Música: Martins brilha no rio sob o sol

Em 2020, ele foi um dos indicados do Prêmio SUM 2020, na categoria Novos Talentos. Como outros jovens artistas – como Almério e Juliano Holanda – Martins está incluído entre os destaques da nova geração de músicos em Pernambuco.

É verdade que a pandemia atrapalhou a vida de muita gente,  que se viu obrigada a ficar fisicamente distante dos palcos, dos shows, do público, justamente quando começa a despontar. Mas mesmo assim, o artista não parou. Ele acaba de lançar o primeiro videoclipe, que já está disponível em seu canal oficial do Youtube.  O clipe é um passeio pelos rios de Capibaribe e Beberibe, no Recife.

“Quis trazer a geografia da cidade para o vídeo pois tem muito a ver com a música e com o meu trabalho”, diz Martins. “Além da canção falar sobre sentimentos e afetos, o clipe é solar, bonito, transmite otimismo e acho que é isso que estamos precisando nesse momento” acrescenta o cantor e compositor.  A direção do clipe é de Marcelo Barreto, da Atelier Produções.

E a música escolhida foi Me dê, de roupagem swingada, com influências do ijexá e da música africana, que traduz bastante a diversidade de seu primeiro álbum, homônimo, lançado em 2019 pela gravadora Deck. Martins, o álbum, traz 11 faixas autorais, incluindo algumas parcerias, que retratam crônicas do cotidiano. Com direção musical de Juliano Holanda o disco foi gravado em Recife e também e na Europa durante a turnê do artista pelo continente. Martins tem uma legião de fãs no Recife, inclusive Juliana Lins (foto), minha filhota. No seu aniversário, em petit comité, ela  ganhou uma apresentação do cantor a  bordo de uma lancha. Um presentaço e tanto. Ela adorou, claro.

O Me dê,  foi gravado ora em barcos singrando as águas, ora em  terra firme, mas em locais que têm ligação principalmente com o Capibaribe. É o caso Capibar, detentor de longa história em defesa do Capibaribe, principal rio do Recife. Em anos sem pandemia, o Capibar promove no oitavo mês do ano o evento HágostopeloCapibaribe, que consiste em uma  espécie de gincana, onde ganham prêmios os barqueiros que recolhem a maior quantidade de lixo no Rio. E aparece de tudo, de capacete de motociclista e carcaça de geladeira. Uma ofensa a um rio tão bonito.  Localizado no Poço da Panela, o bar tem, em seu pier, objetos “decorativos”  que são materiais recolhidos no seu leito. Eles terminaram compondo um dos cenários em terra firme do clipe.

Agora, confira o vídeo. E abaixo, alguns links sobre música e sobre o Capibaribe.

 Leia também:
Lixo tem dia de pescaria no Capibaribe
Barco solar para o Capibaribe
Não jogue eletrônicos no Capibaribe
Capibaribe: lixo é rua sem saída
Quanto mais se tira lixo, mais aparece
Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia: gangrenam o corpo
Sábado tem Há Gosto pelo Capibaribe
Vaquinha para limpar o Capibaribe
Emlurb limpa rio e tartaruga luta para sobreviver no lixo do rio
Recife, mangue e Aldeões Guaiás
A Serra Pelada de Sinha é só riqueza
Barco solar para o Rio Capibaribe
Não jogue eletrônicos no Rio Capibaribe
Capibaribe passa por limpeza na Aurora
Rio ganha faxina no Cais da Alfândega
Rio com lixo para turista ver
Rio Capibaribe ganha ação de limpeza: trabalho mensal devia ser diário
Barco recolheu 55 toneladas de lixo no Capibaribe em 2016
Vamos limpar o Rio Capibaribe 
Capibaribe ganha nova área de contemplação para combater o lixo
Capibaribe: novo centro de convivência
Ex rios, canais viram esgotos a céu aberto
Detonadas as margens do Capibaribe
O leito de vidro do Capibaribe
Almério “desempena” na Bahia
Almério, Claudionor, Nonô, Nena Queiroga e caboclinhos
“Desempena”, Almério! Você vai longe
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
Almério é um absurdo
Valencianas: ingressos esgotados
A Doce Menina de Ceceu Valença
Trio segue caminho de pais famosos
Kizomba, Kuduro, Funaná e frevo
Lady na mesa e louca na cama
Novata, Bia Villa-Chan canta com veteranos
Palestina do Recife: Cadê nosso país?
Dupla divina: Marisa Monte e Paulinho
Publius mostra música inédita em live
Uana Mahim: Sou preta, negra e fera
Música no Palácio: frevo, baião, choro
Música no Palácio tem tributo a Nat King Cole
Arthur Phelipe trocou a carreira camerística pela música popular
Quarteto Encore: popular e erudito
Blue Jeans: Negro em cada canto
“Pernambuco é meu canto “bombou”
Viva o chorinho em concertos gratuitos
Música no Palácio: do chorinho ao frevo
Dia de música no Palácio
Música no Palácio bombou hoje
Programa nota 10 só me custou R$ 2
Música no Palácio atrai bikes e andantes
Cesta de música: MPB, black e LGTBTQI
Repertório Junino no Música no Palácio  
Música no Palácio: do chorinho ao frevo

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos e vídeo:  Juliana Lins e Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.