Risco de explosão em estação ecológica

O alerta vem da Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh). Como se não bastasse o descarte irregular de lixo no entorno da Estação Ecológico de Caetés, a prática não só coloca em risco a vegetação da Esec como pode ameaçar a vida das pessoas que moram ou passam ali perto. É que a mania de botar fogo no lixo pode provocar uma explosão de gasoduto, já que uma tubulação de gás passa na área.  A Esec fica no município de Abreu e Lima – na Região Metropolitana do Recife – e sua criação surgiu a partir de mobilização da própria comunidade, que rejeitava  a implantação de um lixão no terreno desocupado.

No entanto, criada a Esec, a própria comunidade está transformando o seu entorno em um depósito de detritos. Para combater o problema e evitar que uma tragédia de grandes proporções aconteça, a Cprh, por meio da Unidade de Gestão das Unidades de Conservação (Uguc), vem intensificando a fiscalização na região. A ação conta com apoio de policiais da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma). E visa flagrar, orientar e, até mesmo punir os responsáveis pelo crime ambiental.

“Estamos fazendo várias rondas no entorno da Esec, orientando os moradores locais e transeuntes, sobre os prejuízos ao meio ambiente e à saúde, com o descarte irregular de lixo e com as queimadas”,  revela o gerente da Uguc, Gleydson Castelo Branco. “Além das rondas ostensivas, a Cprh pretende ampliar o raio de atuação das abordagens e partir para conscientização da população por meio de visitas domiciliares”. A ideia é fazer um trabalho de “formiguinha” junto aos moradores e comerciantes locais. É o jeito, se não resta outra alternativa.

“Pretendemos conscientizar a população local sobre o destino correto dos resíduos sólidos e da necessidade de se proteger a Esec Caetés que, afinal de contas, foi criada depois de a população local impedir a inauguração do aterro sanitário nessa mesma área”, explica o gestor da Cprh. Nunca é demais lembrar: O descarte irregular do lixo- lançar resíduos sólidos ou rejeitos in natura a céu aberto – é considerado crime ambiental, de acordo com Lei Federal nº 9.605/98. As penas previstas para pela Lei de Crimes Ambientais variam de acordo com a gravidade da infração.  “Causar dano direto ou indireto às unidades de conservação pode implicar, também, na pena de um a cinco anos de reclusão”, ressalta o gestor, adiantando que a multa por lançamento de lixo e por provocar incêndios, varia de R$ 50 a R$ 50 milhões, dependendo dos impactos causados, tendo em vista os motivos da infração e suas consequências para a saúde pública e para o meio-ambiente. A Prefeitura de Abreu e Lima não está vendo isso não? Cadê a consciência ambiental do povo, meu Deus?

Leia também:
Para que tanta fumaça? Poluir jamais
Aceiros e o povo contra o fogo
Preguiça salva filhote de incêndio
Mata queimada expulsa tamanduá
Árvores queimadas quase matam tamanduá
Animais silvestres órfãos ou queimados chegam ao Cetas
Incêndio dominado no Sertão, sem uso de retardante
Incêndio de difícil controle em unidade de conservação de Pernambuco
Incêndios, desmatamentos, conflitos de terra
Botaram fogo no Jardim Secreto
O Brasil pegando fogo e o Presidente bota a culpa no índio e no caboclo
Fogo no espeto é risco no frevo
Já me falta ar para falar de florestas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação / Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.