Almério, Claudionor, Nonô, Nena Queiroga e caboclinhos

Maravilhoso, imperdível, sempre superlativo. Assim é Almério, um dos artistas mais promissores de sua geração em Pernambuco e que já ganhou fama  pelo Brasil. Tem voz, tem alma, tem gingado, cresce no palco. É ele quem encerra o Circuito Cepe de Cultura nesta quinta-feira (11/02), tudo no mundo virtual. O artista se apresenta às 21h na Web. Por sinal, muito bem acompanhado: Juliano Holanda (violão e guitarra), Roger Victor (baixo) e Rapha B (Bateria). Serão apresentadas músicas autorais e algumas outras escolhidas especialmente para o tema carnaval.

Mas o encontro virtual carnavalesco começa bem mais cedo. Depois da programação infantil  – com cineminha e danças de Pernambuco – o cantor Claudionor Germano (Patrimônio Vivo de Pernambuco), seu filho Nonô Germano e a cantora Nena Queiroga falam sobre suas trajetórias musicais (15h). E às 19h, o assunto é Caboclinho, uma das manifestações muito presentes nos carnavais de Pernambuco. Representantes de vários grupos participam da roda de conversa, explicando o folguedo.

Entre eles:  Iaci Silva (Caboclinho Canindé do Recife), Eliel Fernando (Caboclinho Tupinambá de Goiana), Guedes Montalvos (Caboclinho Canindé do Recife) e Paulinho 7 Flexas (Caboclinho Sete Flexas). A mediação de Climério Santos

 Na mostra temática de cinema, o documentário Caboclinho traz depoimentos de Severino Amaro Gomes (Tribo Tupi Guarani), José Alfaiate (Caboclinhos 7 Flexas do Recife), Zuleide Alves da Silva (Caboclinhos Oxossi Pena Branca), Hilton Souza Falcão ( Caboclinhos Kapinawá) e Nelson Cândido Ferreira (Caboclinhos 7 Flexas de Goiana). O documentário mostra  o universo dos grupos em atividade no Estado. Usando fantasias que lembram as utilizadas pelas tribos indígenas- cocar de penas, tanta de penas, arco e flecha – os caboclinhos constituem folguedo inspirado nas tradições indígenas. São tidos como filhos dos caboclos e a coreografia simula as batalhas, a colheira e as caçadas.

O Circuito Cepe de Cultura tem programação gratuita e acontece em tempo real no site www.circuitocultralpernambuco.com.br.  Não precisa senha para assistir, pois o acesso é livre. Veja, abaixo, mais detalhes da programação e curta o assunto carnaval sem sair de casa, pois em tempos de pandemia, aglomeração, bloco, frevo na rua… nem pensar.

Leia  também:
Getúlio, Jota Michiles, Alessandra Leão e Ylana Queiroz no carnaval da Cepe
Os 122 anos dos Caboclinhos carijós
Ternos de caboclinhos vão ao Pátio de São Pedro
Caia na folia de maracatus e caboclinhos
Arsenal tem 18 tribos de caboclinhos
A missão de Pai Jefferson Nagô
Almério desempena na Bahia
“Desempena”, Almério! Você vai longe
Almério e Silvério Pessoa no Marco Zero
Almério é um absurdo

Serviço:
O quê: Encerramento do Circuito Cultural da Cepe
Onde: www.circuitoculturalpernambuco.com.br
Hora: Entre 10h e 21j
Quando: quinta-feira (11/02)
Quanto: gratuito:

Programação
10h – Oficina – 
Danças de Pernambuco, com a Família Pernambuco
12h – Cineminha Caboclinho (Inventário Nacional de Referência Cultura)
15h – Bate-papo – Intérpretes, mensageiros e foliões. Com Claudionor Germano, Nonô Germano e Nena Queiroga. Mediação de Carlos Eduardo Amaral
17h – Atração Infantil – Bloco do Neném. Com Mari Bigio e banda
19h – Roda de Ritmos – Caboclinho – Com Iaci Silva (Caboclinho Canindé do Recife), Eliel Fernando (Caboclinho Tupinambá de Goiana), Guedes Montalvos (Caboclinho Canindé do Recife) e Paulinho 7 Flexas (Caboclinho Sete Flexas). Mediação de Climério Santos.
21h – Show – Almério

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cepe /Divulgação 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.