A Rua do Bom Jesus deve ser um bulevar “igual ao da Rio Branco?”

Até o momento, Marília Arraes (PT) e João Campos (PSB) ainda não apresentaram uma proposta completa e convincente para revitalizar o centro do Recife, que  está cada vez mais degradado, inclusive suas praças e ruas históricas. Basta dar uma volta por avenidas com a Guararapes e a Dantas Barreto, assim como ruas como a Nova, Imperatriz e para se perceber a decadência que tomou conta de bairros como Santo Antônio, São José e Boa Vista.

Para completar, o candidato do PSB disse recentemente que vai transformar a Rua do Bom Jesus em via exclusiva para pedestres e ciclistas. Até aí, tudo bem. O problema é ele dizer que a mudança tem por inspiração a Avenida Rio Branco (que, depois da reforma, a Prefeitura decidiu chamar de “boulevard”). Como se sabe, a Rua do Bom Jesus é uma relíquia do passado e foi recentemente incluída entre as cinco mais bonitas do mundos. Então, nada nela deve ser mexido. O que ela merece, talvez, são alguns jarros decorativos e floridos. E deixar tudo como está, preservando-se o que ela ainda tem de original. Precisa sim, é de manutenção, inclusive na sua sinalização turística. O “Boulevard” da Rio Branco não pode nem deve servir de modelo para ninguém. Porque se formos comparar os que existem no mundo e o do Recife, o daqui parece sim, um arranjo improvisado. E que, por sinal, custou bem caro. Para completar, ainda espalharam uns quiosques que são um verdadeiro atentado à estética e não condizem, sequer, com a arquitetura local.

Então, sinceramente, a sociedade deve ficar de olho para que o Recife não deixe profanar um dos locais mais bonitos da cidade e um dos principais cartões postais do centro. Querer transformar a Bom Jesus no “Boulevard” da Rio Branco… Sinceramente,é demais para quem ama a cidade. E é assunto para a população se preocupar. Primeiro, o asfalto e os trilhos do Bom Jesus pertencem à história e não devem ser revestidos com outro tipo de piso, como ocorreu no Boulevard da Rio Branco e em outras vias do centro. Segundo, alamedas assim precisam ser humanizadas e aprazíveis, com banquinhos confortáveis, outros equipamentos urbanos que estimulem a convivência entre as pessoas e conforto térmico.  Em outras palavras, um bom sombreamento proporcionado pela arborização. Terceiro, é preciso o maior cuidado com quiosques que nada contribuem para a beleza da paisagem. E já que é a Bom Jesus é um local de visitação, todo cuidado é pouco com a sinalização turística, para que ela não fique, assim, como vocês podem ver na foto abaixo.

Entre as principais propostas do socialista para o centro estão: Rua do Bom Jesus “exclusiva para pedestres e ciclistas”; equipe e escritório exclusivos para a gestão de bairros centrais; requalificação da Avenida Dantas Barreto e Avenida Guararapes, para estimular a moradia no centro.

Já Marília promete investir em habitação. Propõe que 40 prédios abandonados que têm débitos superiores aos seus valores venais sejam ocupados. Porém, lembra, para o centro ficar atraente é preciso que seja revitalizado. Agora, que as propostas podem ser mais objetivas, falta aos candidatos dizer como vão trazer de volta o público para o centro, já que a falta de segurança e a degradação empurrou os consumidores para shopping-centers. Também nada dizem sobre o bairro de São José. Nem sobre locais tão pitorescos e igualmente abandonados como os pátios do centro, como o do Terço e o do Livramento. Vamos, pois, aguardar que ambos expressem mais amor à cidade do que a atual gestão, que fez muito pouco pelo centro do Recife. Tirando a Avenida Conde da Boa Vista…. e recuperação de algumas calçadas, o que mais?…..

Leia também:
Vamos salvar o centro do Recife?
De olho nas luminárias da Bom Jesus
Vocês querem boulevard?
Atentado à estética no Boulevard 
Recife se  prepara para os 500 anos
O charme da Rua do Bom Jesus
Aluga-se um belo prédio na Bom Jesus
Bom Jesus ganha moldura para selfies
Re-Use no Inciti, na Bom Jesus, 191
Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Pobre Recife. Será que isso vai mudar?
Sessão Recife Nostalgia: Maurisstad, arcos e boi voador
Apipucos: Adeus às antigas luminárias
O Recife da paisagem mutilada
Fonte luminosa na Praça do Arsenal
Sessão Recife Nostalgia: os cafés do século 19 na cidade que imitava Paris
Os primeiros das Américas
Art Déco: Miami ou Recife?
Livro mostra mania de grandeza: “O mundo começava no Recife”
Aos 483, o Recife é lindo?
Uma cidade boa para todo mundo
#RecifeEmergênciaClimática1
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror, Pátio de São Pedro
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Lixo oficial nas margens do Rio Capibaribe

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Hans Von Manteuffel e Evandro Duarte de Sá/ Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.