Pernambuco está pronto para distribuir vacina contra Covid-19. Mas… qual?

Com um número oficial de 197.063 infectados pelo novo coronavírus e milhares de vidas perdidas para a pandemia, Pernambuco está preparado para imunizar a população pernambucana contra a Covid-19. É o que garantiu hoje o Governador Paulo Câmara (PSB), em pronunciamento divulgado nas redes sociais. Ele disse que o sistema estadual de saúde está totalmente estruturado e equipado para distribuir as vacinas e imunizar os pernambucanos. Mas… que vacina?

Pois tirando São Paulo, que saiu na frente do  próprio governo federal, nem mesmo as autoridades pernambucanas têm essa resposta, embora já estejam se organizando – o que é correto – para quando chegar a hora. O socialista disse, no entanto, que está tudo pronto para o momento em que o Governo Federal iniciar a distribuição das doses. Informou que Pernambuco já mantém um estoque “com mais de três milhões de seringas, enquanto outros sete milhões de unidades estão em processo de aquisição”. Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.945 novos casos da Covid-19 e mais 15 mortes tiveram confirmação em laboratório de que foram causadas pelo coronavírus. Com isso, chega a 9.244 o total de pessoas mortas pela doença.

Paulo Câmara assegura que Pernambuco está pronto para distribuir vacinas e imunizar população. Mas… cadê a vacina?

Nesta semana, em reunião em Brasília com outros governadores no Ministério da Saúde, Câmara disse temer um caos tão grande quando o registrado no início da pandemia, quando a situação lembrava aquele ditado cada um por si Deus por todos. “Não podemos passar novamente pela falta de ação que sofremos em março, quando Estados e municípios viveram uma verdadeira corrida por insumos e equipamentos médicos pela ausência de coordenação central”.

Por esse motivo, afirma ter resolvido se antecipar, já de olho na distribuição de vacinas para os estados .”De nossa parte, já estruturamos nossa rede estadual para, assim que recebemos as vacinas, levar o imunizante aos 184 municípios pernambucanos em, no máximo, quatro dias”, assegurou. As datas da distribuição nacional de vacinas ainda não foram oficializadas pelo Ministério da Saúde.

Câmara lembrou que faltam exatamente duas semanas para o Natal, momento de confraternização mais importante do ano para a maioria das famílias. “Enquanto a vacina não chega, precisaremos fazer escolhas diárias que são difíceis, mas que vão minimizar os impactos dos encontros natalinos daqui a 15 dias”, salientou. Durante a campanha eleitoral, no entanto, o que se via era muita gente na rua e até abraços entre a população e os candidatos, exibidos nos programas eleitorais gratuitos sem referência nenhuma ao obrigatório distanciamento.

Leia  também:
Governadores pressionam Pazzuelo  por vacina
Cientistas e médicos: “Vidas são mais importantes do que cargos políticos”
Cientistas contestam Bolsonaro
Pacientes ganham remédios em casa
Proibidas festas de Natal e Réveillon
Pandemia: Luz no breu da solidão
A “luz” na pandemia: Gisele Carvallo
O diário fotográfico do lockdown da pandemia
Os novos “artistas” da pandemia
A arte de fazer arte na pandemia
Palafitas ganham Forró a partir de barco: “O rio vai pegar fogo”
A capacidade de se reinventar
As roupinhas e máscaras coloridas da família de Francisca
Pró-Criança: Começa a campanha Colorindo a Esperança
Rafa Mattos: Plante amor e colha o bem

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Acervo / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.