Pacientes ganham “Remédio em Casa”

Diz o ditado que “esmola grande, cego desconfia”.  Prestem atenção nesse fato, sobre uma  iniciativa tão interessante que, no início, os beneficiários pensavam que era fraude, enganação. Mas agora a experiência piloto que findou bem sucedida, terminou virando um programa definitivo: o Remédio em Casa, que consiste na entrega de medicamentos especializados ou de alto custo nos domicílios de pacientes cadastrados na Farmácia de Pernambuco. O modelo começou em caráter experimental  em maio, nos momentos mais críticos da pandemia, e deve beneficiar 11 mil pessoas residentes na Região Metropolitana do Recife. O programa foi lançado nessa quarta-feira pelo Governador Paulo Câmara (PSB).

Depois da desconfiança inicial, as pessoas passaram a gostar do comodismo, inclusive nesses tempos de pandemia, quando a melhor forma de se proteger é ficar em casa. O objetivo da iniciativa é dar comodidade a oito grupos prioritários de pacientes cadastrados na Farmácia de Pernambuco, que passarão a receber seus medicamentos especializados ou de alto custo na própria residência, após um agendamento prévio. As entregas serão realizadas de segunda a sexta-feira por 20 motoqueiros. Os usuários receberão o quantitativo para até dois meses, dependendo dos estoques e da conduta medicamentosa indicada para cada paciente. O investimento do Governo do Estado no programa é de R$ 1,1 milhão por ano.

Visto com desconfiança no início, a experiência se consolidou e virou um programa estadual: “Remédio em Casa”.

“Queremos ampliar esse programa para que ele chegue a todas as pessoas de Pernambuco que dependem do medicamento da nossa farmácia.  Então, é uma etapa inicial, mas necessária, fundamental, e que vai melhorar muito o atendimento das pessoas e a saúde dos pernambucanos”, destaca o Governador Paulo Câmara (PSB). As pessoas incluídas no Remédio em Casa têm enfermidades como Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), asma, Parkinson, Alzheimer, Lúpus, transplantados, com Síndrome Congênita do Zika/microcefalia e transtorno psíquico.

Segundo o Palácio do Campo das Princesas, a Farmácia do Estado também irá dispensar medicamentos para outros dois mil usuários dos grupos acima dos 65 anos e pessoas com dificuldade de locomoção. O quantitativo representa um terço dos 35 mil usuários atendidos na Farmácia Metropolitana, no Bairro da Boa Vista, no Recife. O programa se restringe aos pacientes que não fazem uso de medicamentos termolábeis e infusionais, por conta da estabilidade dos fármacos e para garantir a segurança do tratamento.

O Remédio em Casa vira programa oficial no momento em que a pandemia torna a preocupar, com números em ascendência. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES) foram registrados 1.348 novos casos da Covid-19 nas últimas 24 horas. E 26 óbitos tiveram a doença como causa, com confirmação em exames de laboratório. Ou seja, chega a 185.607 o número oficial de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.  E os óbitos já somam 9.082 em Pernambuco. Portanto, todo cuidado é pouco. E não é nada recomendável que pessoas com doenças com doenças como Lúpus, asma e outras pulmonares saiam de casa para buscar remédio, correndo o risco de contrair Covid-19 entre o caminho da casa e a Farmácia.

Leia também:
Remédio chega de graça em casa mas pacientes resistem pensando que é golpe
Covid-19: O bicho está pegando
Cuidado com a Covid na eleição
PE: Covid em desaceralação oficial mais com tendência de crescimento
TRE: Aglomerações políticas podem virar caso de polícia
Campanha política ignora pandemia
Procissões e carnavais eleitorais esquecem pandemia
Vírus da Zika também pode ser transmitido por via  sexual
Liana Ventura: reconhecimento internacional
Pandemia: Festa da Padroeira sem direito a igreja cheia nem procissão
Pandemia: Festa da Padroeira não terá procissão pela primeira vez em 324 anos
Pandemia: Igreja em quarentena e sem Festa da Pitomba
Cientistas e médicos: Vidas são mais importantes do que cargos políticos
Infectados chegam a 161.161 em PE
Covid volta a crescer
Recife volta a liderar óbitos de covid-19
A dança dos números na pandemia
Covid “cai” mas não dá para relaxar

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Ashelley Melo e Miva Filho / SEI e SES

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.