração para os seus visitantes. Uma casa flutuante, que ficará em uma represa do Rio Juquiá, cercada pela exuberância da vegetação nativa. Pena que experiência tão atraente não é em Pernambuco. Mas sim na maior reserva privada de Mata Atlântica do Brasil, que fica no Vale da Ribeira, em São Paulo.  A Votorantim – proprietária da  Reserva – informou que a casa será inaugurada em setembro. Ela ficará fixa em uma área no meio da represa, cujas margens estão totalmente conservadas com vegetação nativa da Mata Atlântica. Do interior da casa, só será possível avistar água e floresta. Ou seja, uma experiência de completa imersão no ambiente natural, um verdadeiro paraíso para aliviar o estresse do cotidiano das grandes cidades.

A diária não será barata: entre R$ 1.200 e R$ 1.500. A casa será uma nova opção de estadia no Legado, que também conta com uma Pousada. Para acessá-la, será utilizado um barco que parte da margem da represa, um trajeto que por si só já é uma experiência de imersão na natureza. Os hóspedes contarão com roteiros diferenciados e exclusivos na Reserva, que incluem diversas atividades, como banhos de cachoeira, passeios de bike, caiaque e trilhas. O projeto das casas flutuantes, desenvolvido pela Altar, é inspirado no conceito das tiny houses (movimento que propõe a redução do espaço construído onde vivemos, além de incorporar conceitos de autossuficiência e minimalismo). Essa tendência ganhou força nos Estados Unidos na última década, quando moradores de grandes metrópoles partiram em busca de refúgios para fugir do stress. No Brasil, a Altar já criou duas casas, ambas na Represa de Joanópolis, em São Paulo – uma na sua margem, terrestre, a outra, flutuante.

Reserva que tem rios, cachoeiras e nascentes contará com casa flutuante a partir de setembro.

A casa flutuante do Legado das Águas conta com o design da startup brasileira SysHaus, decoração da rede Westwing e o enxoval da Trousseau, marca que atua no segmento de cama, mesa e banho. Ao todo, serão 50m² de construção, com acomodação para até 3 pessoas. O espaço é equipado com internet e as reservas, que serão administradas pela Altar, estarão disponíveis pela plataforma Airbnb a partir do dia 11 de setembro, incluindo transporte com o barco elétrico e atividades exclusivas desenvolvidas pelo Legado. As diárias variam entre R$ 1.200 e R$ 1.500 reais, a depender da data escolhida. Acompanhe as novidades em https://www.instagram.com/altar.br. “O lançamento da casa flutuante reforça a estratégia de uso sustentável do território do Legado”, afirma João Francisco Whitaker G. Dias, Coordenador de Negócios da Reservas Votorantim, gestora da área.

“Estamos em um momento de retomada do turismo, com o avanço da vacinação e, também, de forte tendência para a prática de atividade. Por isso acreditamos que a iniciativa tem um enorme potencial de crescimento”, comenta o coordenador. A casa será implantada em parceria com a Altar, empresa criada em 2019 para construir casas autossuficientes em meio à natureza. A casa flutuante é um novo formato de hospedagem e, com certeza, será muito disputada por turistas. Ela foi desenvolvida para oferecer conforto e descanso, a instalação tem funcionamento totalmente autônomo e com respeito ao meio ambiente, proporcionando aos hóspedes privacidade, isolamento e contato direto com a natureza.

Quem se hospedar na casa flutuante tomarão um “banho” de imersão na natureza no Legado das Águas

Já o Legado das Águas  foi fundado em 2012 pelas empresas CBA (Companhia Brasileira de Alumínio), Nexa, Votorantim Cimentos e Votorantim Energia, administrado pela Reservas Votorantim LTDA e mantido pela Votorantim SA – moldou o desenvolvimento de um modelo de negócios que é parte da resposta sobre como incluir a biodiversidade nas questões econômicas da plataforma ESG. “Floresta em pé ao lado do rio é também garantia de recursos hídricos e oportunidade econômica”, complementa João. Além do turismo e do objetivo conservacionista, o Legado desenvolve o plantio de espécies nativas, como a juçara, visando a exploração econômica e sustentável. econômicos

Leia também
Conheça melhor a palmeira Juçara, nativa da Mata Atlântica
Legado das Águas, a festa da natureza
Visite o Legado das Águas nas férias
Borboleta rara no Legado das Águas
Antas albinas mobilizam pesquisadores
Antas albinas viram estrelas internacionais
Atendendo a pedidos sobre a Aparauá
A 10.000ª espécie ameaçada
Dia Internacional da Biodiversidade exige pausa para reflexão no Brasil
O Dia Mundial das Abelhas
Mata Atlântica: Pernambuco fez o dever de casa
Pandemia e natureza: animais silvestres ocupam áreas urbanas vazias
Pandemia e a volta das capivaras
Movida planta um milhão de árvores
Mata Atlântica ganha viveiro para produção anual de 100.000 mudas
Cabo ganha 7.450 árvores até 2022
Coca-Cola planta 600 mil árvores
Cerrado ganha corredor ecológico
Esso decide plantar 20 mil árvores para proteger mico-leão-dourado
Festival de Aves no Sul da Bahia
A inédita visita do sabiá ferreiro
A volta do jacu
“Arca de Noé” protege corais ameaçados
Ambientalistas preocupados: só restam 1.300 muriquis
Recife ficará mais verde até 2021
Parem de derrubar árvores (171)
Quatro milhões de canudos a menos no mercado
Nestlé quer embalagem biodegradável
Praia dos Carneiros ganha aliado contra o turismo predatório
Dragão, tambor e limpeza no Rio 
Catadores tiram 5 milhões de latinhas deixadas pela folia em Olinda Recife
Por um milhão de árvores na Amazônia
Água mineral em copo biodegradável
Maquininha de passar cartão com plástico das praias
Lixo plástico vira cinema nas escolas
Plásticos nas praias viram embalagens
Canudos plásticos de praias viram óculos: a natureza agradece
Nestlé quer plástico biodegradável
Noronha reforça Plástico Zero
Campanha contra plástico rende prêmio
Agreste contra o óleo: “O Mar nos une” 
Emergência climática: Recife mais verde é balela. Parem de derrubar árvores
O Recife tem quantas árvores?
Parem de derrubar árvores (237). Quarteirão pelado na Madalena
Parem de derrubar árvores (238). Golpe de misericórdia na Madalena

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação /Legado das Águas/ Votorantim

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.