Lixo oficial na margem do Capibaribe, cidade “entregue” e prefeito impopular

Atendendo a pedido de um leitor que não quer se identificar, perguntei à Emlurb (Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana) porque a margem do Capibaribe está sendo utilizada para acumular montanhas de metralhas, ao lado do Carrefour, no Bairro da Torre. Estive no local para conferir a acusação, e fiquei impressionada com o descaso do poder público diante de um descalabro desse. Gente, não é um balde de metralha não. São montanhas, justamente à altura do retorno que dá acesso ao supermercado.

Como não veio explicação oficial apesar do pedido  –  o que não é incomum – estive na área e perguntei aos moradores  do bairro, frequentadores e trabalhadores do supermercado se sabiam a origem  das metralhas na beira do rio. E a suspeita é muito triste. Todos informaram que são restos de concreto retirados de calçadas na Rua José Bonifácio, que passaram por requalificação. Até tampa de sarjeta de rua tem no meio. A requalificação é justa e necessária. As calçadas eram um risco para o pedestre e realmente precisavam de reforma. Agora… fazer da beira do Rio depósito de lixo é que é demais. Principalmente se a iniciativa parte do poder público.

Até o manguezal começa a ficar sufocado com a montanha de metralhas à margem do Capibaribe, junto ao Carrefour.

Ouvi seis pessoas e todas deram a mesma versão: são restos de obras de serviços executados na José Bonifácio pela Emlurb, órgão da Prefeitura a quem cabe, entre outras missões, zelar pela limpeza da cidade. Realmente houve serviços naquela via e até há trechos onde ainda vêm sendo executados. Mas que é um descaso deixar montanhas de detritos na beira do rio, ah, isso é.  E um péssimo exemplo, partindo de um órgão oficial. É uma completa falta de amor à paisagem, à natureza e ao já tão sofrido Rio Capibaribe que, nesta semana, estava com também um odor insuportável já que recebe todo tipo de despejo de esgoto da cidade. Infelizmente.

São fatos como estes que somam pontos negativos para um gestor – no caso o Prefeito Geraldo Júlio (PSB) – que acaba de ser apontado na pesquisa divulgada hoje pelo Ibope/ TV Globo/ Jornal do Commercio como o pior Prefeito do Nordeste e o quinto pior do Brasil.  É que só 40  por cento da população aprova sua gestão. Uma avaliação tão crítica que ao contrário do que normalmente acontece em campanhas políticas, sua figura tem sido evitada ou usada com parcimônia no horário eleitoral gratuito de João Campos, candidato do mesmo partido à sucessão municipal. Quando GJ aparece, quase não fala e o candidato oficial diz apenas que ainda tem muito o que fazer. Claro, serviço no Recife é o que não falta.

Se o rapaz chegar lá,  será muito mais por mérito próprio do que por apadrinhamento do Prefeito. Ao #OxeRecife não surpreende, por exemplo, que Antônio Carlos Magalhães Neto, o Acemezinho, – como é conhecido em Salvador – tenha arrebatado o título de Prefeito mais popular do Brasil, com 85 por cento de aprovação. Ao contrário do Recife, que tem um monte de lixo em cada esquina, Salvador está limpíssima. Ao contrário do Recife, cujas praças foram abandonadas pelo poder público, as da capital baiana estão verdes e floridas. Ao contrário do Recife, onde o patrimônio histórico – Mercado de São José, Pátio de São Pedro, Pátio do Terço – não tem o tratamento que merece, em Salvador, o Pelourinho está um brinco, cheio de turistas. E limpíssimo, nem se vê lixo no chão. A mão do gestor e o esforço de melhoria dos equipamentos urbanos podem ser percebidos no centro popular de Salvador e também nos subúrbios, como  na feira de São Joaquim.  O Recife é uma cidade linda, amada pela sua população. Mas geralmente a opinião sobre a situação geral da cidade é sempre a mesma: “Está entregue”. O pior é que está mesmo. Basta andar pelo centro, sentar em um banco de praça ou passear pelas margens do Rio Capibaribe. Vamos ver o que fará o novo prefeito para melhorar nossa cidade. Não vai ser fácil, para o próximo gestor, transformar o Recife em uma cidade parque, como se pretende.

Leia  também:
A voz do eleitor: cidade limpa, justa e muito bem cuidada
Chame, chame a… delegada: Mudança já, oligarquias e equívocos
A Voz do eleitor: Saneamento, educação, saúde, patrimônio protegido
A voz do eleitor: “Quero a volta do orçamento participativo”
A voz do eleitor: “Gestão inclusiva, justa e participativa”
A Voz do eleitor: Espero competência, honestidade, dignidade
Campanha política ignora pandemia

Eleições municipais, 2020: Pernambuco tem 1.140 fichas sujas
Você está feliz com o Recife?
O índice de felicidade urbana do Recife
Viva 2018, Recife
O Recife que queremos, em 2019
Recife, cidade parque em 2037
Por um Recife melhor em 2020
Aos 483, o Recife é lindo?
Recife se prepara para os 500 anos
Uma cidade boa para todo mundo
Detonadas as margens do Capibaribe
Parem de derrubar árvores (na Aurora)
Praças estão à míngua no Recife
Pátio de São Pedro está sendo pilhado
Que horror, Pátio de São Pedro fica sem os lampiões
Cadê os lampiões da Ponte Velha?
Surrupiados  lampiões da Ponte Velha
Que breu é esse na Torre de Cristal?
Bairro de São José: O Haiti não é aqui
Recife e Salvador: Qual o pior metrô?
Os verdes gramados de Salvador
Salvador não está jogada como o Recife
O Recife leva banho de Salvador, no quesito limpeza

Apipucos: Adeus às antigas luminárias 

Cadê a fiscalização em Boa Viagem?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.