Shopping Recife: Conheça a história de Luiz Gonzaga e dos santos juninos

São João com festa, quadrilhas, trios de forró, rodas de coco e ciranda, a gente sabe que não vai ter. É o que recomenda o bom senso, nesses tempos de pandemia. Dançar agarradinho, no arrasta-pé, nem pensar. Algumas prefeituras começam a driblar o vazio junino, com ações que não ofereçam risco de contágio pelo coronavírus. Em Jaqueira – a  149 quilômetros do Recife – um caminhão tem circulado pelas ruas da cidade, levando o som da sanfona, do triângulo e da zabumba, para que as pessoas caiam no clima sem sair de casa.

No Recife, o Prefeito João Campos (PSB) anunciou a presença de grupos de forró nos postos de vacinação contra a Covid-19, nos dias 23 e 24 de junho. Nos grandes centros de compras, como Tacaruna e RioMar  exposições lembram o período junino, conforme já mostramos aqui. No Shopping Center Recife, está  fazendo o maior sucesso o São João Cultural. Não é para menos. A mostra convida o visitante a fazer “um passeio” pelo clima de São João, referenciando os principais ícones da festa, assim como contando suas histórias. Quem for à  Praça de Eventos do centro de compras localizado (em Boa Viagem) vai saber, por exemplo, curiosidades sobre a vida de Santo Antônio, São João e São Pedro, os três mais conhecidos santos juninos. Eles estão em exposição em lindas bandeiras, daquelas utilizadas em procissões que costumam ocorrer nessa época, em anos sem pandemia.

Mas não é só isso. O São João Cultural do Shopping Center Recife fez uma parceria com o Cais do Sertão, o que permitiu visitar vida e obra de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião. Na verdade, foram montados dois ambientes separados por um paredão rendado reproduzindo a fachada recoberta de combogós do Cais do Sertão, que cedeu peças do seu acervo para a mostra como o gibão de couro, o chapéu de vaqueiro e capas de LPs e Cds de Luiz Gonzaga. Há, ainda, um boneco gigante do cantor (confeccionado por Sílvio Botelho) e uma sanfona branca em uma redoma de vidro, que é uma relíquia. “É a sanfona que Luiz Gonzaga doou para Paulinho do Acordeon”, conta Juliana Lins, responsável  pela Curadoria da mostra.

Ela teve o cuidado, também, de enriquecer a exposição acrescentando textos com a trajetória de Gonzagão, organizados em ordem cronológica. Estes ficaram sob minha responsabilidade, com base em pesquisas no acervo do próprio Cais do Sertão e em informações do Parque Asa Branca, que é responsável pela guarda do acervo do Rei do Baião. “As pessoas estão curtindo muito, até tiram fotografias dos cubos em que constam as informações”, diz Juliana. A montagem ficou muito bonita e inclui, também, um painel iluminado com dez metros de largura, reproduzindo uma cidade do interior, onde normalmente são montados dos arraiais durante os festejos de São João. Vale a pena conferir. O acesso é gratuito e todos os espaços são “instagramáveis”. A exposição contou com a colaboração de Rodrigo Novaes (Secretário de Turismo de Pernambuco),  Antônio Neves Baptista (Presidente da Empetur), Maria Rosa Maia (Gestora do Cais do Sertão), Conceição Wanderley (Museóloga), Letícia Lins ( eu mesma, textos) e Vila 7/Juliana Lins (produção e curadoria).

Veja, nos links abaixo, outras informações sobre São João.
E também faça um “passeio” por vida e obra de Luiz Gonzaga por ordem cronológica, ao som de Asa Branca.


Leia também
Tacaruna e RioMar comemoram São João com  exposições e cordel
Pandemia deve deixar Pernambuco sem São João nem festival de inverno
O São João ambulante da pandemia
Vai sair auxílio emergencial do ciclo junino
Procissão dos Santos Juninos: entre a esperança e a pandemia
Procissão dos Santos Juninos vai descer o Morro só com o andor
O forró virtual da pandemia
Silvério Pessoa e Josildo Sá: o encontro do canavial com a caatinga
Banda Sinfônica lembra Jackson do Pandeiro com Josildo Sá no Santa Isabel
Danado de Bom no Santa Isabel
São João tem novos arraiais no Recife
Josildo Sá: forró, frevo e romantismo
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Missa do Vaqueiro: do Sertão ao Cais
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
São João da pandemia e da resistência
São João sem fogos nem quadrilhas
Centenário de Jackson do Pandeiro tem festa na Passa Disco
Procissão dos Santos Juninos: São João verdadeiro sem precisar de funk nem DJ
Procissão dos Santos Juninos
Acorda Povo em Campo Grande
Dia de procissão dos santos juninos
Linda, procissão das bandeiras é sábado
Capelinha de melão é de São João
Santo Antônio: casamenteiro, soldado, tenente e vereador cassado
A língua incorrupta de Santo Antônio
Forró no Sítio, Poço e Pátio de São Pedro
Quadrilha: luxo, brilho e resultados
Ecos do São João no Ibura
Último dia para ver as quadrilhas
Sexta de forró e desfile de bandeiras
Quadrilhas dão show no Sítio Trindade
Quadrilhas: luxo, brilho e resultados
Quadrilhas: do arraial ao palco
Cadê as quadrilhas tradicionais?
Caminhada do Forró e Festa do Fogo animam Bairro do Recife 
Olha! Recife tem ônibus com forró
“Eu amo minha rua”: Premiada via com homenagem a Jackson do Pandeiro
Acesso ao Sítio da Trindade: Estrada do Arraial só tem iluminação de um lado
Pensem, em 1964 já havia fake news: Bacamarteiros viraram “guerrilheiros”
Qual a origem dos bacamarteiros?

Serviço:
O quê:  São João Cultural no Shopping Recife
Onde: Praça de Eventos do  Shopping Recife
Endereço: Rua Padre Carapuceiro, 777, Boa Viagem
O que ver: exposição constando com acervo do Cais do Sertão (objetos, informações, história por ordem cronológica de Luiz Gonzaga; história dos santos juninos; reprodução de cidade do interior com clima junino.
Quando:  Até o dia 24 de junho
Horário: o mesmo de funcionamento do centro de compras
Quanto: Acesso gratuito

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação / Shopping Recife
Vídeo: Antônio Gomes Neto

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.