Solidariedade: S.O.S Hotel Central

Muito bacana a iniciativa de alguns recifenses, que se organizam em grupos, para almoçar no Hotel  Central, uma das relíquias arquitetônicas e históricas do Recife, que enfrentou período de decadência, passou depois por restauração  e que esteve perto de fechar durante o isolamento social imposto pela pandemia do coronavírus.  E que só não fechou por causa de Rosa Nascimento, cozinheira e chef, que decidiu assumir a gestão depois que o antigo proprietário anunciou que as atividades estariam encerradas em 1 de junho de 2020.

Rosa herdou o Hotel Central com apenas três hóspedes e no período mais rígido do isolamento social. Salvou o emprego de 16 dos 22 antigos empregados e começou a tocar o projeto mais ousado de sua vida: manter o estabelecimento funcionando, remando contra a maré. E ela não o quer só como um local de hospedagem e comida regional. Mas também como uma opção para eventos culturais, quando baixar a poeira da pandemia. Por amor ao Hotel e solidariedade a Dona Rosa, muitos recifenses têm acorrido ao local  até para pernoite, mesmo residindo no Recife. É uma forma que muitos arranjaram para ajudar na ocupação dos apartamentos e assegurar o caixa para ajudar Dona Rosa nas  despesas.

Em dezembro passado, Inaldete Pinheiro lançou o livro “Travessias” no Hotel Central, que  Rosa sonha em usar para eventos culturais.

E no sábado (19/9) tem mais uma “romaria”.  É o S.O.S Hotel Central, que reunirá 20 pessoas em uma caminhada pelo Bairro da Boa Vista para, em seguida,  um almoço regional na famosa cozinha de Dona Rosa. Para facilitar o trabalho no fogão, já que o número de empregados está reduzido, os pratos já foram previamente escolhidos.  Os “apoiadores” mais recentes são integrantes dos grupos Bora Preservar e Preservar Pernambuco, que vão lá prestar continência a uma mulher de tanta coragem. O Coordenador dos Grupos, Denaldo Coelho, mora no Recife. Mas vai dormir lá. Tudo para dar apoio a Dona Rosa. Afinal, quando mais apartamento ocupado, melhor para facilitar a vida da gestora.

Se cada um toma iniciativas como essas, juntos, todos podem salvar um hotel que é, também, um poço de história. E que já hospedou figurões como o Presidente Getúlio Vargas, o cineasta Orson Welles e a cantora Carmem Miranda. “Taí, eu fiz tudo prá você gostar de mim”… E todos nós gostamos do Hotel Central. E também de Dona Rosa, mesmo que não a conheça pessoalmente. Pela sua história, pela sua coragem, pela sua obstinação, pelo espírito guerreiro. Por conta da pandemia, todas as regras de segurança serão cumpridas e o grupo foi limitado a 20 pessoas. Como integrante de ambos, também estarei lá. O Hotel Central e Dona Rosa merecem todo nosso carinho e atenção.  Antes, faremos um passeio pela Boa Vista. O roteiro de hoje contempla alguns templos e prédios antigos do bairro e terá como guia o Professor Emanoel Correia, o mais assíduo “escriba” do Bora Preservar.

Leia também:
Teatro do Parque agora vai… Será?
Imperatriz tem 26 lojas fechadas
Teatro Jardim, o Parque terá área verde como extensão do palco
Teatro do Parque será entregue em 2020. E também a Conde da Boa Vista
Que tal lutar pelo Teatro do Parque e também pelo Hotel do Parque?
Obras recomeçam no Teatro do Parque
O Hotel do Parque Sem Memória
Hotel do Parque em livro sobre Root
Virada Cultural pelo Teatro do Parque
Resgate histórico do Beco do Camarão

Ponte da Boa Vista pede socorro
Ponte da Boa Vista ganha abraço
Ponte da Boa Vista ganha reparos
Lixo e abandono na casa de Clarice
Caindo sobrado onde nasceu Nabuco
Praça Maciel Pinheiro pede socorro

Sessão Recife Nostalgia: Ponte Giratória que não gira
Forte do Buraco: Tombado, destombado e tombado de novo
Movimento Negro e Travessias

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.