Amazônia pode virar um Cerrado: “Estamos a meio caminho desse cenário”

Um pulmão do mundo totalmente ameaçado. A gente vê o noticiário, assiste o desmantelo dos instrumentos de proteção ambiental, a destruição das florestas, a tolerância – e porque não dizer conivência – com a ação criminosa de grileiros e madeireiros. Mas quando se debruça sobre os números, aí se consegue entender mais o tamanho do estrago. Estrago que só fez aumentar, nos últimos três anos. Durante a Conferência  Entendendo a Amazônia especialistas mostraram os riscos que enfrenta a maior floresta tropical do mundo, o pulmão da humanidade.

“A floresta amazônica pode virar uma grande extensão do Cerrado se o país atingir 40% de desmatamento na região ou o aquecimento global chegar a 4°C”, alerta Paulo Artaxo (foto, camisa branca), doutor em ciências, mestre em física nuclear e professor da USP. “Nós estamos a meio caminho desse cenário”, afirma, ao citar os percentuais de devastação na Amazônia.  “O índice desmatamento de 2020, por exemplo, chegou a 19%. Em 1988, a taxa era de 5%. A evolução é ainda mais expressiva na comparação com 1975: 0,5% de desmatamento”. Com o aquecimento global, a situação piora, conforme ele mostra: “De 2029 a 2099, é esperado para o Brasil o aumento de temperatura da ordem de quatro graus centígrados  a 4,5”, afirma.

E explica a consequência: “Essa elevação pode ter impacto muito importante para a Amazônia”, afirma Artaxo. Para ele, limitar o aumento da temperatura é essencial. “Com a elevação média de 2°C, uma importante parte da Amazônia vai se tornar mais seca do que é hoje. Com 4°C de aquecimento, a perda hídrica será ainda mais significativa.” De acordo com o professor, a Amazônia está em processo de transição, em razão do desmatamento, das mudanças climáticas globais e também do avanço da agricultura. Com a seca no Norte – provocada pela devastação –  haverá redução das chuvas no Nordeste e no Brasil Central, onde se concentra a produção de soja e de proteínas animais. No Sul, ao contrário, a precipitação tende a ficar acima do ideal. A própria região amazônica pode ser parte da solução para o problema, já que tem alto impacto no ciclo do carbono e da água.

“A Amazônia armazena 120 bilhões de toneladas de CO2. Isso é equivalente a 10 anos de toda a queima de combustíveis fósseis, globalmente falando”, detalha Artaxo. Entretanto, se não for preservada, essa “bomba de carbono” pode mobilizar o gás para a atmosfera e agravar rapidamente o efeito estufa, afirma o Professor da USP.  “O carbono já está sendo dissipado para a atmosfera”, alertou o cientista. “A quantidade de gás carbônico assimilada pela fotossíntese da floresta está diminuindo de tal forma que, hoje, o fluxo líquido de carbono é zero. “Isso acontece principalmente pela mortalidade das árvores”, explica. Para ele, a humanidade tem um grande desafio para os próximos anos. Afinal, a redução de 6,7% na emissão de gases do efeito estufa registrada durante a pandemia precisa ser ainda mais ampla.

Contrariando a lógica de muitos produtores rurais, o ex Ministro da Agricultura, Allyson Paulinelli (foto de terno), afirmou que “o desmatamento não é bom para o Brasil” e que “a agricultura não precisa dele”. Indicado para o Nobel da Paz 2021, lembrou que a devastação dificulta a ação dos chamados “rios aéreos”, os chamados “rios voadores”, que “abastecem” as regiões agrícolas do País. “No Brasil, uma árvore está valendo mais caída do que em pé, mas nós temos esperança de que a ciência mostre o contrário”.

As palestras da Conferência Entendendo a Amazônia estão disponíveis na Internet, na íntegra, até o dia 31 de julho, no site www.entendendoaamazonia.com.br. Ainda dá tempo de conferir.

Leia também
Cerrado ganha corredor ecológico
Amazônia em discussão em evento virtual, com inscrições gratuitas
Dia da Amazônia: Agrofloresta ou extração ilegal de madeira?
Madeira clandestina da Amazônia
Parem de derrubar árvores, Brasil. O total devastado
Animais de volta à Amazônia
No Dia de Proteção às Florestas, o Brasil tem o que comemorar?
Verdades e mentiras no Dia da Terra
No Dia da Árvore, a vovó do Tapajós
No dia da Amazônia,trilha pela Mata Atlântica
No dia da Amazônia, viva a natureza
Dia Mundial de Áreas Úmidas
Por um milhão de árvores na Amazônia
Baderna inaugura delivery de mudas para reflorestar a Amazônia
Já me falta ar para falar das florestas
Sem Salles, a “boiada” ainda vai passar?
Assine também: #Tchau Salles
Salles, o veneno contra a natureza
O Brasil pegando fogo, e Bozó bota a culpa no índio e no caboclo
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e Conferência Entendendo a Amazônia/ Agri-Rex

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.