Parem de derrubar árvores (300)

O trecho da rua da Alliança é curto. São apenas  quatro imóveis ao longo da extensão que vai da Praça de Apipucos a um beco que dá acesso à comunidade do Areal, que fica à margem do Rio Capibaribe. Mas é um retrato do que ocorre com a arborização no Recife, cidade onde as árvores são erradicadas e dificilmente ganham reposição.  Três árvores da rua já foram degoladas, duas das quais sucumbiram por completo. A terceira tenta sobreviver.

No final dos anos 1980,  a via não possuía nenhuma árvore. Era uma aridez só, apesar do bucolismo do bairro de Apipucos. Então,  quando cheguei, plantei três pés de pau-brasil ao lado da calçada. Um deles, no entanto, foi roubado. Tiraram bem direitinho . A pessoa que levou deve  gostar de plantas. É que retirou  o vegetal,  com carinho, preservando raízes e levando substrato necessário à sua sobrevivência. Depois, plantei uma palmeira. Mas considerei que a via ainda não estava bem arborizada.

Por esse motivo, solicitei posteriormente ao poder público mudas de outras árvores que fossem compatíveis com o espaço, já que a rua é curta e estreita. Vieram, então, três acácias clitorianas, que são plantas que fornecem sombras generosas e crescem com rapidez. Destas, uma – que ficava ao lado de minha casa – foi removida a pedido de uma vizinha, a antropóloga Ciema Mello. Desde então, a temperatura interna de minha residência aumentou dois graus, nos dias de verão, em relação aos sombrados dias dos verões anteriores. Como a planta parecia incomodá-la, não coloquei nenhuma outra no local. Nem solicitei reposição à Prefeitura.

A vizinha achava que a árvore poderia cair. Então, solicitou à Emlurb a erradicação. Como não foi logo atendida, entrou com ação na justiça, solicitando que a planta fosse imediatamente removida. A Justiça acatou a solicitação e determinou que a árvore fosse removida em 24 horas. Detalhe: a árvore esperou dois anos sem tombar. Posteriormente, a segunda acácia, situada no lado oposto, foi bichada. O cupim a roeu totalmente e a artista plástica Lorane Barreto pediu erradicação, sendo atendida. A planta ficava em frente ao seu ateliê. A motosserra insana veio, torou a árvore no meio e deixou os cupins à solta, fervilhando  no tronco degolado. Fiquei indignada com o descuido da Emlurb, pois embora sejam muito úteis nas matas, os cupins são uma praga em áreas urbanas. E quando entram nas nossas casas, já sabem, não é….

Quando a empresa chegou, veio com ordem para erradicar as duas árvores restantes. A que fica na frente do ateliê da artista, cujo corte fora solicitado. E uma outra que está no lado da minha casa, para a qual eu não pedira guilhotina. Não deixei que a planta fosse assassinada como as duas anteriores. Pedi à equipe enviada pela Emlurb apenas que fosse realizada a poda. Posteriormente contratei um serviço particular para tratar da árvore e as doenças que tinha. E ela sobreviveu até hoje. O destocamento do tronco degolado da árvore na frente do imóvel de Lorane passou meses para que fosse feito. Após o destocamento, ela  plantou um pé de pau-brasil, que ainda está em crescimento, porém com altura ainda inferior a  1,6 m. Ou seja, ainda levará um longo tempo para desempenhar o mesmo papel da árvore que foi exterminada.

Mas, neste ano, a  última acácia sobrevivente apareceu com orifícios no tronco. Fui procurada por Ciema, que falou da necessidade de “poda” da acácia restante, contratando um serviço particular. Me informou que a árvore estava doente e poderia cair sobre a casa dela. Que emitia formigas  mordedeiras  em quantidade… Perguntei se o caso já tinha sido levado à Emlurb e pedi o número do protocolo. De posse dele procurei saber como estava o andamento de tal processo. A Emlurb me informou que o protocolo  estava no prazo de atendimento. Enviei, então, um bilhete à vizinha, informando que não cortaria a árvore antes do parecer oficial. Ela me disse que não ia esperar. E, no domingo seguinte, mandou uma motosserra particular fazer o serviço.  Pelo visto, uma motosserra insana mesmo. Quando cheguei da rua, após a caminhada de domingo, o estrago estava feito.

Quando vi, a última acácia responsável pelo conforto térmico da rua estava assim: pelada  (foto superior). Deu uma pontada no estômago e uma dor no coração. E a temperatura interna de minha casa só fez subir ainda mais. Desde este dia, não consegui manter mais o diálogo com quem autorizara semelhante violência. Fiquei muito triste porque ao meu ver, o que foi feito não foi poda. Mas mutilação.  Desde criança, cultivo um amor grande às árvores. E, pela lei, as de áreas públicas devem ter manutenção e poda a cargo da do poder municipal.

Se não fosse assim, todo mundo se acharia no direito de arrancar as árvores, de cortá-las como bem entender, ao sabor dos próprios temores e interesses.  Não é qualquer amador que deve fazer o corte. E essa “poda” na Rua da Alliança é apenas mais uma prova. Assim, chegamos ao número 300 de nossos posts  da campanha Parem de derrubar árvores, computando-se -só aqui no #OxeRecife –  555 registros de  árvores que sumiram do mapa no Recife desde 2017.  Todas documentadas com foto, endereço e data. O corte da do post de hoje não é tão recente. Mas é que foi tão doloroso para mim que, antes, fiquei sem conseguir  falar no assunto. Felizmente, algumas folhas começam a aparecer de novo porque a natureza é mesmo sempre muito generosa.

Nos links abaixo, você pode conferir outras perdas de árvores em Apipucos.

Leia também
Parem de derrubar árvores (298)
O Recife tem quantas árvores?
No Dia da Árvore, o Recife ganha seis. Mas quantas a cidade já perdeu?
Parem de derrubar árvores (282)
Parem de derrubar  árvores (164)
Parem de derrubar árvores (242)
Parem de derrubar árvores (254)
Parem de derrubar árvores (263)
 
Parem de derrubar árvores (11)
Parem de derrubar árvores (12)
Parem de derrubar árvores (19)
Parem de derrubar árvores (33)
Parem de derrubar árvores (60)
Parem de derrubar  árvores (65)
Parem de derrubar árvores (119)
Parem de derrubar árvores (130)
Parem de derrubar árvores (250)
Parem de derrubar árvores (7)
Parem de derrubar árvores (28)
Parem de derrubar árvores (46)
Parem de derrubar árvores (63) 

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.