Salles: O “veneno” contra a natureza

Gente, onde é que isso vai parar? Como se não bastasse a tolerância e até mesmo o incentivo à ação ilegal de grileiros, madeireiros e garimpeiros na Amazônia e no Pantanal, o Ministério do Meio Ambiente acaba de dar mais uma “rasteira” na natureza. Simplesmente extinguiu duas resoluções (302 e 303), que delimitavam áreas de proteção permanente (Apps) de manguezais e restingas no Litoral do Brasil e principalmente do Nordeste.

Os mecanismos existiam desde 2002. Como vocês sabem, os manguezais são uma espécie de berçário da vida marinha. Muitos animais – crustáceos, peixes, molucos e até mamíferos (caso do peixe-boi) nascem e crescem no mangue, indo ao mar já na vida adolescente ou adulta. Já as restingas, que integram o bioma da Mata Atlântica, são muito importantes no controle da erosão nas praias. E agora, como vai ser? Como proteger o nosso já tão castigado litoral de ações movidas pela especulação imobiliária? Ou mesmo por autoridades?

Com a decisão do Conama, abusos como este da foto em vegetação de restinga ficarão ainda mais frequentes.

Como os órgãos locais – a Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh), no caso de Pernambuco – vão agir?  No Estado já foi flagrado até Prefeita (Célias Sales, deIpojuca), descumprindo aquelas resoluções. Mas a  autoridade pagou pelo que fez.  Foi multada pela Cprh. E agora, o problema vai ficar ainda pior. A decisão foi tomada na tarde de hoje, em reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente, o Conama. O órgão deliberativo, que antes possuía 96 conselheiros, agora só tem 23 membros titulares, a maior parte ligada ao Ministro Ricardo Salles, um demolidor da natureza. E ai do fiscal ou servidor público que fizer a coisa certa…. Ou seja, uma gestão devastadora.

Quem não se lembra da célebre frase do Ministro da Morte Ambiente no início da pandemia, quando sugeriu soltar a “boiada” para acabar com a rede de proteção ambiental do Brasil, já que a imprensa estava só preocupada com o avanço da Covid-19? Hoje teve mais. Caiu  a exigência de licenciamento ambiental para projetos de irrigação. E as embalagens de agrotóxicos poderão ser incineradas em fornos industriais para a produção de cimento. O destino desse material seguia antes um protocolo rígido, já que contaminam o ar e as pessoas que os manipulam. Triste, muito triste mesmo. Aliás, quando vejo esse homem na televisão, sinto uma pontada no estômago. Porque ao contrário das serpentes verdadeiras, ele mais parece uma cobra venenosa de um filme de ficção que destila veneno contra a natureza.

Veja nos links abaixo, outras notícias sobre a questão do meio ambiente no Brasil, um drama sem fim.

Leia também:
O Brasil pegando fogo, e Bozó bota a culpa no índio e no caboclo
Já me falta ar para falar das florestas
Servidor federal é demitido porque fez a coisa certa na proteção ambiental
Ministro manda oceanógrafo trabalhar na caatinga: O Sertão já virou mar?
O Brasil está virando o rei do veneno
Fome, tortura, veneno e maniqueísmo
Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira
Taxa em Noronha não é roubo, mas recurso para proteger a natureza
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
Multa em Muro Alto: ocupação irregular
Crime ambiental em Maracaípe: Prefeitura de Ipojuca é acusada
Coral danificado por canos para alimentar aquário de lagosta de hotel
Resíduos deixados no manguezal são como garrote na veia: gangrenam o corpo
Zoneamento ambiental contra turismo predatório no Litoral Sul
Os levantes das ligas camponesas
Ditadura nunca mais:
Filme revive fatos da ditadura de 1964
Livro oportuno sobre a ditadura (que o Presidente eleito diz que nunca existiu)
Lição de história sobre ditadura no Olha! Recife
Ministério Público recomenda que não se comemore 1964 nos quartéis do Exército
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
E agora, Bozó?
Arsenal: Sexta tem Cabaré do Bozó
Coronavírus: vaidade, mesquinharia, doação
Herói, palhaço, lockdown

Cientistas contestam Bolsonaro
Voltar à normalidade como? “Gripezinha”, “resfriadinho” ou genocídio?

Agricultura, veneno e genocídio
A fome no Brasil é uma mentira?
A mentira da fome e a realidade no lixão do Sertão que comoveu o Brasil
 
A história de 1968 pela fotografia
Cantadores: Bolsonaro é a marca do passado
“Nazista bom é nazista morto” chama atenção em muro do Exército
Nome de ex-presidente militar em unidade do exército gera ação do Ministério Público 
Menino veste azul e menina veste rosa?
“Falsa impressão de que arma é a solução”
Cuidado, armas à vista. Perigo!
Azul e rosa na folia dos laranjais
Circo, Galo, frevo, festa e o carai

Ditadura: a dificuldade dos escritores
Público vai ter acesso a 132 mil documentos deixados pelo Dom da Paz
“Cárcere” mostra o Brasil da ditadura
Pensem, em 1964 já tinha fake news: bacamarteiros viraram guerrilheiros
Cinema dominado e poucas opções: Amores de Chumbo
Mutirão contra a censura de Abrazo
Censura de Abrazo vira caso de justiça

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh / Divulgação / Acervo #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.