O primeiro Réveillon sem praia suja

Na noite da virada, povo até que foi a praia, mas em pequenas quantidades,  sem aquela multidão dos anos anteriores, quando a avenida é tomada por milhares de pessoas de branco, para festejaro ano novo. Por conta da pandemia, foi proibida a colocação de mesas, cadeiras, toldos, comércio ambulante e tudo que pudesse sugerir aglomeração, afim de evitar a disseminação do coronavírus.

Só teve uma coisa boa nisso tudo: a praia de Boa Viagem amanheceu mais limpa do que no réveillon anterior. A natureza agradece. Infelizmente, todos os anos, a  festa acontece sem uma campanha educativa, orientando ou motivando a população para não emporcalhar a areia nem o mar. O resultado é que no dia 1 de janeiro, geralmente um batalhão de garis da Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb) é mobilizado para recolher a “herança” deixada pelos porcalhões. Também nunca há disponibilização de lixeiras em quantidade suficiente nem uma parceria com catadores, como ocorre no carnaval de Olinda.

Resultado, todo 1 de janeiro, Boa Viagem amanhece parecendo um lixão. Normalmente são quase 500 trabalhadores, recolhendo cerca de 60 toneladas de lixo deixadas no asfalto e na areia. Em 2020, com a proibição de festas à beir-mar, a quantidade de lixo encontrada na manhã dessa sexta-feira(1/1) foi bem menor. Nem de longe lembrava a montanha de detritos de viradas anteriores. Ficaram em casa as garrafas de champanhe e vinho, as latas de cerveja e refrigerantes, as garrafas pet, os restos de comida que inclusive costumavam atrair ratazanas ao calçadão e até mesmo à areia.

Hoje, quem foi caminhar aproveitando a maré baixa, percebeu que realmente esse réveillon não foi igual a aquele que passou. Ou a aqueles que passaram. Esperamos que o novo gestor trabalhe melhor do que o anterior a questão ambiental. Inclusive na praia. Que seja mais rígido com ambulantes que não prezam pela limpeza do maior cartão postal da Zona Sul, a praia de Boa Viagem. Que faça operações conjuntas com a Vigilância Sanitária e a Dircom. Sinceramente, fiscalizar quem não faz o dever de casa na praia não é difícil. Até porque,  os ambulantes que sujam a areia, são sempre os mesmos em Boa Viagem. É notifica, advertir, punir, cassar licença para quem não toma jeito. Sem isso, fica tudo como está. O prefeito João Campos (PSB), que assume hoje, precisa dar uma voltinha na orla, depois das duas da tarde. Aí vai ver como muitos comerciantes continuam jogando lixo na areia. Impunemente.

Leia também:
Feliz 2019 com consciência ambiental
Feliz 2021  e que o novo normal volte logo ao normal
A família de Francisca está pronta para o réveillon
Proibidas festas de Natal e Réveillon
As flores da virada do ano
Virada do ano emporcalha Boa Viagem
O Recife que queremos em 2019
Depois da praia é festaaaaaaa
Réveillon tem 15 toneladas de fogos
Ecos do Reveillon em Boa Viagem

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.