Carnaíba e centenário de Zé Dantas

Se ele vivo fosse, estaria completando nesse sábado (27/02) o primeiro centenário. Muitos outros virão, porque ele jamais será esquecido. E tanto quanto Luiz Gonzaga – de quem foi parceiro – Zé Dantas é eterno. Pois muitas de suas músicas viraram clássicos do cancioneiro não só nordestino, mas brasileiro. Quem não conhece, por exemplo, Cintura fina, A volta da asa branca,  Xote das meninas, Vozes da seca, Acauã, Farinhada, Riacho do Navio ou Forró de Caruaru?

Nascido em 27 de fevereiro de 1921, em Carnaíba, Pernambuco, José de Sousa Dantas Filho cresceu entre relatos orais de sua gente e toadas de vaqueiro, tendo aprendido sozinho a fazer verso e tocar violão. Mais tarde, formou-se em medicina e foi morar no Rio de Janeiro, sem nunca deixar de lado a poesia. Entre o Hospital dos Servidores (na capital carioca) e voltas à Fazenda Brejinho, no Sertão do Pajeú, entre as décadas de 1950 e 1962, ele compôs diversas músicas que se tornaram clássicos na voz de Luiz Gonzaga, de quem se tornaria um dos principais parceiros musicais.  Na Rádio Nacional, apresentou programas como No Mundo do Baião, em que contava histórias e imitava personagens típicos do Nordeste.  O compositor, poeta, folclorista e médico faleceu no Rio de Janeiro, no dia 11 de março de 1962.

Ele deixou um acervo de mais de 50 canções registradas. Sua obra foi – e ainda é – visitada por muitas gerações de artistas, como Dominguinhos, Hermeto Pascoal, Gal Costa, Maria Bethânia, Alceu Valença, Quinteto Violado, Marisa Monte e Gilberto Gil. Ele marca “presença” nos arraiais nordestinos, entre um forró e um baião. Em 2019,  ele foi homenageado no São João do Recife.

Já estive em Carnaíba, a cidade de Zé Dantas, com sua área rural marcada pela presença do xique-xique, da macambira, do mandacaru e da árida, porém poética paisagem que tanto o inspirou.  Fui em companhia da escritora Fátima Brasileiro, que também é do Sertão do Pajeú, tendo morado inclusive em Carnaíba.  A parte urbana do município sertanejo tem um casario  antigo tão bonito, que me encantou.  Também observei que a pequena Carnaíba,  onde estive há pouco mais de dois anos, dava um banho no Recife, na questão limpeza e arborização.

Veja algumas cenas da cidade de Zé Dantas na galeria abaixo

Para celebrar o artista, que legou ao Nordeste alguns de seus mais fiéis e bonitos retratos musicais, a Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE), a Secretaria de Cultura do Recife e a Fundação de Cultura da Cidade do Recife se juntaram para render uma série de homenagens, que devem se estender por todo o ano de 2021. (E hoje a TV Globo lhe dedica um programa inteiro, nesse sábado, ao  meio dia).  A primeira etapa das celebrações ao artista terá 10 dias de duração, com transmissões na TV Pernambuco, Rádio Frei Caneca, e nos canais no Youtube do Museu Cais do Sertão (www.youtube.com/caisdosertao) e Secult-PE (www.youtube.com/secultpe). O centenário também está sendo festejado no Instagram do Memorial Luiz Gonzaga (@memorialluizgonzaga), com a divulgação de conteúdos sobre a vida e obra do compositor, poeta e folclorista, que ajudou a apresentar o Nordeste ao Brasil, celebrando raízes profundas da cultura sertaneja.

Neste sábado de Zé Dantas, a Rádio  Frei Caneca transmite, às 18h, o webnário Um dedo de Prosa (Zé Dantas – 100 Anos), realizado pela TV Pernambuco, seguido de uma hora de seleção musical dedicada à obra do compositor. Também começam a ser veiculadas na programação da rádio as Pílulas do Zé, trazendo depoimentos de artistas como Beto Hortis, Terezinha do Acordeon, Luizinho Calixto e Maria Lafaiete, que também irão ao ar na TV Pernambuco. No dia 6 de março, a rádio transmite mais um webnário da TV Pernambuco: Um dedo de prosa – A Poética de Zé Dantas, a partir das 18h, seguido de mais uma sessão de músicas assinadas por ele.  O Museu Cais do Sertão também preparou uma série de conteúdos para as redes sociais, com o objetivo de divulgar a música e poesia de Zé Dantas em seus perfis no Instagram, Facebook e até no Spotify.

No próximo domingo (28), o museu lança uma playlist dedicada ao compositor,  na plataforma de streaming.Neste sábado (27), a TV Pernambuco adere à programação com a apresentação, às 18h, do curta-documentário pernambucano Psiu!, trabalho autobiográfico sobre Zé Dantas, dirigido por Antonio Carrilho, com produção e codireção de Juliana Lima. Com duração de 20 minutos, Psiu! retrata a vida e a obra do artista, nascido em Carnaíba, no Sertão do Pajeú pernambucano, a partir de imagens e gravações inéditas com a voz do compositor, além de depoimentos de nomes como Ariano Suassuna, Marina Elali, Yolanda Dantas (viúva) e Geraldo Azevedo. Em seguida, haverá a transmissão do show Duetos, de Marina Elali, neta de Zé Dantas, em homenagem ao legado do avô.

Confira a programação do final de semana:
Sábado (27/02)
10h – Lançamento dos webnários “Um Dedo de Prosa – 100 anos de ZéDantas” e “Um Dedo de Prosa – A Poética de ZéDantas”
YouTube da Secult-PE (www.youtube.com/secultpe)
11h – Mesa de Bar,  programa de rádio conduzido pelo comunicador Wagner Gomes e organizado pela Fundação de Cultura da Cidade do Recife/Memorial Luiz Gonzaga, com pesquisadores/especialistas da obra de Zé Dantas.
Rádio Jornal (90.3 FM, www.radiojornal.ne10.uol.com.br/ao-vivo/recife ou pelo app)18h – Transmissão de “Um Dedo de Prosa – 100 Anos de ZéDantas”
Rádio Frei (101.5 FM, www.freicanecafm.org ou pelo app) e Youtube do Cais do Sertão (www.youtube.com/caisdosertao)
18h – Exibições do curta-metragem “PSIU!” e do show Duetos da Marina Elali
TV Pernambuco (RMR: 46.1; Caruaru: 12.1; Petrolina: 13.1)
19h – Programação musical ZéDantas
Rádio Frei Caneca (101.5 FM, www.freicanecafm.org ou pelo app)

Domingo (28/02)
Lançamento da playlist “ZéDantas” no Spotify do Cais do Sertão
15h – Exibição de “Um Dedo de Prosa – 100 Anos de ZéDantas”
TV Pernambuco (RMR: 46.1; Caruaru: 12.1; Petrolina: 13.1)

Leia também:
Dupla divina: Marisa Monte e Paulinho, divinos
Trio segue caminho de pais famosos
Valencianas: ingressos esgotados
O Pirata José de Bia e Alceu
“Frevo e forró, são como feijão e arroz, não vivo sem os dois”
Novata, Bia  canta com veteranos do Quinteto Violado
Exu faz festa para lembrar Gonzagão 
Silvério Pessoa e Josildo Sá, o encontro da caatinga com o canavial
O forró virtual da pandemia

Texto e fotos de Carnaíba: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.