Praia de Muro Alto ganha condomínio ecológico: Cais Eco Residência

Vem aí um condomínio diferenciado para o Litoral Sul de Pernambuco. E será na Praia de Muro Alto, em Ipojuca, conhecida não só pela paisagem paradisíaca e seu mar cristalino, mas também pelos hotéis e residenciais de luxo. E o nome já está dizendo. É o Cais “Eco” Residência, que pretende se impor pelos “mais elevados níveis de desempenho ambiental e sustentabilidade do mundo”. É que o projeto da DUE Incorporadora (Pernambuco) e da Arbore Signature (São Paulo), acaba de conquistar a certificação de origem francesa AQUA-HQE (Alta Qualidade Ambiental), adaptada ao Brasil e chancelada pela Fundação Vanzolini.

É  muito salutar que empreendimentos imobiliários comecem, finalmente, a se preocupar com a natureza. Principalmente no Brasil, onde o desmantelo de órgãos  oficiais que deveriam preservá-la é cada dia maior e as ações predatórias não são punidas. Ao contrário, são não só toleradas, como incentivadas.  Então, cada estado, cada município tem que fazer a sua parte. E a iniciativa privada também tenta fazer a sua. Caso contrário, teremos um caos ambiental. “As diretrizes do sistema de gestão ambiental implantadas na concepção do projeto do Cais Eco Residência visam garantir o mais elevado patamar de desempenho em conforto, saúde e meio ambiente para o complexo a ser implantado na praia de Muro Alto”, afirma Manuel Carlos Reis Martins, coordenador da certificação AQUA-HQE. De acordo com a Fundação Vanzolini, o Cais além de valorizar as raízes da cultura brasileira, reunirá conforto, saúde e lazer. Mas será, sobretudo, “um dos empreendimentos de menor impacto ambiental do Nordeste”.

Cais Eco Residente quer fazer dos seus ambientes uma extensão da paisagem da praia: madeira e palha.

“É um empreendimento que está ressignificando os padrões de sustentabilidade do mercado”, diz Ana Rocha, Presidente da proActive, Consultoria em Gestão de Projetos Sustentáveis. Além de suas areias brancas e do seu mar transparente, Muro Alto possui águas calmas, arrecifes que formam piscinas naturais, Mata Atlântica e áreas de restinga.  Ipojuca é nono destino de férias mais procurado no país. Porém, nem todos os empreendimentos mostram preocupação com a preservação da natureza. A própria Prefeitura já foi penalizada por crimes ambientais em Ipojuca, que fica na Região Metropolitana, a 57 quilômetros do Centro do Recife. Também já foi multado hotel no Litoral Sul, que danificou recifes de corais para abastecer seus aquários privados de lagostas.

No Caso do Cais Eco Residence, o projeto paisagístico buscou valorizar a vegetação litorânea, preservando ao máximo os coqueiros existentes, além de propor soluções que garantem a permeabilidade do solo para infiltração das águas pluviais. O condomínio contará com apartamentos de um, dois e quatro quartos, 126 unidades com piscina privativa e varanda gourmet.  Terá áreas comuns mobiliadas e alimentadas com energia solar e mais de 40 atividades de lazer no condomínio. “Um paraíso com 6 complexos aquáticos”, segundo os incorporadores. O projeto paisagístico buscou valorizar a paisagem litorânea, preservando ao máximo os coqueiros existentes, além de propor soluções que garantem a permeabilidade do solo para infiltração das águas pluviais.

“A qualidade de vida terá como pano fundo o respeito à natureza”, informa a Fundação Vanzolini.  O conforto térmico foi pensado para acontecer, na maior parte do tempo, de forma natural. As lajes da cobertura receberão um tratamento térmico (isolamento) específico e as unidades terão ventilação cruzada. A fachada será projetada com vistas a reduzir a transmitância de calor. A implantação das torres garantirá a permeabilidade do sol e dos ventos com conforto, e valorizará o acesso às vistas da paisagem da praia. Terá, também, Pontos para carregamento de carros elétricos, bicicletário, espaços para coleta seletiva de resíduos nos apartamentos e em áreas comuns, conforto térmico, luminoso e acústico.

Haverá, ainda, uso de energia renovável fotovoltaica nas áreas comuns. O sol, no entanto, responderá por apenas 8,4 por cento da energia consumida no condomínio, segundo apurou o #OxeRecife. Seria ainda mais ecológico se o percentual utilizado de energia renovável fosse maior. Também não haverá implantação de sistema de reuso de água, como já ocorre em outros empreendimentos em Pernambuco, como é o caso do Shopping Recife. Mas de acordo com a Due e a Arbore, as instalações hidráulicas permitirão redução do consumo de água potável estimada entre 40 e 50%, possibilitada pela instalação de sistemas economizadores (bacia de duplo fluxo, torneiras de fechamento automático mecânico nos banheiros das áreas comuns, chave restritora nas torneiras externas).

O Cais Eco Residência já está sendo anunciado nas redes sociais da Due Incorporadora. “Empreendimento de praia para quem quer ir além” e “Iniciativas de desenvolvimento sustentável” funcionam como uma espécie de chamada para condomínios projetados para o Litoral Sul. Um deles é exatamente o Cais Eco Residência. Nos links abaixo, você confere outras informações sobre Litoral e Litoral Sul.

E caso lhe interesse informações sobre empresas que têm iniciativas em defesa da natureza, é só clicar em meio ambiente, aqui no #OxeRecife. Há muita coisa interessante sendo feita. Até porque o consumidor hoje exige responsabilidade social e ambiental ao escolher os seus produtos.

Leia também
Água de reuso no Shopping Recife irriga jardins e rende economia a lojistas
Multa em Muro Alto por ocupação irregular
Crime ambiental em Maracaípe, Prefeitura é acusada
Paraíso dos turistas, Porto de Galinhas enfrenta despejo de esgoto doméstico
Prefeitura de Ipojuca joga esgoto em Porto de Galinhas e leva multa
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o Sertão já virou mar?
Zoneamento ambiental contra turismo predatório no Litoral Sul
Litoral Sul: turismo sustentável?
Turismo predatório vai  ter limite em Pernambuco
Litoral Sul terá área de proteção marinha
Litoral Sul: excesso de demanda em APA
Mais proteção para a APA de Guadalupe
No Dia de Proteção ao Mangue, ferramenta para preservá-lo

Óleo derramado em 2019 deixa marcas no Litoral de Pernambuco
Óleo em 20 praias e sete rios de Pernambuco
Crime ambiental em Maracaípe
Crime ambiental no paraíso

Deixem que vivam as baleias
Comer lagosta ovada é não ter coração
Evite comer crustáceos ovados
Coral exótico ameaça corais nativos
Acordo na Justiça com algozes do Marlim Azul
Colete três plásticos na areia
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental

Praia dos Carneiros ganha aliados contra o turismo predatório 
A praia de Boa Viagem está limpa?
Viaje pelo Brasil Selvagem Costa Brasileira sem sair de casa
Cprh investiga poluição em Suape
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Óleo derramado em 2019 deixa marcas no Litoral de Pernambuco
Óleo em 20 praias e sete rios de Pernambuco
Crime ambiental em Maracaípe

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.