“Oásis do Agreste de Pernambuco”, Serra Negra vira música

Sexta-feira normalmente é dia de programar o final de semana. Que passeios podem ser realizados, qual filme será assistido, qual o teatro com o melhor espetáculo. Mas a quarentena imposta pela pandemia recomenda que se fique em casa. Então, que tal fazer uma viagem aí, na frente do computador ou do celular? Dessa vez  vamos ao município de Bezerros, conhecido como a terra do papangu, e que fica a 107 quilômetros do Recife. Mais precisamente ao distrito de Serra Negra, que ultimamente tem sido procurada por grupos que gostam de fazer trilhas e que curtem a aproximação com a natureza. Serra Negra é conhecido pela  exuberância de sua vegetação, pelo charme do seu inverno e sobretudo pelos festejos juninos.  Nesse post, você vai “viajar” pela localidade através de fotos cedidas por trilheiros que amam Serra Negra, como Luciana Dubeux e Carlos Alberto, ambos integrantes do Grupo Andarapé.

Nessa sexta (19/03), o cantor Almir Rouche lança Serra Negra em todas as plataformas digitais.  Com 34 anos de carreira, o artista afirma que cantar Pernambuco é sempre um realização, mas destaca sua relação com o lugarejo que ele considera tão especial. “Minha relação com Serra Negra é de amor e paixão. É lá que me reabasteço”,diz. “Essa canção é uma declaração de amor e aconchego”.  Serra Negra fica a nove quilômetros do centro de Bezerros e está a mil metros de altitude, o que lhe confere clima agradável que pode chegar a oito graus. Isso em pleno Agreste, região marcada por sol causticante e pela presença da caatinga. .

O Grupo Andarapé é um dos que  organizam excursões a Serra Negra. São três opções de trilhas: Caverna do Déda, Mata Vertente e o Parque Ecológico. Entre os locais que são pontos obrigatórios de visita, estão o Mirante do Cruzeiro, a Pedra da Carambola, o Pau Santo Casamenteiro, o Mirante do Gravatá Amarelo, a Porta do Vento, entre outros.

“Serra Negra é um lugar encantador, com  paisagens deslumbrantes e belíssimas formações rochosas. No período chuvoso, temos uma temperatura amena o que nos faz aconchegar. A riqueza da flora pode ser vista e admirada no decorrer das trilhas realizadas”, afirma Ana Almeida, Coordenadora do  Andarapé. Integrante do Grupo, inclusive tendo participado de trilha em Serra Negra, Luciana Dubeux é outra  que não economiza elogios  para o pequeno e verde vilarejo.

“Não tem como não me impressionar com a beleza deste lugar”, afirma. “Serra Negra é o oásis no Agreste  de Pernambuco”, complementa. “A vista é um colírio para os olhos de qualquer turista, seja ele do nosso estado ou de fora”, exulta. “E o que falar do friozinho da Serra e das várias atrações, para todos os gostos, desde caminhadas no Parque Ecológico de Serra Negra, os vários restaurantes, o mirante e até o Pau  Santo Casamenteiro”, afirma ela. E confirma até a sua fama: “Sou testemunha, por experiência própria, que é milagroso mesmo”.  O Parque Ecológico de Serra Negra foi criado em 1989 por lei municipal  e é  área de preservação. Serra Negra é circundada pelo bioma caatinga, porém  sua vegetação constitui um dos brejos de altitude de Pernambuco, reunindo nada menos de 136 espécies de 48 famíliasvegetais.

Amante das árvores, Carlos Alberto  sempre costuma disseminar mudas nas nossas caminhadas. Plantar árvores nativas, ao longo dos nossos caminhos é sempre uma iniciativa do trilheiro.  Lu nos cedeu as fotos das paisagens acima. E Carlinhos, como é conhecido no grupo,  nos oferta algumas fotos da riqueza que é Serra Negra, que ganha homenagem na voz de Almir Rouche:

Oh minha Serra Negra/ Eu vou contando os dias da semana, para te encontrar/ Oh, quando chega a sexta-feira/ Tudo que vejo é tanta beleza, Serra Negra.

“Viaje”  na galeria de fotos gentilmente cedidas ao #OxeRecife pelo trilheiro Carlos Alberto, do Andarapé, em Serra Negra:

Lugar lindo, não é?

Leia também:
Andarapé entre os sons da natureza
Andarapé entre o século 16 e o 21 
Andarapé vai ao Jardim Secreto, no Poço da Panela
Trem virou saudosa memória em Pernambuco
Arte monumental e natureza generosa
A “melhor conexão” é com a natureza
Atendendo a pedidos sobre Aparauá
Visite o “Legado das Águas” nas férias
No dia da Amazônia, trilha pela Mata Atlântica
Vale do Catimbau: Milênios de história

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.