Pandemia aumenta interesse pela criação de abelhas urbanas

É cada vez maior o surgimento de coletivos para implantar hortas e pomares urbanos em várias capitais do País, inclusive o Recife. Com a pandemia, a tendência tornou-se ainda maior. E já tem gente até implantando apiários, atividade antes restrita às áreas rurais.  E há aqueles que, com o tempo maior em casa, decidiram separar um lugarzinho para as abelhas. Mas atenção, se você está querendo produzir mel para sua comunidade ou para a família, a melhor opção são as abelhas nativas, aquelas que – diferente das italianas e das africanas – não possuem ferrão. A Embrapa e a Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (A.B.E.L.H.A) fizeram uma parceria, e estão ofertando um curso on line voltado para quem mora nas cidades e tem interesse de ter em casa esses insetos, para produção doméstica de mel. E, agora, uma notícia tão doce quanto o mel: o curso é totalmente gratuito.

É a segunda vez que se oferta tal curso, e a expectativa é repetir o sucesso do primeiro, que contou com 35 mil  pessoas inscritas. Somente. A nova edição do curso foca em questões específicas para quem quer criar abelhas sem ferrão em ambiente urbano, em casas e até apartamentos. O Brasil possui mais de 250 espécies desses insetos sociais nativos, mansos, ma-ra-vi-lho-sos. E muitas delas estão adaptadas a viver em cidades, fazendo ninho em árvores ou muros. Podem ser criadas em caixas especiais no quintal ou em varanda, e não ferroam, ou seja.  “A ideia do novo curso surgiu da grande predominância de pessoas residentes em áreas urbanas entre os inscritos nos módulos anteriores. Percebemos que mais de 80% moravam em cidade”, explica Cristiano Menezes, biólogo e pesquisador da Embrapa Meio Ambiente e membro do comitê científico da A.B.E.L.H.A.

Menezes é o idealizador e instrutor do curso. Ele informa que entre os tópicos abordados, os participantes irão conhecer a diversidade de abelhas sem ferrão, e sua relação com as cidades; aprender como iniciar a criação; como é a biologia e o manejo dessas abelhas, em ambiente urbano. Também será estimulado o plantio de mudas que favorecem as abelhas por meio da oferta de alimentos. O biólogo avalia que o interesse pela criação de abelhas aumentou em função da pandemia, provavelmente pelo fato de as pessoas ficarem em casa. E o novo curso procura responder às dúvidas.

As respostas irão para perguntas mais frequentes, especialmente especialmente para o público urbano. Por exemplo, onde conseguir as colmeias, como instalar, como cuidar e outras dicas que não foram contempladas nos cursos anteriores. O biólogo da Embrapa recomenda ainda que quem tiver interesse em aprofundar seus conhecimentos sobre essas espécies de abelhas não deixe de assistir ao primeiro curso, onde a biologia e o manejo delas são discutidos de forma mais detalhada. É até aconselhável que se faça isso antes.

O Curso de Meliponicultura Embrapa/A.B.E.L.H.A. ainda está disponível na plataforma http://www.embrapa.br/e-campo e no canal da Embrapa Meio Ambiente no YouTube. Quanto ao novo, veja como se inscrever no serviço abaixo. Já a diretora executiva da A.B.E.L.H.A, Ana Assad, afirma que a meliponicultura (criação de abelhas sem ferrão) urbana pode contribuir para tornar as cidades mais verdes. “As abelhas são ótimas polinizadoras, ajudam na reprodução de diversas plantas”, ressalta. “Se tivermos mais flores, teremos mais frutos e sementes, que são alimento para pássaros, morcegos e outros animais. É um ciclo que contribui para ampliação das áreas verdes nas cidades” , completa.  Para quem não conhece a A,B.E.L.H.A, é bom conhecer. Pois a entidade presta um grande serviço, já que o objetivo da associação é liderar a criação de uma rede em prol da conservação de abelhas e outros polinizadores. Sua missão é reunir, produzir e divulgar informações, com base científica, que visem à conservação da biodiversidade brasileira e à convivência harmônica e sustentável da agricultura com as abelhas e outros polinizadores. E abelha e mel, gente, são tudo de bom!

Nos links abaixo você pode ler informações sobre abelhas e outros insetos. No Serviço, você sabe como se inscrever.

Leia também:
Pesquisadores descobrem nova espécie de abelha solitária
Crie abelhas sem ferrão: Curso virtual
Palma-de-Manila: A festa das abelhas
O Dia Mundial das Abelhas
Encanto e cores das libélulas
Temporal: Formigueiro e ninho do joão-de-barro à prova de chuva
Hortas urbanas e kokedamas
Três oficinas de hortas caseiras

Aprenda a adubar a horta urbana
Aprenda a fazer sua horta doméstica
Que tal ter horta em casa ou no AP?
Aprenda a fazer adubo orgânico entre os sons da natureza
Terrários solidários
Onda verde: Terrários viram colares
Jardim Secreto completa três anos: Esforço coletivo e resultado
Isso não é um assalto. É horta no asfalto

Serviço:
Curso Meliponicultura Urbana
As inscrições são permanentes e, após a sua efetivação, o participante tem 30 dias para realizar o curso. E devem ser feitas no site: www.embrapa.br/e-campo/meliponicultura-urbana

Módulos
O Curso Meliponicultura Urbana está dividido em 8 módulos, com palestras curtas e objetivas.
Módulo 1: Diversidade de abelhas sem ferrão e sua relação com as cidades
Módulo 2: Como escolher as espécies certas para criar em ambiente urbano?
Módulo 3: Como obter as colônias e os materiais necessários para iniciar a criação?
Módulo 4: Onde devo colocá-las e quais cuidados preciso ter para garantir sua sobrevivência?
Módulo 5: É possível produzir mel e multiplicar as colônias em ambiente urbano?
Módulo 6: O que devo plantar para ajudar as abelhas das cidades?
Módulo 7: Quais as licenças necessárias e como obtê-las?
Módulo 8: Dicas importantes, curiosidades, problemas frequentes e aspectos polêmicos

 Para conhecer a A.B.E.L.H.A, buscar o site http://www.abelha.org.br
Para seguir
A.B.E.L.H.A nas redes sociais: Twitter.com/AbelhaOrg, Facebook.com/abelhaorg eInstagram.com/abelhaorg

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.