Fred Ramon: Herói da escola pública

Pensem em um cara lutador. E, claro, vencedor. Fred Ramon mora no bairro popular de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, município vizinho ao Recife.  Filho de uma faxineira, ele sempre estudou em escola pública, embora as duas últimas que frequentou sejam diferenciadas: a Erem  Rubem Moreira e a Erem Fernando Mota, ambas na Região Metropolitana. Erem é a sigla para escola de referência do ensino médio, onde os alunos estudam em tempo integral.  Mas não só devido às Erens, que  Fred conseguiu uma proeza. É que ele foi aprovado, “somente” em nove universidades americanas. Quantos alunos de escolas particulares ostentam esse feito aqui no Recife? Alguém sabe?

Veja as universidades que lhe enviaram cartas de aprovação:  ASU e University of Arizona (Arizona);  Manhattanville College e Adelphi University (New York); University of La Verne e Whittier College (ambas na Califórnia); Florida Tech e Stetson University  (na Flórida); e ainda da Temple University (Pensilvânia).  Nas ruas redes sociais, o estudante exibe com orgulho o feito e afirma precisa de US$ 33 mil para o estudo. Ele escolheu Whittier College, na Califórnia, que lhe oferece uma bolsa de 70% dos custos e lhe permite estudar tecnologia e teatro. O jovem ajuda na renda da casa dando aulas de inglês, principalmente durante a pandemia, quando passou a ensinar remotamente.

Inglês que, diga-se de passagem, aperfeiçoou sozinho, em aulas remotas e ouvindo a cantora norte-americana Cristina Aguilera, sua artista preferida.    Ele recebeu a informação de que foi aprovado em nove universidades norte-americanas, após alcançar uma nota acima da média em provas de inglês, e com recomendações de professores e da Junior Achievement PE. Virou notícia nacional. Na Erem,  Fred contou com dois “empurrões”: participou do curso de idiomas do Programa Ganhe o Mundo (PGM).

O PGM foi instituído durante a gestão do então Governador Eduardo Campos (PSB), e consiste em levar estudantes do ensino médio para o exterior, afim de “ampliar seus horizontes”, como costumava dizer o socialista, que morreu em acidente de avião, em 2014.  E, justiça seja feita, foi na sua gestão que foi ampliado o número de Erens e tomadas outras iniciativas que contribuíram para aumentar substancialmente os números do Ideb no estado, onde antes havia estudantes que concluíam o ensino médio sem direito a uma aula de Física ou Matemática, conforme testemunhei em várias reportagens. Infelizmente o então governador não viveu para ver os resultados do seu esforço. Porém pela dedicação de Fred, pode-se dizer que ele não é fruto só de uma escola pública diferenciada, mas também do seu próprio esforço, da obstinação.

O jovem sempre estudou em escolas públicas, tanto na rede municipal quanto na rede estadual, e agora vai realizar seu objetivo, que é inspirar outros jovens e ajudar famílias em situação de vulnerabilidade social por meio de projetos de empreendedorismo. “Uma escola particular não é melhor que uma pública. Eu vim de uma escola pública de Pernambuco e aqui tem um diferencial: eles estão interessados em buscar parcerias e novos projetos. Temos programas que permitem levar o estudante para fora da sala de aula e melhorar a forma como aprendemos as coisas”, diz Fred Ramon. O jovem foi recebido pelo governador Paulo Câmara (PSB) no Palácio do Campo das Princesas, na sexta-feira.  “Fred é um exemplo importante de que, com educação, a gente pode ir em busca dos nossos sonhos” diz Câmara. “É isso que a gente quer para Pernambuco, uma educação que possa fazer com que as pessoas avancem e consigam alcançar suas metas”,  acrescenta. “Agora, queremos ajudá-lo a concretizar esse sonho de ir aos Estados Unidos e fazer o seu curso escolhido”, completa o governador, porém sem informar se o jovem ganhará ajuda financeira para a viagem.

Para Paulo Câmara, a história de Fred vai inspirar muitos pernambucanos a alcançar seus objetivos.   Nas redes sociais de Ramon já tem uma vaquinha para ajudá-lo e quem quiser colaborar pode fazer depósitos no PIX 997210197. Ramon faz trabalho social na comunidade onde reside, e estudava em um computador velho, com teclas quebradas e tela solta. Mas depois que virou tema de reportagem pelos seus feitos, terminou ganhando um notebook novo do cineasta Cleonildo Cruz, que comoveu-se com a história do estudante. Com  certeza, vai ganhar muito mais. Viva Fred Ramon! O Brasil precisa de gente como você. Em Pernambuco, havia 328 escolas de referência do ensino médio, em 2015. Atualmente, elas somam 470, segundo informa a Secretaria Estadual de Educação. O #OxeRecife torce para que sejam todas. E que possam gerar muitos outros Ramons.

Leia também
A menina que salvava livros
“Nascente protegida é água garantida”
Trabalho escolar sobre vacina  faz sucesso em tempos de Covid-19
Mata destruída vira trabalho escolar
Estudante de escola pública mostra trabalho sobre sururu em Londres
Matemática: 28 alunos premiados
Robótica: rede pública em destaque
Você tem fome de quê? De livros
A volta das cartas e dos postais
Robótica leva estudantes à Hungria

Rede pública: a vez da robótica 
Escola pública representada no Peru

Alunos “derrubam” 70.000 concorrentes
Estudantes de Escola Pública embarcam para Nova Iorque (Genius Olympiad)
Alunos de escola estadual em Bezerros desenvolvem aplicativo para Fenearte
Alunos fazem aplicativo para Fenearte 
Drama da Paixão: aplicativo para turistas
São João: estudantes criam aplicativo
Na contramão do governo Bolsonaro
Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil

Pet vira barreira para reter lixo em canal

Alunos lançam livro na Bienal
Mustardinha: Ecobarreira vai ao Paraguai

Jardim do Baobá: Ribe do Capibaribe
Os pequenos escritores do Recife

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
Alunos fazem livros sobre 20 bairros
Livro em quadrinhos sobre Santo Amaro
Você tem fome de quê? De livros
Mensagens positivas em muro de escola

Criança Alfabetizada: destaque na educação dará prêmio a prefeitos
Os idiotas úteis e o idiota inútil
Artur é professor nota mil
Mirtes professora nota dez

Tecnologia para resgate de cultura ancestral rende prêmio a estudantes
Você tem fome de quê? De livros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Aluísio Moreira/SEI

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.