Assine também: #tchausalles

De longe o pior Ministro do Meio Ambiente que o Brasil já teve e o que menos cumpre a sua obrigação institucional de defender a natureza – ao contrário, sempre age em defesa de grileiros, madeireiros e garimpeiros que atuam na ilegalidade – Ricardo Salles virou alvo de um abaixo assinado virtual, em defesa de sua exoneração. Embora a sociedade saiba que ele é pau mandado do Capitão, a situação ficará ainda pior se não houver pressão. Vamos, pois subscrever o documento #TchauSalles, antes que a “boiada” do Ministro do “Contra” Ambiente acabe com as florestas do país.

Depois de reduzir o número de assentos no Conselho Nacional de Meio Ambiente (o Conama), onde decidiu dar direito a voto só a pessoas da sua laia, Salles acabou por escandalizar a sociedade mais uma vez, ao tornar sem efeito dispositivos legais que protegiam biomas como manguezais e restingas, ambos importantíssimos para o equilíbrio ecológico do Litoral. No abaixo assinado que começou a circular após essa última e absurda decisão, os signatários lembram que o Ministério Público voltou a pedir o afastamento imediato do inimigo número um da natureza no País.

O descuido com a Amazônia tem despertado protestos mundiais e de organizações ambientalistas como o Greenpeace

“Após um pedido inicial em julho, agora (o MPF) reforçou ao Tribunal. Salles não para de devastar a Amazônia, o Pantanal e agora tem como alvo as restingas e os manguezais”, lembram. “Envie agora um email e dê um empurrãozinho para derrubar o pior ministro do meio ambiente de todos os tempos. Apoie o afastamento”. Pode não dar em nada, até porque a política ambiental exercitada pela figura nefasta é a preconizada pelo Presidente Jair Bolsonaro. Mas, assinando o documento, estaremos fazendo a nossa parte, em defesa dos rios, mares, de biomas importantíssimos para nós, como o Pantanal, a Amazônia, a Floresta Atlântica.

Como nós temos acompanhado, a política do meio ambiente do Brasil tem se mostrado tão nociva que tem deixado indignada a opinião pública nacional e internacional. Tem virado não só motivo de repúdio pelo mundo mas também de  chacota, como vocês podem ver  nas duas charges que ilustram essa página, nas quais o Presidente Jair Bolsonaro aparece em situações nada recomendáveis, sendo até mesmo exposto ao ridículo. Essa em que ele aparece vestido de índio passou a circular nas redes sociais após pronunciamento recente na Onu, no qual culpou o “índio” e o “caboclo” pelas queimadas da Amazônia. Quanto a Salles,  não lembro, em toda a minha vida de ter presenciado – por exemplo – fato tão marcante quanto o que ocorreu no mês de junho, quando todos os ex-ministros do Meio Ambiente divulgaram uma carta questionando o desempenho do Ministro.

Na carta, eles pediam ao Ministério Público Federal e à Procuradoria Geral da República “medidas legais para garantir a preservação ambiental do país”. E servidores de órgãos ligados à defesa do Meio Ambiente também já divulgaram um documento, enumerando nada menos de 150 medidas tomadas pelo governo que vão contra a preservação e manutenção dos nossos recursos naturais. Entre elas, a perseguição a servidores simplesmente porque fazem a coisa certa. E também a desestruturação de toda a rede de proteção ambiental que o Brasil construiu a duras penas, ao longo dos anos. Até momento de fechar esse post, 203.697 pessoas já haviam subscrito o pedido de afastamento do ministro. #TchauSalles. Assinar é fácil. Basta abrir https://www.tchausalles.org/ e se tornar mais um brasileiro em defesa da natureza. Com esse  ministro, realmente não dá mais.

Leia também:
Salles, o veneno contra a natureza
O Brasil pegando fogo, e Bozó bota a culpa no índio e no caboclo
Já me falta ar para falar das florestas
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira
Taxa em Noronha não é roubo, mas recurso para proteger a natureza
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
Multa em Muro Alto: ocupação irregular
Crime ambiental em Maracaípe: Prefeitura de Ipojuca é acusada
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia: gangrenam o corpo
Zoneamento ambiental contra turismo predatório no Litoral Sul
Os levantes das ligas camponesas
Ditadura nunca mais:
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?

Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
 
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Nome de ex-presidente militar em unidade do exército gera ação do Ministério Público 
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Campanha #tchausalles e Greenpeace

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.