Covid-19: Números preocupam mas bares abusam na Zona Norte

Os números da pandemia só aumentam em Pernambuco. Basta dar uma circulada pelos hospitais públicos e também pelas unidades de terapia intensiva dos particulares, para se perceber a gravidade da situação. Nesse sábado (12/12), por exemplo, foram registrados 1.363 casos da Covid-19 no Estado, elevando-se para 198.426 o número oficial de pessoas infectadas na capital e no interior. Não é à toa, portanto, que o Governo de Pernambuco impôs novas restrições à população, incluindo proibição a realização de festas e shows.

Mas em alguns locais, parece que  não há nenhuma restrição às aglomerações, que não existe pandemia e que o coronavírus não está aí, matando as pessoas no Brasil e no mundo. Passada a irresponsabilidade das aglomerações registradas na campanha eleitoral, agora é a diversão em casas noturnas que parece ignorar a pandemia. Dei uma circulada de  carro, na noite de sexta, e fiquei impressionada com a quantidade de gente bebendo e comendo nas ruas, como se não houvesse crise sanitária mundial. Nem aí para  pandemia. Distanciamento que é bom e necessário…. neca!

No entanto, só nas últimas 24 horas, foram registrados 27 óbitos no Estado, provocados pela Covid-19. Agora, o total de vidas perdidas chega a 9.271, só em Pernambuco, em um momento em que a taxa de ocupação de leitos de UTI do Estado chega ao preocupante percentual de 88 por cento.  E quando se vê problemas como o que ocorre com a Cisam (Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros), quase fechando porque suas equipes foram contaminadas pelo coronavírus. Do enfermeiro ao diretor.

Quase não saio de casa.  Mas ontem à noite, a saudade bateu e fui visitar meus netos gêmeos – César e Alice – que completavam 14 anos. Respeitando todos os protocolos, claro. Não pude nem abraçá-los.  Mas  no caminho da ida e da volta, fiquei impressionada com o desrespeito ao decreto mais recente do do governo, que proíbe shows, aglomerações e festas. Na Avenida Dezessete de Agosto, um conhecido bar próximo a uma sorveteria estava entupido de clientes, música em volume insuportável (que eu ouvia  três ruas depois) e, o que é pior, muita gente dançando no salão. Parecia até um carnaval. Fiquei impressionada e quase não acreditei no que vi. Ou seja, a fiscalização precisa ser mais rígida. Porque desse jeito…. não há como evitar a doença, que parece ter se expandido justamente após as aglomerações e o porta a porta da campanha eleitoral.

Leia também:
Pernambuco está pronto para distribuir vacina contra Covid
Governadores pressionam Pazzuelo  por vacina
Cientistas e médicos: “Vidas são mais importantes do que cargos políticos”
Cientistas contestam Bolsonaro
Pacientes ganham remédios em casa
Proibidas festas de Natal e Réveillon
Pandemia: Luz no breu da solidão
A “luz” na pandemia: Gisele Carvallo
O diário fotográfico do lockdown da pandemia
Os novos “artistas” da pandemia
A arte de fazer arte na pandemia
Palafitas ganham Forró a partir de barco: “O rio vai pegar fogo”
A capacidade de se reinventar
As roupinhas e máscaras coloridas da família de Francisca
Pró-Criança: Começa a campanha Colorindo a Esperança
Rafa Mattos: Plante amor e colha o bem

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.