Macaxeira tem parque infantil inclusivo

Crianças com deficiência, inclusive as cadeirantes, contam, agora, com mais uma opção de lazer, onde possam brincar sem medo de se machucar. É que o Parque da Macaxeira acaba de ganhar uma área infantil inclusiva, com equipamentos que vão do balanço frontal triplo cadeirante  à gangorra adaptada. Há, ainda, um  painel interativo de jogo da velha. O Parque da Macaxeira na Avenida Norte, no mesmo local onde até o século  passado funcionava uma das indústrias têxteis mais famosas do Recife.

O parque inclusivo foi entregue pela Prefeitura na terça-feira e vem se juntar a outras áreas do gênero que já funcionam no Parque Santana, Parque da Jaqueira e Parque 13 de Maio como opções para a inclusão das crianças com deficiência por meio do acesso ao lazer. O novo espaço tem 250 metros quadrados. Cercado por gradil, o parque inclusivo é composto por um balanço frontal triplo cadeirante, painel interativo de jogo da velha, balanço inclusivo e gangorra cadeirante simples. O parque ainda conta com placas informativas para orientar os usuários e ganhou intervenção artística em mais uma iniciativa do Colorindo o Recife.

Parque da Macaxeira, na Zona Norte, é o quarto a ganhar área infantil inclusiva no Recife.

A gestão municipal informa que vem investindo, desde 2013, na requalificação de diversos espaços públicos, com o intuito de fornecer à população opções de lazer e prática de esportes. Das mais de 660 áreas de lazer, mais de 500 foram requalificados, num investimento de R$ 25 milhões. “Apenas neste ano estão sendo investidos cerca de R$ 3 milhões em espaços públicos importantes como o entorno da Lagoa do Araçá, o Parque Robert Kennedy, já entregue à população, entre outros”, informa. No entanto, há espaços totalmente abandonados, como é o caso do Parque Apipucos Maximiano Campos, que fica bem pertinho do Parque da Macaxeira, onde até as cobertas já ruíram e os quiosques estão com vidraças quebradas. A única obra ali realizada, foi a troca das luminárias originais pelos monstrengos que de Led que a Emlurb  vem colocando, desfigurando a feição original de praças e parques da cidade.

Leia também:
Praia sem barreiras: 10.000 pessoas com direito a banho de mar
A luta por inclusão e acessibilidade
“Esplendor” e o cinema para cegos
Cadeirante merece respeito
Cadê o respeito aos cadeirantes ?
Renata Tarub: dança e inclusão social

Festa inclusiva no Parque da Jaqueira
Com respeito, construímos a igualdade 
O frevo inclusivo de Werison
Carnaval inclusivo no Recife Antigo
Isso é muito bom: carnaval inclusivo
Carnaval sem barreiras em Boa Viagem
União Mães de anjos em fotografias

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Andréa Rego Barros / Divulgação / PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.