Calçadas nada cidadãs na Zona Norte

É verdade que melhoraram muitas calçadas do Recife, que estavam impraticáveis. Foram refeitas as dos bairros da Torre, Boa Vista, Jaqueira, Graças, Areias. Mas há regiões da cidade onde caminhar virou uma atitude de risco. Já precisei engessar o pé por conta de uma torção no tornozelo, devido a  calçada totalmente irregular, perto da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Isso há uns três anos. Pois ao fazer minha caminhada matinal do bairro de Apipucos – onde resido – ao Sítio dos Pintos, constatei que  a situação agora é ainda pior. E que o perigo de acidente ronda cerca de 70 por cento do trecho percorrido, ao longo da Rua Apipucos, Rua Dois Irmãos e da Manoel de Medeiros. É buraco, é lixo, é tampa dupla de bueiro afundada, é ferragem exposta das tampas de concreto. Observem só a situação das duas “calçadas” das fotografias.

Com entulhos e lixo, essa calçada em Dois Irmãos vira uma armadilha para os pedestres: pau e pedra no caminho

Acredito que tanto a Prefeitura quanto a Universidade Federal Rural de Pernambuco deveriam ter aproveitado o período de pandemia para  recompor esses  caminhos, pelos quais a movimentação de estudantes é grande em tempos de normalidade das aulas. No trecho, ficam ainda, o Parque Estadual de Dois Irmãos (com seu zoológico), o Laboratório Farmacêutico de  Pernambuco (Lafepe), escritórios da Compesa, a Praça Faria Neves (que tem projeto de Burle Marx), bares, restaurantes e uma casa de recepções.

Ou seja, são caminhos de grande movimento. Há uns três anos, a Ufrpe restaurou algumas de suas calçadas, em áreas próximas à Reitoria, mas o trecho precisando de reparos é grande e não são só naquelas pertencentes à Rural. Há grande parte do trecho entre Apipucos e Sítio dos Pintos sem espaço para pedestre (tomados por lixo ou vegetação) enquanto em outros, onde elas são até largas, o concreto já se foi. Impraticáveis, por exemplo, para um cadeirante. E arriscadas, para qualquer pedestre, seja criança, jovem ou idoso. Calçadas nada cidadãs. Uma cidade sem calçadas dignas não tem nenhum respeito pelo contribuinte, que paga seus impostos para ter, pelo menos, o direito garantido de ir e vir com segurança.

Leia também
Bandalha nas calçadas requalificadas
Calçadas largas na Gervásio Pires
Calçadas oferecem risco na Boa Vista
Bandalha nas calçadas do Recife
As 22000 multas cidadãs de Francisco
Cidadania a pé, como?
Prefeitura diz que recupera calçadas
Novas calçadas: 134 quilômetros até 2020
Quem inventou as famigeradas tampas duplas de nossas calçadas
Acidente em calçada requer até Samu
Calçada dá medo na gente de afundar
“Revoltado com a queda na calçada”
Os cem buracos do meu caminho
“Já torci o pé três vezes nas calçadas”
Recife: calçadas e ruas assassinas
Oxe, cadê as calçadas da Avenida Norte?
As inviáveis calçadas da Avenida Norte
Av Norte: reforma só atinge doze por cento das calçadas. Pedestre corre risco
Calçadas crateras na Avenida Norte
Calçadas melhoram na Av Norte. Mas…
As inviáveis calçadas da Av Norte
Requalificação na Av Recife inclui retirada de gelos baianos das calçadas?
Qual vale mais: a vida ou o poste?
Que saudade da Rua Nova
Calçadas pedem socorro no Recife
Calçadas detonadas no Centro
Convite ao tombo no centro
Calçadas nada cidadãs
Por calçadas cidadãs
Uma “piscina” no meio do caminho
Futuro das usurpações urbanas
Cadeirante merece respeito
Cadê o respeito aos cadeirantes?
Cadê a calçada daqui? Oxe, Recife
Comunidade recupera calçada em Casa Amarela.Essas cenas vão sumir?

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.