Praça da Várzea: Requalificada, porém descaracterizada

A Praça Pinto Damaso foi requalificada e acaba de ser entregue. Mais conhecida como Praça da Várzea, o logradouro tem a assinatura do paisagista Burle Marx (1909-1994) e está incluído na relação dos chamados jardins históricos do Recife. Portanto, merece e deve ser preservado assim como todo o seu entorno. A praça é uma das poucas  da cidade cuja área ao redor ainda não está verticalizado e possui, inclusive, construções antigas como chalés seculares e o Hospital Magitot (que encontra-se em ruínas) ao seu redor.

A julgar pelo que informa a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), o investimento não foi alto: R$ 285 mil, aplicados nas obras a recuperação do alambrado da quadra, pintura e demarcação dos passeios e áreas comuns com piso em concreto. Também foram reformados o playground, os canteiros e o gramado. E ainda feitas redefinição do gradil, obras de acessibilidade, colocação de protetor de gramado, pintura geral, e impermeabilização do telhado do abrigo e parada de ônibus.

Esse tipo de construção descaracteriza o projeto original de paisagismo idealizado por Burle Marx para a Várzea.

Infelizmente, no entanto, o projeto de Burle Marx vem ganhando, ao longo dos anos, uns “puxadinhos” que descaracterizaram a Praça. Um deles como a Academia da Saúde. Embora a academia seja de grande utilidade para a população, na verdade seu estilo moderno destoa do conjunto paisagístico do início do século passado. Mas, dos males, o menor. Pelo menos a praça foi recuperada, o que não ocorre com a maioria das 600 áreas verdes que o Recife possui, quase sempre em situação de abandono na atual gestão.

Mas de acordo com a  Prefeitura, daquelas 660 áreas de lazer, mais de 500 foram requalificados desde 2013, com um investimento de R$ 25 milhões. “Apenas neste ano estão sendo investidos cerca de R$ 3 milhões em espaços públicos importantes como o entorno da Lagoa do Araçá, o Parque Robert Kennedy, já entregue à população, entre outros”, informa. Com esse dinheiro todo investido… bem que a situação de nossas praças e parques poderia ser bem melhor. Passem, por exemplo, no Parque  Maximiano Campos (em Apipucos) ou no Sítio Trindade (em Casa Amarela) Ou em praças como a Maciel Pinheiro, a Dezessete e a Independência, no Centro. Todos de dar dó… Como será que o  próximo prefeito vai tratar praças e parques? Alguém prevê?

Leia também:
Secular Magitot em ruínas na Várzea
Parem de derrubar árvores (259)
Jardim histórico: Cadê o comitê gestor?
Livro mostra jardins históricos do Recife
Principais atrações da Várzea reabertas
Pelas terras da Várzea: volta ao passado
Arte monumental e natureza generosa
Boi da Mata agita a Várzea
O ar refrigerado da mata sob o sol
Presença inglesa,mamulengo e Brennand no Olha! Recife
De metrô com saudade do velho trem
No Dia da Amazônia, trilha pela Mata Atlântica, no bairro da Várzea
Ricardo Brennand, Franz Post, Echkout, Mercado da Madalena e pandemia
Influência da África no Ricardo Brennand
Venha conhecer a dança dos tapuias
Postal virou peça de museu
Não perca a viagem ao passado com Debret
Pelas terras da Várzea: volta ao passado

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Andrea Rego Barros/  Divulgação/ PCR 

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.