Faixa de pedestre leva a lugar nenhum

Olhem só a foto acima. E vejam que ideia de jerico, uma faixa de pedestre que une uma calçada a lugar nenhum. Fica na Rua João Tude de Melo, no bairro do Parnamirim, Zona Norte do Recife. Entra e sai gestor da Cttu, e o problema permanece, na esquina daquela via com a Rua Virgínia Loreto, onde há um semáforo.

Os automóveis param no sinal vermelho, mas ao usufruir do sinal verde para atravessar a João Tude, o cidadão se depara com a inexistência de calçada do outro lado da rua. E, no caso, corre um risco duplo: ser atropelado ou cair  na lama do canal que fica no meio da via.  Um absurdo completo. E não custa nada perguntar, qual o sentido de uma faixa de pedestre que ao invés de proteger, o coloca em risco?

São duas faixas de pedestres na Rua João Tude de Melo, mas só essa oferece segurança: a da Ponte do Marreco

Quem usa aquela faixa tem que ir se equilibrando sobre o meio-fio ou pelo asfalto, correndo o risco de ser atropelado. Isso porque a Ponte do Marreco, que atravessa o Canal e dá acesso ao outro lado da pista fica distante da primeira faixa para pedestre.

Ou seja, quem atravessou a rua no sinal da Virgínia Loreto tem que caminhar driblando o perigo até  a Ponte do Marreco, que fica em frente ao Shopping Parnamirim. Sinceramente, uma faixa daquele jeito nem sei se vale a pena. Isso porque a função de proteger o elemento mais frágil na mobilidade – o caminhante – simplesmente não existe. Pelo contrário, o obriga a arriscar a vida.

Leia também:
GGE: Amigos do Parnamirim cobram transparência
GGE diz que fez a coisa certa
Lojão e colégio: confusão na Zona Norte
E o pedestre, como é que fica?
Parem de derrubar árvores (134)
Da árvore só restou o pó de serra
Calçadas cidadãs na Jaqueira e no Parnamirim
Novas calçadas: 124 km até 2020
Riacho Parnamirim ainda tem jeito
Cenas da vida rural no Parnamirim
Capibaribe: novo centro de convivência
Permuta Cultural no Parnamirim
Muda tudo para o verde no Parnamirim

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.