Cuidado com dose “fantasma”. Fique de olho na seringa na hora da vacinação

“Você deveria estar olhando a seringa”, adverte o amigo Fernando Batista, residente em Salvador, quando envio pelo WhastApp minha fotografia recebendo a primeira dose da Coronavac no Recife, em meio  a um processo bem planejado, ágil, pontual e sem aglomeração em minha cidade. Porém,  ele tem razão de se preocupar. É que amigos comuns, residentes no estado de São Paulo, descobriram que a avó recebeu uma vacina fantasma (foto seguinte). Ao chegar em casa, e rever o vídeo do momento da aplicação,  perceberam que a seringa estava com o êmbolo dando sinais de que não fora, sequer, acionado. Convém, portanto, ficar alerta onde quer que a vacina seja aplicada. Questão de segurança.

Ou seja, sabe aquele ritual que você presencia no posto de combustível, quando vai abastecer? O bombeiro mostra a bomba zerada e depois você confere quantos litros o tanque recebeu e valor da conta? Pois esse mesmo tipo de atenção é preciso tomar no momento da vacinação, em qualquer parte do país. Pois gente sem escrúpulo existe em qualquer canto. Felizmente, aqui no Recife, a gestão municipal, leia-se João Campos (PSB), está dando show de organização na aplicação de vacinas.

E casos de fura-fila estão sendo apurados. No Recife, pelo menos os aplicadores têm feito como o bombeiro do posto: mostram a seringa com a dose, depois exibem a mesma vazia e com o êmbolo acionado. Mesmo assim, convém ficar de olho. O zelo observado na nossa cidade não aconteceu (por exemplo) com a avó de Tatiane Consentino Rodrigues, Professora da Universidade Federal de São Carlos, município localizado a 238 quilômetros da capital paulista. Um primo dela foi levar a avó de ambos para ser imunizada contra a Covid-19. Mas ao chegar em casa e examinar o vídeo que pretendia enviar para os pais, descobriu que a idosa não tinha tomado vacina nenhuma.

E percebeu que a avó tomara apenas a picada da agulha. “Além de fazer só o furo, a enfermeira também não assinou a carteira da vacinação”, conta por telefone a professora, que reside em São Carlos, onde ocorreu o problema. “Ela furou o braço, mas não aplicou o que estava na seringa, não empurrou o êmbolo”, conta Tatiane. O caso, claro, foi parar na Secretaria Municipal de Saúde, no Ministério Público e na Ouvidoria. “O vídeo da não aplicação é muito explícito, ainda mais o fato da enfermeira não ter assinado a carteira de vacinação”, relata a professora ao #OxeRecife. Ela informou que autoridades locais já sinalizaram com reaplicação da vacina. O caso está em análise nos setores competentes. ”Meu primo levou a avó para vacinar, e gravou as cenas para enviar para os  pais dele, que moram longe, mas ao chegar em casa e ao observar o vídeo, percebeu a irregularidade”. Ele levou o caso à Secretaria de Saúde e esta deu prazo de três dias para a resposta. Mas não houve retorno. Então o caso foi para a Ouvidoria. A pedido da família, vários profissionais do setor analisaram o vídeo. E concordam com os parentes da idosa, a partir da mesma posição do êmbolo antes e depois da imunização.

Dizem que não houve aplicação da vacina, em plena pandemia, pode? “Para mim o que vimos é a concretude da hipocrisia brasileira”, define Tatiane. “É um profissional de saúde  que decide para quem ou a quem ele vai dar a chance de ter sobrevida ou não”. E adverte: “Além de gerar ou reforçar toda uma discussão sobre inverdades que são ditas sobre a vacina”. Tatiane teme que iniciativas como a da enfermeira de São Carlos coloque em dúvida a eficácia da vacina. “Se ela (a avó)  tiver Covid-19, como  vai se explicar que foi infectada,mesmo tendo “tomado” a vacina”? Ou seja, seria uma confusão a mais, em meio a atitudes negacionistas das principais autoridades brasileiras e de um Presidente que já disse até que quem tomasse a vacina poderia virar “jacaré”. No Recife, felizmente, o protocolo determina que o aplicador encha a seringa à vista da pessoa, que mostre esta antes e depois da imunização, para que a pessoa se certifique do recebimento. “

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) registrou 2.139 novos casos da Covid-19 nesta quinta-feira (18/03) em Pernambuco. Entre os confirmados hoje, 130 (6%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 2.009 (94%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 325.315 casos confirmados da doença, sendo 34.050 graves e 291.265 leves. Também foram confirmados 53 óbitos, devido à pandemia. Com isso, o Estado totaliza 11.563 mortes pela Covid-19.  Pernambuco está com taxas de ocupação próximas de cem por por cento em leitos de UTI destinados a pacientes com a infecção. E há lista de cerca de 200 pacientes à espera de vaga. O estado encontra-se em lockdown até o próximo dia 28 e cerca de 5 mil homens – polícia civil, PM e guardas municipais – estão nas ruas para fiscalizar o cumprimento das medidas de restrições.

Confira o vídeo da aplicação da vacina “fantasma” contra a Covid-19:

https://www.youtube.com/watch?v=v3KQz7MH3go

Leia também:
Vacinas seguem para o interior
Governadores e prefeitos cansam de esperar por vacinas
Governadores pressionam Pazuello por vacina. Paulo Câmara teme o caos
Vacina chega devagar. Vírus em alta velocidade. Agora é lockdown
Pernambuco todo em lockdown
Vacinas seguem para o interior
João Campos tenta agilizar compra de vacinas via Consórcio
Nova remessa de vacinas chega a Pernambuco
Vacinas que chegaram domingo seguiram para interior
Vacinas AtraZeneca/Oxford chega a Pernambuco
Vacinas seguem para regionais de saúde

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: PCR / Divulgação (foto maior ),  Letícia Lins e foto do leitor

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.