O bairro da Tamarineira e o “verde oásis” no meio da selva de concreto

Parem de derrubar árvores. É só o que dá vontade de dizer, quando a gente contempla a foto do colega Grinaldo Gadelha, da Gadelharia Indústria Criativa e que, como eu, pertence ao Grupo Bora Preservar. Com seu olhar de Raio-X e seu inseparável drone, ele vem captando imagens inéditas do Recife. E que mostram a quantas andam o nosso patrimônio arquitetônico, histórico e o verde. Essa foto exibe a situação a que chegou, hoje, o antes bucólico bairro da Tamarineira. Ali, como você pode observar, a especulação imobiliária acabou com os sítios, quintais e jardins. Sobrou a selva de concreto.

Pelo que se observa, de verde só resta mesmo o terreno onde fica o Hospital Ulysses Pernambucano, o mais famoso estabelecimento de atendimento psiquiátrico do Recife, mais conhecido por Hospício da Tamarineira. E que já esteve bem perto de virar um shopping center. A população se mobilizou, exigiu que a área fosse preservada e as autoridades prometeram que ali seria implantado um parque. Como o da Jaqueira, o mais frequentado da cidade. Mas até hoje não virou. Durante a campanha eleitoral, o Prefeito João Campos (PSB) prometeu que a área será um parque.. Vamos ver se a promessa será cumprida. Caso contrário, a área se transformará nisso que vocês observam no entorno. Esperamos que, se implantado, o Parque da Tamarineira não siga o exemplo do Parque Dona Lindu, que tem mais concreto do que verde. E que para ser construído, destruíu o último coqueiral à beira mar que restava no Recife. Até hoje, ninguém sabe como o arboricídio foi compensado.

Veja o que Grinaldo postou sobre a Tamarineira no Grupo Bora Preservar:

Nosso bom dia de hoje segue com essa imagem rara do oásis verde, localizado no bairro da Tamarineira. Segundo o livro O Recife e Seus Bairros, do autor  Carlos Bezerra Cavalcanti, da editora da Câmara Municipal do Recife (1998), nesse local no final do século 19 existia o Sítio da Tamarineira. O loteamento foi iniciado em 1882. Tinha uma área de aproximadamente 100,9 hectares. Mas algumas publicações sobre a história do Recife explicam que na verdade existia uma árvore ali – no cruzamento da Avenida Rosa e Silva com a Estrada Velha de Água Fria. Na época, teve início a construção do Hospital dos Alienados, que foi finalmente inaugurado em 10 de janeiro de 1887, sendo para ele transferidos os doentes mentais da Santa Casa de Misericórdia de Olinda. Com o tempo, o nome da árvore do tamarindo acabou sendo associado também ao hospital psiquiátrico. Como no Rio se falava informalmente que uma pessoa era pinel (louco), no Recife passou-se a dizer que a pessoa sem juízo é louco da Tamarineira. Uma alusão desrespeitosa, mas que se usa ainda hoje. O antigo bairro, que era chamado de Cruz das Almas passou a ser chamado de Tamarineira até hoje. A despeito dos arranha-céus que se instalaram no bairro da Tamarineira que fica entre as localidades do Parnamirim, Mangabeira, Jaqueira e Rosarinho, destaca-se a área rodeada de árvores centenárias e plantas coloridas. Ressalte-se que a prefeitura do Recife garantiu a utilização dessa área onde funciona hoje o Hospital Ulysses Pernambucano (Hospital da Tamarineira) e o Hospital Helena Moura, como parque cujo decreto com os parâmetros urbanísticos para a ocupação do terreno foi publicado no Diário Oficial do Estado, em 06.11.2020. Vamos torcer para que o Parque da Tamarineira não fique apenas no papel.  O Recife merece o verde!

Nos links abaixo, você confere informações sobre Grinaldo e sua Gadelharia Criativa, sobre o Bora Preservar e bairro da Tamarineira, entre outros.

Leia também:
Grinaldo  e sua Gadelharia Indústria Criativa
“Uma das maiores emoções de minha vida”
Bora Preservar: “Tour” no Hotel Central
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Parem de derrubar árvores (264)
Cursos de hortas urbanas se espalham pelo Recife
Parem de derrubar árvores (246)
Parem de derrubar árvores (249)
Parem de derrubar árvores  (228)
Parem de derrubar árvores (210)
Parem de derrubar árvores (139)
Parem de derrubar árvores (144)
Parem de derrubar árvores 186
#RecifeEmergênciaClimática
O Recife tem quantas árvores?
A verdade sobre o Colégio Americano Batista
Casarão histórico do Sítio do Caldeireiro será preservado

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Grinaldo Gadelha / Gadelharia Indústria Criativa / Grupo Bora Preservar

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.