Cecília: Prêmio, poesia e pandemia

Olha aí a garotada acontecendo.  No Dia do Estudante, o destaque vai para uma adolescente do Sertão. Aos 16 anos, a estudante  Cecília Arrunátegui Miranda acaba de ganhar fama nos pampas. É que a menina, que nasceu e estuda em Petrolina (PE), conquistou a terceira colocação  na categoria juvenil em certame nacional. Cecília participou do I Concurso de Poesias da Biblioteca Castro Alves, promovida pela Prefeitura de Bento Gonçalves, um das cidades mais conhecidas do Rio Grande do Sul.

Petrolina fica no Sertão do São Francisco, a 712 quilômetros do Recife. Bento Gonçalves está  a 122 quilômetros de Porto Alegre. A distância entre a cidade gaúcha e a pernambucana é de 3.264 quilômetros. Mas agora, pelo menos para Cecília, a distância é bem menor. É que a aluna do 2° ano do Plenus Colégio e Curso, ganhou três meses de acesso gratuito à biblioteca digital, através da Árvore de Livros, que possui mais de 30 mil livros. Também ganhou certificado de Honra ao Mérito; e publicação do poema em livro digital no formato e-book, que será lançado durante a 36ª Feira do Livro que vai acontecer de 6 a 17 de outubro em Bento Gonçalves.

“E da janela, eu paro, eu olho e suspiro. Me encontro diante das minhas inseguranças, frente a minha intensidade…” Foi com esses versos que ela iniciou Canetas Permanentes, o poema que a levou a ser  selecionada entre 765 inscritos de todos os estados do Brasil. Cecília adora adora ler poesia, tem Carlos Drummond de Andrade como referência, escreve desde os 8 anos e participou pela primeira vez de um concurso literário. Para ela, a conquista representa um grande ganho pessoal e também inspiração para os estudantes de todo Nordeste.

“Ter minha poesia, escrita durante a pandemia, escolhida entre as três melhores, representa a força de expressão das emoções humanas, que tantas pessoas tem medo de expor. E acima de tudo, é um caminho que muito mais gente pode seguir, então fico feliz por saber que de alguma forma, por mais que pequena, posso servir de inspiração para alguém”, diz Cecília. A diretora Pedagógica do Plenus, Sílvia Santos, comemorou a conquista, lembrando que o estímulo à leitura e à escrita já é uma marca da escola. “Criamos há 12 anos os clubes de leitura Leia e Leia Mais, nos quais desenvolvemos projetos de publicações literárias, feiras de livros, metas de leitura e concursos literários, além de programas como o Fuscateca, que distribui livros nas comunidades carentes do município”, ressaltou. O I Concurso de Poesias da Biblioteca Pública Castro Alves é voltado para publicações inéditas em todo País e tem como objetivo fomentar a produção literária através das categorias adulto, juvenil e infantil. A Biblioteca pública de Castro Alves, entre outras missões, tem o objetivo de fomentar a produção artística e intelectual.

Leia também
Cinco equipes pernambucanas na final do Festival Sesi de Robótica 2021
Tecnologia para resgate de cultura ancestral
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru

Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola

Criannça Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.