Multa e recomposição de matas em área degradada no Litoral Norte

Flagrada na semana passada em mineração irregular em área de preservação permanente (APP), no Litoral Norte de Pernambuco – à altura da praia de Mangue Seco – a empresa responsável pela operação ilegal foi multada em R$ 131,5 mil pela Agência Estadual de Meio Ambiente (Cprh). Os dirigentes do “empreendimento” terão, ainda, que recompor o ambiente degradado, onde árvores nativas da Mata Atlântica foram vítimas de arboricídio e de motosserra insana.

Os nomes da empresa e dos responsáveis  pelo crime ambiental não foram revelados. Além da retirada clandestina de areia, os mesmos faziam descarte de óleo das máquinas em ambiente inadequado,contaminando áreas alagadas e o lençol freático.  A atividade provocou uma degradação ambiental  em 15 hectares, o que não é pouco.

Além da multa, o responsável pelo empreendimento também foi intimado a recuperar a área degradada  no município de Igarassu, na Região Metropolitana do Recife. No dia do flagrante a Cprh paralisou a atividade, apreendeu um caminhão e três máquinas que estavam operando no local, no momento da fiscalização. A ação contou com o apoio de policiais militares da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma).

Leia  também:
Crime ambiental no paraíso
Paraíso dos turistas, Porto de Galinhas
Prefeitura de Ipojuca joga esgoto em Porto de Galinha e sofre multa
Crime ambiental em Maracaípe: Prefeitura de Ipojuca é acusada
Multa em Muro Alto por ocupação irregular
Abertura gradual de hotéis em Porto de Galinhas começa em junho
Prefeitura destrói área protegida. Pode?
Prefeito destrói área mata e pede acordo
Crime ambiental no paraíso
Águas pluviais X esgoto doméstico: Quando tudo se mistura sob o chão
Refinaria Abreu e Lima é multada por poluição atmosférica. Até que fim…
No feriadão, cuidado com o tubarão
Há risco de tubarão em mar protegido?
Cuidado com o tubarão da areia
Conheça melhor os temidos tubarões
Meros mortos no Litoral Sul. Desequilíbrio ecológico?
Decreto impõe normas para limitar turismo no Litoral Sul
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Multa em Muro Alto por ocupação irregular
Crime ambiental em Maracaípe
Salles: O veneno contra a natureza
Zoneamento ambiental contra turismo predatório no Litoral Sul
Litoral Sul: turismo sustentável?
Turismo predatório vai  ter limite em Pernambuco
Litoral Sul terá área de proteção marinha
Litoral Sul: excesso de demanda em APA
Mais proteção para a APA de Guadalupe
Deixem que vivam as baleias
Comer lagosta ovada é não ter coração
Evite comer crustáceos ovados
Coral exótico ameaça corais nativos
Acordo na Justiça com algozes do Marlim Azul
Colete três plásticos na areia
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Praia dos Carneiros ganha aliados contra o turismo predatório 
A praia de Boa Viagem está limpa?
Viaje pelo Brasil Selvagem Costa Brasileira sem sair de casa
Cprh investiga poluição em Suape
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Óleo derramado em 2019 deixa marcas no Litoral de Pernambuco
Óleo em 20 praias e sete rios de Pernambuco
Crime ambiental em Maracaípe
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga. E o sertão já virou mar?
Há risco de tubarão em mar protegido?
Plásticos viram vilões de tartarugas 
Servidor federal é afastado porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Taxa de Noronha não é roubo, mas recurso para proteger a natureza
A matança dos guaiamuns ameaçados
População de baleias em declínio
Tartarugas ao mar. Viva!
Língua negra em Boa Viagem

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh /Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.