Sabe o antigo Café Lafayette? Veja o que existe hoje no lugar dele

Ao  passar hoje, no centro, contemplei a esquina da Rua Primeiro de Março com a da Rua do Imperador, onde antes havia o famoso Café Lafayette.  A casa fez história entre os anos 1920 e 1930. Era ali que a sociedade se reunia – incluindo políticos  – para saber das novidades que rolavam na capital que, àquela época se inspirava na arquitetura, na moda e em costumes franceses. O Recife imitava Paris.

O Café Lafayette na verdade se chamava Continental, mas ficou mais conhecido por aquele nome porque ali funcionava, também, um depósito de cigarros da marca Lafayette, naqueles tempos em que o tabaco tinha o seu glamour, fosse no cachimbo, no charuto ou no cigarro. Os cafés do Recife tiveram tanta importância na sociedade de então, que posteriormente geraram até trabalhos acadêmicos.

Este é o prédio que foi construído no lugar do antigo e histórico Café Lafayette, que tanto sucesso fez no século 19.

Dois deles: Os antigos cafés do Recife, a sociabilidade na capital (1920-1937), do historiador Carlos André Silva; e Restaurantes e Cafés: Os lugares das sociabilidades e gastronomia na segunda metade do século 19,  de Elisa Brito Santos, com recorte entre 1850 e 1899. Ela mostra como eles funcionavam, o público que os frequentava e a importância que os cafés passaram a ter na sociedade pernambucana, quem eram seus frequentadores de acordo com os horários.

Mas do antigo e belíssimo prédio do Café Lafayette,  infelizmente só restou o pó. Por incrível que pareça, o que foi construído no seu lugar é esse monstrengo de paredes pretas, aí da foto central, prédio que hoje é apenas decadência. Aliás, um horror.   São  prédios como esses que contribuem para descaraterizar a cidade,  roubar-lhe a personalidade e emprestar o aspecto de decadência ao centro da nossa cidade. O Recife é, sim, uma cidade bonita. Mas aos poucos, infelizmente, exemplos como este vão destruindo seu passado em nome de um presente sem futuro.

Leia também:
Sessão Recife Nostalgia: Antônio Gomes revive o passado de Apipucos
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Cabloco, no bairro de São José
Sessão Recife Nostalgia: Armazéns do Caboclo
Sessão Recife Nostalgia: Brincadeiras de rua que estão desaparecendo
Sessão Recife Nostalgia: Casa Navio, papa-fila,Sorvete D’Aqui
Sessão Recife Nostalgia: Escolinha de Arte do Recife na Rua do Cupim
Sessão Recife Nostalgia: Demolido um dos marcos da arquitetura moderna
Sessão Recife Nostalgia: Carregadores de piano
Sessão Recife Nostalgia: Nos tempos de O Veleiro, na praia de Boa Viagem
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Agenda cultural era impressa
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade quase vira Beirute
Sessão Recife Nostalgia: Os quintais de nossa infância
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Buarque Macedo e a sombra magra do destino
Sessão Recife Nostalgia: Teatro Santa Isabel e a luta abolicionista
Sessão Recife Nostalgia: Quando a cidade era cem por cento saneada
Sessão Recife Nostalgia: Herculano Bandeira e os jagunços do Palácio
Sessão Recife Nostalgia: pastoril, Villa Lobos, e piano na Casa do Sítio Donino
Sessão Recife Nostalgia: Beco do Veado e outros becos
Sessão Recife Nostalgia: Solar da Jaqueira
Sessão Recife Nostalgia: a Viana Leal
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19, na cidade que imitava Paris
Sessão Recife Nostalgia: os banhos noturnos de rio no Poço da Panela
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória
Sessão Recife Nostalgia: Quando a Praça do Derby era um hipódromo
Sessão Recife Nostalgia: O parque Amorim e a lenda do Papafigo
Sessão Recife Nostalgia: a coroação da Rainha do Recife e de Pernambuco
Sessão Recife Nostalgia: Casa de banhos e o fogo das esposas traídas
Sessão Recife Nostalgia: o Restaurante Flutuante do Capibaribe
Sessão Recife Nostalgia: Sítio Donino e seu antigo casarão ameaçado
Casarão histórico do Sítio do Caldeireiro será preservado

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins e acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.