Paraíso: Guadalupe vai ganhar turismo rural comunitário e sustentável

Proteção é preciso. Caso contrário, a especulação imobiliária toma conta. E o turismo predatório também coloca tudo a perder, destruindo a natureza. E lá é só o que não falta. São manguezais, fragmentos florestais de Mata Atlântica, mata de restinga e cordões de arrecifes. Por esse motivo, uma das regiões mais bonitas do Litoral Sul de Pernambuco foi transformada em  Área de Proteção Ambiental, ainda no século passado. E nesse sábado, a APA Guadalupe comemora 24 anos de fundação, com algumas novidades.

Apa de Guadalupe terá turismo rural comunitário e campanha em defesa do cavalo-marinho, peixe curioso e delicado.

Administrada pela Agência Estadual do Meio Ambiente (cprh), a Apa tem 32 hectares de área continental mais 12 hectares de área marítima. E abrange partes dos municípios de  Barreiros, Rio Formoso, Sirinhaém e Tamandaré, os quatro muito disputados por turistas, inclusive com grande movimento de embarcações, o que terminou por motivar um decreto disciplinando o tráfego de lanchas, catamarãs e outros. Aos finais de semana, o mar ficava “engarrafado”, com prejuízos para a flora e fauna da região.

O território  da Apa inclui áreas públicas e particulares, moradias permanentes e de veraneio, assentamentos rurais, engenhos, área quilombola, atividades de pesca, agricultura e turismo. A Apa também é rica em diversidade de ambientes e atividades econômicas, sua biodiversidade é motivo para pesquisas científicas e virou alvo de vários projetos para manutenção da flora e da fauna. Em 2021, dois projetos devem ser implantados, contemplando a população da área de proteção. Um de turismo rural de base comunitária, o que é muito bom. A Apa também terá uma unidade de beneficiamento de pescado, voltado para as mulheres quilombolas do Engenho Siqueira, localizado no município de Rio Formoso. As duas iniciativas são financiados pelo Projeto Áreas Marinhas e Costeiras Protegidas (GEF-Mar), do Governo Federal.

Mata Atlântica, Restinga,  e manguezais se misturam na Apa Guadalupe, um dos mais belos locais do Litoral de PE

Neste ano, como parte das comemorações dos 24 anos, a Apa de Guadalupe também divulga campanha de sensibilização voltada para preservação do cavalo-marinho, que no futuro se tornará em espécie bandeira da Apa,o mascote. A campanha, financiada pelo Projeto Terramar, também objetiva viabilizar a implementação do Zoneamento Ambiental e Territorial das Atividades Náuticas (Zatan) e a revisão do plano de manejo. De acordo com a gestora da Apa de Guadalupe, Joany Deodato, a publicidade se dará por meio de oficinas e produção de cartilhas.

A Apa de Guadalupe foi criada pelo Decreto Estadual nº 19.635 de 13 de março de 1997. Com uma área total de 44.799 hectares, sendo 32.135ha de área continental e 12.664ha de área marítima, a Apa funciona como Unidade de Conservação de Uso Sustentável, que tem por objetivo básico compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela de recursos naturais. Ou seja, proteger e conservar os sistemas naturais, objetivando a melhoria e a qualidade de vida da população local que, em conjunto com a gestão da unidade, devem proteger e conservar os sistemas naturais, imprescindíveis ao ecossistema, em especial os recursos hídricos.

Leia também:
Óleo em área de proteção ambiental
Paraíso dos turistas, Porto de Galinhas enfrenta despejo de esgoto doméstico
Prefeitura de Ipojuca joga esgoto na praia e é multada
Decreto impõe normas para disciplinar turismo no Litoral Sul
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Meros mortos no Litoral Sul
Multa em Muro Alto por ocupação irregular
Multa e recomposição de matas em áreas degradas do Litoral Norte 
Crime ambiental em Maracaípe
Salles: O veneno contra a natureza
Zoneamento ambiental contra turismo predatório no Litoral Sul
Litoral Sul: turismo sustentável?
Turismo predatório vai  ter limite em Pernambuco
Litoral Sul terá área de proteção marinha
Litoral Sul: excesso de demanda em APA
Mais proteção para a APA de Guadalupe
Deixem que vivam as baleias
Comer lagosta ovada é não ter coração
Evite comer crustáceos ovados
Coral exótico ameaça corais nativos
Acordo na Justiça com algozes do Marlim Azul
Colete três plásticos na areia
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Praia dos Carneiros ganha aliados contra o turismo predatório 
A praia de Boa Viagem está limpa?
Viaje pelo Brasil Selvagem Costa Brasileira sem sair de casa
Cprh investiga poluição em Suape
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Óleo derramado em 2019 deixa marcas no Litoral de Pernambuco
Óleo em 20 praias e sete rios de Pernambuco
Crime ambiental em Maracaípe
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o sertão já virou mar?
Há risco de tubarão em mar protegido?
Plásticos viram vilões de tartarugas 
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Taxa de Noronha não é roubo, mas recurso para proteger a natureza
A matança dos guaiamuns ameaçados
População de baleias em declínio
Tartarugas ao mar. Viva!

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.